Difícil decolagem

Publicação: 2019-05-14 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Luiz Antônio Felipe
laf@tribunadonorte.com.br

Com a economia cada vez mais fraca, confiança em queda e endividamento elevado dos setores público e privado, os economistas preveem mais um ano de estagnação para o Brasil. Problemas diversos como a crise na Argentina, o corte na produção industrial mineral decorrente da tragédia de Brumadinho (MG) e um governo sem coordenação política, têm levado especialistas a preverem mais um ano perdido na economia - o terceiro depois da recessão em que o Produto Interno Bruto (PIB) não deve crescer muito mais que 1%. Apesar de a impressão geral dos economistas ser de uma economia estagnada em um patamar muito baixo, há quem já fale em "cheiro de recessão", como a economista-chefe da XP Investimentos, Zeina Latif, ou em "possível recessão técnica", como o economista-chefe da MB Associados, Sérgio Vale.

Projeção
Pela 11ª vez o mercado reduz a projeção para alta do PIB em 2019, agora para 1,45%. Foi mantida a taxa de juros de 6,5%. O Itaú Unibanco também reduziu sua estimativa de alta do PIB para 2019 e 2020.

Variação
O dólar, ouro e o petróleo tiveram ontem oscilações em meio as disputas comerciais entre Estados Unidos e China.  O Ibovespa chegou a recuar mais de 1% com escalada das tensões EUA-China. Apesar das ameaças do presidente Trump, a China diz que vai  retaliar em US$ 60 bilhões os produtos importados dos EUA, a partir de junho.

Sujeira
Retirar o Coaf do Ministério da Justiça está cheirando a medo de ter alguma falcatrua descoberta. Não enfraquece em nada o ministério e, muito menos o governo. Enfraquece e suja ainda mais a imagem da classe política brasileira já envolvida em escândalos, em sua grande maioria. O Brasil exige mais transparência na condução da coisa pública.

Tsunami
O presidente Jair Bolsonaro fala em tsunami nesta semana. Que venha um episódio positivo para aliviar o momento de tantas notícias ruins.

Retorno de aplicação
A aplicação do Tesouro Direto pagará R$ 9 bilhões, a partir de amanhã,  no maior vencimento de títulos da história. Cerca de 122 mil pessoas físicas vão resgatar o montante dos papéis que foram emitidos em janeiro de 2013 e vendidos até 2017.  O mercado de dívida pública para o aplicador comum foi aberto há 17 anos. Quem comprou os papéis em seu lançamento e permanecerá com eles até o fim terá a recomposição do que foi perdido com a inflação, acrescido de juros de 8,03% ao ano.

Reforma
O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso quer uma reforma da Previdência Social que não prejudique os mais pobres. Há um sentimento nacional de que o sistema, do jeito que está, não tem vida longa.  Tentativas de reformas vem sendo repetidas desde o governo FHC.

Tabela
A correção da Tabela do Imposto de Renda  pela inflação de 2019, ainda é muito pouco e não chegará a R$ 2 mil, piso de isenção. Se a correção for de 20%, pelos próximos quatro anos, se aproximará da promessa de isentar do IR quem ganha ate R$ 5 mil. A tabela do jeito que está hoje só beneficia os que ganham mais. Os tributos no Brasil são injustos.

Previsão
O fim de semana foi de chuvas fracas, com o afastamento da Zona de Convergência Intertropical, coisa da natureza. Para esta semana, a meteorologia da Emparn prevê poucas chuvas e isoladas. Não será surpresa se acontecer uma pancada de chuvas em alguma região do Estado, principalmente, no Agreste e Leste.

Energia (I)
O Período de chuvas 2018/19 - no Sudeste e Centro Oeste - encerrado em abril -, termina em condições melhores do que em 2018, segundo o  Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE) ao avaliar  as condições de suprimento de energia elétrica no País. O armazenamentos dos reservatórios é equivalente ao das usinas hidrelétricas do país, com exceção do Sul. Deve ser mantida a estratégia operativa de não despachar usinas termelétricas fora da ordem de mérito.

Energia (II)
O Comitê  acompanha os cenários de atendimento e, se necessário, adotará medidas para aumento da disponibilidade de geração após análise dos custos associados. No mês de abril, foram verificados armazenamentos equivalentes de 45,1%, 43,4%, 57,9% e 70,9% nos subsistemas Sudeste/Centro-Oeste, Sul, Nordeste e Norte, respectivamente. Nos primeiros dias de maio, houve aumento no armazenamento de todas as regiões.

Lançamento
Um aplicativo de delivery de bebidas será lançado hoje no Sebrae, em Natal, às 19 horas. Deverá reunir boa parte dos empresários do setor, desde donos de bares e lojas de conveniência, até grandes distribuidoras e fabricantes de cerveja artesanal. Criado por um grupo de três recém-formados em Engenharia da Computação na UFRN, o Drinkapp oferece vantagens não apenas para o consumidor final, mas também para os comerciantes.







continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários