Dez para as duas

Publicação: 2019-11-08 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Rubens Lemos Filho
rubinholemos@gmail.com

coluna


Impossível dar certo. O camisa 10 da seleção brasileira Sub-17, o homem que deveria ser o craque, tem pernas tipo dez para as duas. Assim é complicado.  O meio-campo era a Academia de Letras do Futebol, abrigando os mais inteligentes, malandros, hábeis e de cintura flexível. Acabaram com a meiúca, extinta pelas táticas medrosas que assolam o país.

Um cara com pé dez para as duas, como o tal Peglow, não carrega a malícia natural dos virtuosos. Não consegue dar um passe de curva, um drible de corpo, uma caneta. É todo desajeitado. Imagine um barítono comandando bateria de escola de samba, ridículo e impensável.

Lembrei de malandros de pernas de cowboy, tipo Adílio do Flamengo, Geovani do Vasco ou Rivaldo, o gênio silencioso. Os caras iam para cima do marcador e, no molejo, deixavam-no deitado, enquanto a jogada prosseguia.

Peglow, coitado, não fez nada contra o Chile. Assistiu à pelada de dentro de campo. De vez em quando, o câmera, acho que por sacanagem, metia um close nas pernas do rapaz. Pernas que simbolizam o fracasso de um país que já ofereceu ao mundo, o talento e a graça de mágicos, de gente que encantava o povo.

Dia funesto
Será no próximo dia 18, às 19h30, a reunião do Conselho Deliberativo do ABC, que deverá carimbar mais uma venda de patrimônio para pagar dívidas feitas por gestão incompetente, no caso, a atual. O ABC é tão grande que sobrevive às punhaladas na própria carne.

Responsável
O prejuízo alvinegro é de total responsabilidade do atual presidente e do seu time de asseclas, todos de uma incompetência atroz. Conseguiram levar o clube à quarta divisão do futebol brasileiro. Eles deveriam pagar do próprio bolso, é o que prevê a Lei Pelé. Mas nos bastidores, prevalece a coesão nociva ao ABC.

Contestar
Cerca de 30 conselheiros ameaçam ir à Justiça pedindo a anulação da venda por ferir o estatuto e a legislação que trata do assunto. São heroicos, mas dificilmente vencerão as cobras sutis que envenenam o ABC.

DNA do Diá
Todos, rigorosamente todos os contratados pelo ABC foram indicados ou passaram pelo crivo do técnico Diá. Ele não traria gente para fazer feio e lhe fazer pagar a conta. Se bem que conta no ABC é filantropia interna.

Revelação bombástica
“Sou um atacante que gosto de jogar com a bola”. A frase, de uma profundidade marítima, é de Tiago Orobó, novo homem-gol do América. Tiago não falou como é o entrosamento dele com pedras de tijolo ou castiçais em campo. Jogar com a bola. Essa é genial. Miraculosa. Definitiva.

Super Matutão
Estão definidos os confrontos da próxima fase do Super Matutão, que tem levado bom público ao interior, segundo a Federação de Futebol. Confrontos entre cidades rivais estão movimentando esporte antes da reapresentação dos clubes profissionais para a pré-temporada.

Tabela
Os duelos da segunda fase acontecem amanhã: Ceará-Mirim x Maxaranguape, São Gonçalo do Amarante x São José do Mipibu, Barcelona x Goianinha, Areia Branca x Macau, São Pedro x Baía Formosa. Santa Cruz espera seu adversário, entre Jardim de Piranhas e Caicó, que empataram em 2x2 e aguardam definição do vencedor pelos critérios técnicos.

Olheiros 
Os clubes profissionais deveriam mandar olheiros que conheçam futebol para acompanhar o Matutão. Nos velhos tempos do campeonato comandado pelo saudoso jornalista Everaldo Lopes, vários jogadores vieram para Natal e fizeram bonito.

Há 31 anos 
Amanhã, dia 9 de novembro, faz 31 anos que o ABC bateu o América no Estádio Machadão por 1x0 em jogo válido pela Série C do Brasileirão. O gol foi marcado por Zinho, depois ídolo em grandes clubes com público de 3.525 pagantes.

Times
Reparem nas escalações caseiríssimas: ABC, treinado por Didi Duarte: César; Tiê, Luís Oliveira, Divino e Nonato; Alciney, Dica e Ari(Adalberto); Sandoval, Zinho e Escurinho.

América, cujo técnico era o professor Ferdinando Teixeira: Eugênio; Nito, Edson, Medeiros e Gito; Baltasar, Dedé de Dora e Erijânio; Casquinha, Oliveira e Severinho.

Antes de partir 
Nonato disputava a primeira competição depois de sair do Baraúnas para vir ao ABC. Ficaria ainda durante 1989. No ano seguinte, ele e Alciney foram para o Pouso Alegre(MG) e depois para o Cruzeiro(MG). Nonato chegou à seleção brasileira e foi escolhido o melhor lateral-esquerdo do Cruzeiro em todos os tempos.

continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários