De olhos e antolhos

Publicação: 2019-12-05 00:00:00
Vicente Serejo
serejo@terra.com.br

O mundo tem olhos e antolhos. Há os que enxergam e sustentam suas visões, ousados e livremente, e os que engendram visões distorcidas submetendo a realidade aos próprios desejos, plausíveis ou não. Só os lúcidos ousam ferir a camada das conveniências simpáticas. No Brasil, queiram ou não seus críticos, e contraditoriamente, um dos olhares mais livres é do ex-ministro Delfim Netto, arrastando a carga de bruxo do milagre brasileiro durante a ditadura militar.

Delfim não teme os extremados. Por não temê-los, chega a territórios que os comuns dos mortais não ousam. Pensa acima dos patamares conservadores e progressistas, arrimado no fascínio da lógica. Expõe e assume suas ideias nas páginas de revistas e jornais, de claras tendências petistas, ou na Folha de S. Paulo, o maior exemplo de jornalismo pluralista capaz de reunir nas suas páginas todos os extremos desse grave ofício que é pensar a vida brasileira.

O mesmo Delfim Netto que na capa da revista Época classificou de espetacular a equipe econômica do presidente Jair Bolsonaro - extremo de juízo de valor - é aquele que na mesma semana rasga o véu da conveniência jeitosa e típica das relações com o poder, e adverte com todas as letras, na Folha de S. Paulo, tão do ódio do Palácio do Planalto, que a mesma equipe pode fracassar se não cuidar a tempo de enfrentar as desigualdades no processo distributivo.

Só a grande e consistente consciência de liberdade de pensamento produz a contradição como riqueza de ideias. Nos prisioneiros de ideologias como modelos fixos de visão jamais é possível. Delfim mostra, queiram ou não os seus críticos, mesmo os mais ferrenhos, ter a noção perfeita do quanto é importante a busca da coesão social que não passa pelo feio destempero do ministro Paulo Guedes quando põe o quepe na cabeça e em ordem unida pede a volta do AI-5.

Para Delfim, são dois os gravíssimos problemas que vive o Brasil e ele enumera e narra assim: “1º) a desigualdade de renda entre os homens, que, quando exagerada, cria problema para a coesão social, e 2º) a devastadora desigualdade de oportunidades, da qual precisam tomar consciência se quisermos paz”. Delfin culpa dos economistas neoliberais - esses que hoje assolam o Brasil - e que na sua visão erudita é “uma contrafacção do liberalismo civilizador”.

E não se pense que na visão de Delfim Netto o enfrentamento dessas duas questões tão graves, deve ser feito com a força de um ato institucional tocado pelos coturnos e as baionetas. Pelo contrário. É ele quem escreve na Folha: “Em que consiste a igualdade de oportunidades e quem pode produzi-la? Só uma sociedade reunida em torno Estado Democrático de Direito forte e consensualmente produzido”. É o que não se pode esperar do Brasil dos tempos atuais.  

PALCO
PERDA - A morte de Octávio Lamartine (1035-2019) significa para o Hospital Infantil Varela Santiago a perda de um dos seus maiores defensores. Sobrinho querido de Oswaldo Lamartine.

INÚTIL - O senador Jean-Paul Prates quer um conselho só para fiscalizar a inoperância das agências reguladoras. Inútil. As agências, omissas, servem às grandes prestadoras de serviços.

RAPOSA - Por maior bom senso que possa ter o secretário Carlos Eduardo Xavier, é auditor fiscal. Um tributarista tomando conta da reforma da previdência que é essencialmente social.

E... - Ele tem o respaldo que nasceu do monetarismo que domina o planejamento e previdência de Paulo Guedes e Rogério Marinho. Com 82% da economia na faixa até três salários mínimos.

AÇÚCAR - A Global, atual detentora do direito de edição das obras fundamentais de Câmara Cascudo, deverá relançar este ano ‘Sociologia do Açúcar’, originalmente publicado em 1971.

INJUSTO - Enquanto a Prefeitura contrata por milhares de reais artistas nacionais o Araruna sucumbe aos poucos entregue ao abandono absoluto. Somos injustos e festejamos a injustiça.

AJUDA - Se o prefeito Álvaro Dias destinar 10% do que vai pagar de cachê aos artistas dos shows natalinos garante um ano de vida do Araruna. O grupo está, de fato, semidesaparecido. 

FALSO - De Nino, o filósofo do Beco da Lama, no mormaço da tarde, sobre a artimanha dos dissimulados nesses tempos de almas tão traiçoeiras: “Nos falsos tudo é falso. Até o elogio”.

CAMARIM

AGENDA - Vai ser dia 13 próximo, nove horas da manhã, no auditório da Biblioteca Zila Mamede, no Campus da UFRN, o lançamento do jornal ‘O Galo’. Edição da Fundação José Augusto. Na mesma solenidade, lançamento da edição de ‘O Arado’, de Zila. Com um recital.

OSWALDO - Numa homenagem a Oswaldo Lamartine, nos seus cem anos, um texto deste cronista conta a história e a importância do     ‘Vocabulário do Criatório’, hoje em sua terceira edição, mérito do Sebo Vermelho que tem no seu editor, Abimael Silva, o grande aboiador.

ZÉ ZUS - Bem cuidada a edição do novo livro de Diógenes da Cunha Lima ‘Natal de Zé Zus’, que será lançado na Academia Norte-Rio-Grandense de Letras dia 11, 18h. Edição é da ‘Baobá do Poeta’ com ilustrações de Cláudio Fabiano Sendino que também é autor do projeto gráfico.