Economia
Dívidas na mira e otimismo para 2016
Publicado: 00:00:00 - 29/11/2015 Atualizado: 09:31:38 - 28/11/2015
Sara Vasconcelos
Repórter

O cenário de recessão econômica não alterou o otimismo do natalense em relação a 2016, mas mudou a forma como este gastará o 13º salário, que a partir desta segunda-feira (30), fará circular mais de R$ 1,9 bilhão na economia do Estado, até o final do ano. Organizar a vida financeira é a prioridade com o dinheiro extra. O pagamento de dívidas é a opção de 45,54%, revela pesquisa encomendada pela TRIBUNA DO NORTE ao Instituto Certus, seguido por  poupar ou investir (15,84%), comprar presentes (8,91%), despesas escolares (8,58%)  e viajar (7,59%).
Shoppings devem atrair a maior parte dos que receberão o 13º salário. Para consumidores como o comerciante José Segundo, no entanto, o consumo ficará em segundo plano: É melhor usar o dinheiro para quitar dívidas
O décimo é visto por muitos, como o comerciante José Segundo, de 58 anos, como forma de “sair do vermelho” sem comprometer muito a renda mensal para quitação de débitos em atraso. O dinheiro que antes era usado para comprar presentes e organizar viagens, conta  Segundo, este ano será usado para quitação de dívidas.

O crescimento do uso do recurso para este fim, observa o  presidente do Instituto Certus, Mardone Cavalcante França, acende o sinal de alerta para o comércio e deverá acentuar a retração no consumo. “Chama atenção a proporção de  natalenses (60%) que usará o dinheiro para quitar dividas,  investir ou poupar. É uma nova conjuntura, não há mais  equilíbrio na forma de uso, como antes, o que significa um freio nas compras de fim de ano”, afirma. 

O estudo realizado na capital nos dias 27 e 28 de novembro revela as perspectivas para 2016, a percepção da crise e como o natalense pretende gastar o benefício.  Foram ouvidas 401 pessoas em toda a Natal. A pesquisa se propõe a subsidiar estratégias de vendas para este final de ano. 

Com a inadimplência alta, na casa dos 7,6% em outubro de 2015 em relação ao mesmo período do ano passado, o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Natal, Augusto Vaz, afirma que já era esperado que o abono fosse usado para esta forma. “Dentro de um contexto nacional ruim para a economia e com alta inadimplência, essa retração no consumo preocupa o comércio varejista, que já projeta queda de 3% nas vendas este ano”, afirma.

Segundo Vaz, produtos como vestuário, calçados e acessórios e brinquedos lideram o ranking dos mais procurados, seguido pelos eletrônicos.

Comércio
A pesquisa da TN/Certus também avaliou os locais de compra dos presentes de Natal e quanto o natalense está disposto a gastar.  Shoppings devem abocanhar 35% das compras, seguido pelo comércio de rua no Centro e Alecrim (32%), Comércio Zona Norte (3,87%) internet (3,19%), ambulantes (2,73%) e supermercados (1,14%), enquanto 10% não vai comprar presentes ou não sabe ainda (10,25%).

Na comparação com o ano passado, o natalense está mais cauteloso e deverá gastar menos com o presente de natal (70,32%), igual  valor (15,96%) e mais (13%). Trinta por cento deverá gastar mais de R$ 200 no presente de Natal, até R$ 100 (27,18%), de R$ 100 a R$ 150 (11,72%) e de R$ 150 a R$ 200 (14,2%).

Parcela
A primeira parcela do 13º salário deve ser paga aos trabalhadores até amanhã, dia 30 de novembro. Já a segunda parcela deve ser liberada até 20 de dezembro. Esse pagamento é uma obrigação para todas as empresas que possuem empregados, e o seu não pagamento é uma infração, podendo resultar em multas para a empresa.

O pagamento é feito com descontos, porém, somente na 2ª parcela, da qual são descontados Imposto de Renda e INSS, por exemplo. Aposentados e pensionistas também recebem esse dinheiro extra. O pagamento da segunda parcela foi iniciado no último dia 24 e acompanhará o calendário mensal, que prossegue até o dia 7.


Leia também

Plantão de Notícias

Baixe Grátis o App Tribuna do Norte

Jornal Impresso

Edição do dia:
Edição do Dia - Jornal Tribuna do Norte