"Desejo concorrer ao Senado"

Publicação: 2012-12-22 00:00:00
A deputada federal Fátima Bezerra, embora afirme que é candidata a reeleição em 2014, assumiu que deseja disputar o Senado Federal. Ela confirmou que há uma orientação do PT nacional para que enverede na nova disputa. Ainda sobre o pleito 2014, a parlamentar confirmou que, se confirmado o rompimento do PMDB com o Governo Rosalba Ciarlini (DEM), os petistas abrirão as negociações com o partido presidido pelo deputado federal Henrique Eduardo Alves. Na relação nacional do PT com o PMDB, a parlamentar potiguar confirmou que os petistas apoiarão a candidatura do deputado federal Henrique Eduardo para presidente da Câmara dos Deputados. Ao analisar o fato do petista Paulo Linhares ter sido nomeado para o primeiro escalão da gestão da prefeita de Mossoró Cláudia Regina (DEM), a deputada federal considerou incoerência e disse que, no mínimo, ele deveria pedir afastamento do partido. Confira alguns dos trechos da entrevista concedida pela deputada Fátima Bezerra a TV TRIBUNA (www.tribunadonorte.com.br):

Entrevista / Fátima Bezerra / Deputada federal pelo PT

A senhora concorda com o presidente da Câmara, deputado Marco Maia, que atribui a Câmara a decisão de cassar os deputados condenados pelo Mensalão?
Concordo. Não só eu, como a maioria dos parlamentares têm essa opinião, independente de fazer parte da base do Governo ou não. O deputado Marco Maia está certo ao defender as prerrogativas do Legislativo. Quem deve dar opinião sobre o destino dos parlamentares que estão, segundo o Supremo, tendo os mandatos cassados, é a Câmara.

O PT decidiu não expulsar os condenados do Mensalão?
O partido tem código de ética claro. O código fala de expulsão quando o militante desobedece resolução, diretriz partidária ou comete ato de improbidade. O que não é o caso dos deputados réus do Mensalão. O entendimento da gente é que houve um julgamento de natureza política. O PT não acredita que houve mensalão. Não houve uso do dinheiro público. O que houve foi caixa 2.

O PT apoiará o deputado Henrique Eduardo para presidente da Câmara?
O PT vai cumprir o acordo. O PMDB tem um candidato que é o deputado Henrique Eduardo Alves e é o candidato do PT. O candidato a vice será o deputado André Vargas, do PT do Paraná. O deputado Henrique caminha para ser presidente da Casa. Está há mais de 40 anos, é preparado e fará um bom trabalho.

O PT de Natal punirá quem participar da gestão de Carlos Eduardo, o PT estadual orienta aliança com o PDT. Em que PT acreditar?
Não concordo com essa punição. Não concordo com o PT de Natal de não participar do Governo de Carlos Eduardo, mas respeito. O lugar do PT era estar na gestão.

Mas há um filiado do PT participando do Governo do DEM (Paulo Linhares foi indicado para diretor da Previdência municipal da Prefeitura de Mossoró).
Não pode um cidadão filiado ao PT participar de um Governo do DEM. Nesse caso afronta toda resolução partidária nossa. O DEM é um dos principais partidos que faz oposição ao PT e combate ferozmente o nosso Governo.

É um caso de expulsão?
Claro que ele teria que pedir afastamento imediatamente.

A senhora disputará o Senado em 2014?
Vamos realizar o debate com toda intensidade a partir de 2013 sobre 2014. O diretório estadual já deu o tom, o nosso arco de aliança preferencial é o PDT, PSB, PC do B e o PSD, sem a gente abrir mão do diálogo com demais partidos que fazem parte da base dilmista. Nesse sentido, o PMDB é partido importante. Se romper com o Governo do DEM vai prosperar o diálogo do PT com o PMDB, o mesmo vale para o PV. Durante 2013 vamos preparar o terreno, organizar o partido e fomentar o debate. Hoje minha postulação é ir para reeleição. Eu tenho um mandato respeitado em todo Estado, temos feito um trabalho no campo da educação que é referência no campo estadual e nacional. Agora tenho sim o desejo de disputar o mandato de senadora. Agora entre o desejo e a realidade tem uma boa caminhada. Vamos fazer o debate no interior do meu partido, depois o diálogo com os aliados e o debate no plano nacional. Por parte da direção nacional há o desejo de que eu disponibilize o meu nome para disputa do Senado. Mas nesse momento sou candidata a renovar o mandato de deputada federal. Mas vamos ter tempo de medir essa temperatura política.