Dia dos Pais deve movimentar R$ 17,9 bilhões no varejo nacional

Publicação: 2020-08-02 00:00:00
Embora os efeitos da crise causada pela covid-19 ainda estejam impactando negativamente na renda da população e no cenário de desemprego elevado, 58% dos brasileiros pretendem presentear no Dia dos Pais este ano, o que significa que 91,2 milhões de consumidores devem ir às compras. É o que aponta pesquisa realizada pela CNDL (Confederação Nacional de dirigentes Lojistas) em parceria com a Offer Wise.

Créditos: Adriano AbreuIncertezas geradas pela pandemia do novo coronavírus refletiram na redução da intenção de gastoIncertezas geradas pela pandemia do novo coronavírus refletiram na redução da intenção de gasto

saiba mais


 Apesar de representar uma queda de 9 pontos percentuais nas intenções de compra em comparação ao ano passado, a data deve movimentar R$ 17,9 bilhões na economia. O presidente da CNDL, José César da Costa, destaca a importância da data para o setor varejista, que ainda sofre as consequências do fechamento das lojas como medida de enfrentamento à disseminação do novo coronavírus.

“Empresas de diversos segmentos considerados não essenciais se viram obrigadas a baixar suas portas em todo o país, impactando não apenas o faturamento das empresas, como ainda o emprego e o nível de renda. O momento é o de reabertura do comércio em diversas cidades do país, e saber que boa parte da população pretende ir às compras traz alívio ao setor e ao processo de retomada econômica”, afirma Costa.

Apesar da boa notícia para o setor, a pesquisa mostra que o consumidor brasileiro está cauteloso na hora de ir às compras. A maioria dos entrevistados garante que espera gastar o mesmo valor que o último ano com os presentes (37%), enquanto o percentual daqueles que esperam gastar mais passou de 26% na pesquisa de 2019 para 18% na pesquisa deste ano, uma queda de 8 pontos percentuais.

Por outro lado, a fatia dos que pretendem gastar menos saltou de 21% para 34%. Os motivos mais citados para a redução dos gastos são o fato de querer economizar (45%); estar com o orçamento apertado (39%); as incertezas com relação ao cenário econômico (34%) e ter tido redução na renda (30%).

Internet será principal local de compra

O fechamento de boa parte do comércio em todo o país, somado à insegurança de grande parte da população em retornar às lojas físicas levaram a um aumento das compras pela internet e também no número de empresas que abriram canais online de venda e atendimento ao consumidor.

De acordo com a pesquisa, 39% dos consumidores realizará suas compras pela internet, enquanto 24% afirmam que farão em shopping centers e 16% em lojas de departamento. Entre os que pretendem realizar compras pela internet, 79% farão via sites, 58% em aplicativos e 19% no Instagram. Cerca de 79% pretendem pesquisar preços antes de fazer as compras, seja pela internet (78%) ou em lojas físicas (65%).

 O presidente da CNDL, José César da Costa, destaca a importância dos lojistas se adaptarem à nova realidade trazida pela pandemia da covid-19, principalmente na adoção de protocolos de segurança.

“Estamos passando por um momento de mudança de comportamentos e o varejo tem papel fundamental nessa reconstrução. Os lojistas têm se adaptado para oferecer um ambiente seguro aos consumidores e trabalhadores. A CNDL tem auxiliado os empresários nessa adaptação com campanhas de utilização dos protocolos de segurança. Além disso, o consumo passou por mudanças estruturais que exigirão dos empresários resiliência, adaptabilidade e comprometimento. Mesmo aquele pequeno lojista que não tem e-commerce pode encontrar alternativas para atender aos seus clientes, como divulgar nas redes sociais e fazer atendimento pelo WhatsApp. Ainda dá tempo do empresário buscar novos caminhos na internet, o consumidor quer comodidade e segurança”, declara Costa. 

Roupas e cosméticos lideram lista

Os presentes mais procurados por quem vai presentear serão as roupas (48%), os perfumes/cosméticos (33%), calçados (28%) e os acessórios (26%). A maior parte dos entrevistados afirma que pretende fazer as compras na primeira semana de agosto (52%). Por outro lado, 24% pretendiam ir às compras ainda no mês de julho e 8% deixarão para a última hora e comprarão o presente no fim de semana do Dia dos Pais. Em média, os consumidores pretendem gastar R$ 196 ao todo. Cerca de 79% pretendem pagar o presente à vista, principalmente no dinheiro (46%) e no cartão de débito (28%).

Créditos: Arquivo TNOs presentes mais procurados por quem vai presentear os pais serão as roupas, seguido de perfumes/cosméticos e pelos calçadosOs presentes mais procurados por quem vai presentear os pais serão as roupas, seguido de perfumes/cosméticos e pelos calçados

 Quando perguntados sobre quais são os fatores que mais influenciam na escolha do local de compra dos presentes, a maior parte dos consumidores (47%) menciona o preço como fator determinante, seguido das promoções e descontos (37%), da qualidade dos produtos oferecidos (35%) e do frete grátis (28%).

 “Diante da crise que vivemos, o consumidor está cauteloso para consumir e é importante o lojista oferecer opções de menor custo e conveniência para presentear nas datas comemorativas. O momento é de se adaptar, estar disponível em diversos canais de atendimento, oferecer entregas e alternativas que tornem a compra mais conveniente e segura para o consumidor”, José César da Costa.