DNIT elabora revisão do projeto da Reta Tabajara, à pedido do TCU

Publicação: 2018-07-12 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Aura Mazda
Repórter

Apontada como uma obra fundamental para diminuir acidentes e melhorar o fluxo de 70 mil veículos que trafegam diariamente no local, a duplicação e ajustes na BR-304, popularmente conhecida como Reta Tabajara, está longe de ser concluída. O empreendimento, que se arrasta desde 2014, está parcialmente paralisado por determinação do Tribunal de Contas da União (TCU), por supostas irregularidades. O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), prepara um relatório com respostas aos questionamentos da Corte de Contas, que será apresentado até 30 de agosto.

Com 12% de serviços executados, a duplicação da Reta Tabajara se arrasta desde 2014 e já teve orçamento ajustado em R$ 113 milhões
Com 12% de serviços executados, a duplicação da Reta Tabajara se arrasta desde 2014 e já teve orçamento ajustado em R$ 113 milhões

Com cerca de 12% de execução, o que equivale a gastos de R$ 30 milhões, a obra da Reta Tabajara tornou-se mais cara ao longo dos anos. O orçamento atual foi ajustado para R$ 300 milhões. São R$ 63 milhões a mais do que no ano passado, quando estava previsto um gasto de R$ 237 milhões, que já tinha um valor acrescido em R$ 50 milhões desde o início da construção, em 2014.  Do total, R$ 80 milhões da verba federal estão garantidos.

Uma comissão do DNIT vinda de Brasília esteve no Rio Grande do Norte em abril passado para avaliar a obra. O resultado dos trabalhos, de acordo com o superintendente do Dnit em Natal, Antonio Willy Vale Saldanha Filho, foi a recomendação de que fosse feita uma Revisão de Projeto em Fase de Obra (RPFO). O documento está sendo elaborado. “Eles fizeram uma análise e recomendaram uma mudança de encaminhamento. Além de revisão do projeto executivo, será analisado o resto das necessidades da obra”, explicou Saldanha.

Não há data, porém, para a retomada total das obras, que está inserida no Programa de Aceleração do Crescimento 2 (PAC 2). Atualmente, está em andamento a execução de dois viadutos, um deles localizado na  “estaca zero” da obra e o outro na rotatória que registrou um acidente com dois mortos nesta terça-feira (10). Também está em andamento a construção do posto da Polícia Rodoviária Federal (PRF), serviço de drenagem de prolongamento de bueiros da pista que será duplicada e execução das vigas de todos os viadutos. Está paralisada a restauração da pista e pavimento rígido (duplicação).

A obra da Reta Tabajara compreende 27 km de duplicação da BR-304 e construção de nove viadutos ao longo do trecho. Antes da obra ser paralisada pelo TCU, 10 km já tinham sido duplicados, entre Macaíba e o Trampolim da Vitória, em Parnamirim. As obras foram paralisadas em 25 de abril de 2017 e retomadas parcialmente em 24 de agosto do mesmo ano. De acordo com Willy Saldanha, após liberação total, a obra deve deve ser concluída em 2 anos. A expectativa do superintendente do Dnit é que a liberação ocorra atpé o final do ano.

Reta Tabajara
A Reta Tabajara é uma das principais vias de escoamento dos itens produzidos nos complexos industriais da Região Metropolitana da capital e também de acesso ao interior do Rio Grande do Norte e ao estado do Ceará. A primeira ordem de serviços para as obras foi assinada  em março de 2014, mas as intervenções na região só iniciaram em maio daquele ano. Entretanto, a empresa SBS Construções, então executora dos serviços precisou interromper a obra para revisar a topografia, terraplanagem e, supostamente, montar o canteiro de obras. A empresa, porém, acabou abandonando o serviço e rescindiu o contrato com o DNIT. As obras foram retomadas em 2016.

Reta Tabajara (BR-304)
Obra parcialmente paralisada

12,6% 
concluída, isso equivale a:

R$ 30  milhões em gastos,

R$ 300
milhões  é o valor atual da obra,

R$ 63 milhões
a mais do que o valor previsto no ano passado, que era de R$ 237 milhões.


continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários