Artigos
Da alma e do coração
Publicado: 00:00:00 - 01/08/2021 Atualizado: 14:14:00 - 31/07/2021
PAULO COELHO
ESCRITOR

Do excelente livro “Histórias da Alma, Histórias do Coração” (Christina Feldman e Jack Kornfield, Ed. Pioneira), tiramos algumas histórias para esta e outras colunas. Aqui vão algumas delas:

Estou de passagem
No século passado, um turista americano foi ao Cairo visitar o famoso rabino polonês Hafez Ayim. O turista ficou surpreso ao ver que o rabino morava num quarto simples, cheio de livros, onde as únicas peças de mobília eram uma mesa e um banco. 

- Rabi, onde estão seus móveis? – perguntou o turista. 

- E onde estão os seus? – retorquiu Hafez. 

- Os meus? Mas eu só estou aqui de passagem!
- Eu também – disse o rabino. 

Convencer os outros
Um profeta chegou certa vez a uma cidade para converter seus habitantes. 

A princípio, as pessoas ficaram entusiasmadas com o que ouviam. Mas -  pouco a pouco -  a rotina da vida espiritual era tão difícil, que homens e mulheres se afastaram, até que não ficou uma só alma para ouvi-lo. 

Um viajante, ao ver o profeta pregando sozinho, perguntou:
- Por que continuas exaltando as virtudes e condenando os vícios? Não vês que ninguém aqui te escuta?

- No começo, eu esperava transformar as pessoas – disse o profeta. – Se ainda hoje continuo pregando, é apenas para impedir que as pessoas me transformem. 

Depois da morte
O imperador mandou chamar o mestre zen Gudo à sua presença. 
- Gudo, ouvi falar que você é um homem que tudo compreende – disse o imperador. – Eu gostaria de saber o que acontece com o homem iluminado e com o pecador, depois que ambos morrem?
- Como vou saber? – respondeu Gudo. 
- Mas, afinal de contas, você não é um mestre iluminado?
- Sim, senhor. Mas não um mestre morto!

A reflexão
O padre Alan Jones diz que, para a construção de nossa alma, precisamos das Quatro Forças Invisíveis: amor, morte, poder e tempo.

É necessário amar, porque somos amados por Deus. É necessária a consciência da morte, para entender bem a vida. É necessário lutar para crescer – sem deixar-se seduzir pelo poder que conseguimos com isto, pois sabemos que ele não vale nada. Finalmente, é necessário aceitar que nossa alma - embora seja eterna - está neste momento presa na teia do tempo, com suas oportunidades e limitações; assim, temos que agir como se o tempo existisse, fazer o possível para valorizar cada segundo.

Estas Quatro Forças não podem ser tratadas como problemas a serem resolvidos, porque são muito mais importantes que isto - e estão além de qualquer controle. Precisamos aceitá-las, e deixar que nos ensinem o que precisamos aprender.







Os artigos publicados com assinatura não traduzem, necessariamente, a opinião da TRIBUNA DO NORTE, sendo de responsabilidade total do autor.








Leia também