Internacional
Cuba tem julgamentos em massa de manifestantes
Publicado: 00:00:00 - 18/01/2022 Atualizado: 23:09:59 - 18/01/2022
Manifestantes detidos em Cuba estão enfrentando os maiores e mais punitivos julgamentos em massa na ilha desde os primeiros tempos da revolução e podem ser sentenciados a até 30 anos de prisão. Esta semana, promotores cubanos levaram a julgamento mais de 60 cidadãos acusados de crimes, incluindo subversão, por terem participado de protestos contra a crise econômica no país realizados em julho do ano passado. A informação é de ativistas dos direitos humanos e familiares dos detidos.

Entre as pessoas processadas há pelo menos cinco menores de idade, alguns de apenas 16 anos. Eles fazem parte dos mais de 620 detidos que estão sendo julgados ou devem ir a julgamento por terem participado da maior explosão de insatisfação popular com o governo comunista desde que este chegou ao poder, em 1959.

A gravidade das acusações criminais faz parte de um esforço coordenado do governo para evitar mais manifestações públicas de insatisfação, disseram ativistas. E a repressão jogou por terra as esperanças que ainda restavam de uma liberalização gradual ocorrer sob a égide do presidente Miguel Diáz-Canel, que em 2018 tomou o lugar de Raúl Castro, irmão de Fidel, para tornar-se o primeiro líder cubano de fora da família Castro desde 1959.

"O que reina aqui é o império do medo", disse Daniel Triana, ator e ativista cubano que foi detido por pouco tempo após os protestos. "Aqui a repressão não mata diretamente, mas força as pessoas a optar entre a prisão e o exílio."

Cuba vive há seis décadas sob um embargo comercial punitivo impostos pelos Estados Unidos. O governo cubano há anos atribui o enfraquecimento crescente da economia nacional unicamente a Washington, desviando a atenção dos efeitos da má gestão de Havana e das limitações rígidas que ela impõe ao empreendimento privado.

Cuba explodiu em protesto inesperado em 11 de julho, quando milhares de pessoas, muitas vindas dos distritos mais pobres do país, saíram em passeatas em cidades grandes e pequenas para denunciar a inflação galopante, os cortes de energia e a falta crescente de alimentos e remédios.

Compartilhadas amplamente nas redes sociais, as cenas de insatisfação popular em massa desmentiram cabalmente a ideia promovida pela liderança cubana de que a população continua a apoiar firmemente o Partido Comunista, a despeito das dificuldades econômicas.

Leia também

Plantão de Notícias

Baixe Grátis o App Tribuna do Norte

Jornal Impresso

Edição do dia:
Edição do Dia - Jornal Tribuna do Norte