Diárias no RN registram alta de 200% com a Copa

Publicação: 2013-11-15 00:00:00
A+ A-
Hospedar-se em um hotel com vista para o mar, em Ponta Negra, pode sair duas vezes mais caro na Copa, programada para junho de 2014, do que em dezembro deste ano. Um albergue na praia de Pipa, por sua vez, chega a cobrar 200% a mais por um quarto com cama de casal e banheiro privativo. Se o quarto for compartilhado com outros hóspedes e não tiver banheiro, o valor “da cama” sai pelo dobro do registrado neste fim de ano.
A aceleração de preços em alguns meios de hospedagem está na mira do Governo Federal e dos órgãos de defesa do consumidor
Uma busca simples em sites de comparação de preços  - considerando, por exemplo, sete diárias entre os dias 9 e 16 de dezembro deste ano e 14 e 21 de junho de 2014, durante a Copa - confirma o que o governo e órgãos de defesa do consumidor têm propagado: o custo para o Mundial de Futebol, em alguns casos, está nas alturas.

“Não há uma definição clara do que seja considerado abusivo. Mas é evidente que reajustes de 100% ou mais não são razoáveis e espantam o turista”, diz o Instituto Brasileiro do Turismo (Embratur), que realizou um levantamento entre julho e agosto nas 12 cidades-sede do Mundial e constatou que a diária cobrada a quem se hospedará durante a Copa está até 376% mais cara. Em Natal, a alta já chegou a até 252%. Há casos de hotéis, por exemplo, que passaram a cobrar R$ 331 por um leito que antes ‘valia’ R$ 94.

Medidas

A Embratur enviou a pesquisa à Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon), vinculada ao Ministério da Justiça, e agora os hotéis de Natal terão que enviar suas planilhas para o Procon/RN e justificar os reajustes de até 252% constatados nas diárias que serão cobradas durante a Copa do Mundo de 2014. O órgão estadual pretende encaminhar as informações para a Senacon, que analisará se os reajustes foram abusivos.

Uma reunião entre o Procon e os hoteleiros estava agendada para ontem, mas foi  remarcada para a próxima semana, a pedido dos empresários. O Procon quer que os hotéis fixem uma tarifa-teto e garantam que os preços não subirão mais até o Mundial. Autuar e multar os hotéis, segundo o coordenador geral do Procon/RN, Ney Lopes Júnior, esbarraria na Lei Geral da Copa, que permite que a Fifa – que reservou boa parte dos leitos de hotéis de Natal – reajuste os preços da forma que julgar mais conveniente.

Segundo a Embratur, que continua monitorando as tarifas nas 12 cidades-sede, os reajustes acabam consolidando a imagem do Brasil como um país caro, “o que é terrivelmente prejudicial para todo o setor de turismo”. O Brasil, de acordo com a Embratur, deve continuar estimulando a vinda de turistas estrangeiros depois dos megaeventos esportivos para chegarmos a 10 milhões de turistas estrangeiros em 2020. “Agora, se as tarifas continuarem altas, perderemos turistas para outros destinos”, afirmou, através da assessoria de comunicação.

Um novo levantamento será divulgado pela Embratur até o final do ano. O instituto disse acreditar que o setor hoteleiro irá rever as tarifas e cobrar um valor ‘razoável’ durante o Mundial. O Procon/RN, por sua vez, informou que também vai fiscalizar os preços cobrados pelos bares e restaurantes. Mas a forma como será feita a fiscalização ainda está sendo definida.


Deixe seu comentário!

Comentários

  • ivan.mel

    é o brasil pais de aproveitadores........