Dois pais, uma família e a soma é tudo igual no amor

Publicação: 2017-08-13 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Mariana Ceci
Repórter

selo dia dos paisNo ano de 2016, após avaliar mais de 3 mil sugestões enviadas de todo país, o Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa apresentou ao público um novo conceito para a palavra família. Nas páginas de sua próxima edição, ao lado do verbete, estará o seguinte significado: “Núcleo de pessoas unidas por laços afetivos, que geralmente compartilham o mesmo espaço e mantém entre si uma relação solidária”. A mudança, aparentemente pequena, apenas reflete uma realidade que não é de hoje, e que não mais se pode ignorar. Cada vez mais, novos arranjos familiares mostram que o afeto não possui gênero, sexualidade e, principalmente, barreiras e, se um dia uma criança que por anos não celebrou o dia dos pais agora pode celebrar com dois pais, é graças a isso.
Matheus, 7 anos, brinca com um dos pais, o professor universitário Ewerton Brito. Família é uma união de pessoas que se amam.
Matheus, 7 anos, brinca com um dos pais, o professor universitário Ewerton Brito. "Família é uma união de pessoas que se amam" (foto: Alex Régis).

No ano de 2007, a advogada Cristine Borges foi a primeira a defender um caso de adoção por casal homoafetivo no Ri Grande do Norte, abrindo um precedente que seria importante para os anos seguintes, antes da regulamentação da união estável entre casais homoafetivos pelo Supremo Tribunal Federal (STF). “O caso, na época, abriu um precedente. O fato é que muitos casais heteroafetivos, quando vão buscar crianças no sistema de adoção, solicitam que seja um recém-nascido, o que deixa de fora da possibilidade de serem adotadas inúmeras crianças mais velhas que também necessitam de uma família”, disse Cristine, que também é vice-presidente da Comissão de Família da OAB. Essa  lacuna nas solicitações para adoção de crianças mais velhas, de acordo com ela, fez com que o caminho dentro do judiciário não fosse tão difícil, e o caso obtivesse sucesso.

Matheus, de 7 anos, é uma das crianças que foi adotada graças à abertura dessa possibilidade. O menino, que antes estava no sistema de adoção, foi adotado em 2015 por um casal homoafetivo e agora celebra o dia dos pais ao lado de dois pais. “Essa semana tivemos a festa de pais no colégio e estávamos presentes nós dois. Matheus estava lá lindo, cantando, dançando, mandando beijo para os dois, de forma muito tranquila”, disse Ewerton Brito, professor universitário e pai do menino. Os pais de Matheus vivem em uma união estável há cinco anos. De acordo com Ewerton, desde que eles se conheceram, a paternidade era um desejo para os dois. Eles conversaram a respeito da ideia por cerca de um ano e, logo em seguida, deram entrada na documentação para iniciar o processo de adoção.

Um ano depois, eles foram chamados para conhecer Matheus “Eu já tinha praticamente desistido desse sonho porque achava muito complicado ter um filho sozinho, mas com ele encontrei a companhia ideal para ter esse filho. Ter um filho exige muita dedicação, cuidado, tempo. Um ano depois de dar entrada no processo conhecemos Matheus, e foi amor à primeira vista. Nasceu meu filho ali naquele momento”, contou. A família comemora dois aniversários: o dia que ele nasceu, e o dia em que ele chegou definitivamente na casa dos pais.

Desde os anos 60 as mudanças significativas nos modelos familiares vêm sendo notadas pela psicologia. De acordo com a psicóloga Débora Sampaio, a reorganização do papel do homem e da mulher na sociedade repercutiram em vários setores, em especial na família “Hoje é como se homens e mulheres estivessem reencontrando um modelo saudável de funcionamento dentro da família, uma família que não tem só mais um modelo. Nós tínhamos o modelo patriarcal mas, a partir da década de 60, nós vemos percebendo mudanças muito significativas em relação a esse modelo”, disse a psicóloga. O aumento no número de divórcios e de recasamentos também são exemplos disso: padrastos, madrastas e filhos dois dois lados passam a ser comuns em grande parte das famílias.

“A gente acabou sendo educado entendendo que só existia uma forma de ser mãe e uma forma de ser pai. Que a mãe era aquela que dava afeto, responsável pelo cuidado, e o pai era aquela figura de autoridade. Diante de todas essas mudanças sociais a gente vai percebendo que o homem hoje pode ser mais sensível. O pai percebe que pode ter o vínculo afetivo forte com seu filho, que isso não vai fazer com que ele perca sua autoridade. As famílias estão vendo que a autoridade não é conquistada na força, na rigidez, e sim no respeito”, completou Débora.

O envolvimento ativo das figuras familiares no processo de desenvolvimento de seus filhos, para a psicóloga, é fundamental, e vai gerar uma geração emocionalmente mais saudável “É muito provável que, uma vez tendo uma família que seja de fato envolvida em seu desenvolvimento, seja quem forem essas figuras, essas novas gerações venham a ser adultos emocionalmente mais saudáveis”, disse. Ela ressalta, no entanto, que o envolvimento não pode ser confundido com a falta de imposição de limites “É importante que os pais exerçam a autoridade através do respeito. Muitas famílias acham que tem que compensar a falta de algum ente nunca frustrando a criança, mas dizer não é importante, a frustração também é importante no desenvolvimento”, completou.

Para Matheus, nada parece faltar: com a inquietação natural das crianças ao ter tido o jogo eletrônico interrompido para a entrevista com a TRIBUNA DO NORTE, o menino logo esqueceu do tablet ao começar a brincar com o pai e ser jogado no ar para as fotos. Juntos, os dois observavam fotos antigas do menino no Instagram “Eu gosto dessa! Nessa outra eu tava doente? Essa aqui é no karatê. Eu não luto ainda, to começando só”, dizia o menino enquanto passava de foto em foto. O pai também aponta suas favoritas “Sou muito coruja. A verdade é que família é uma união de pessoas que se amam. Seja homoafetiva, ou heteroafetiva. Infelizmente o preconceito ainda é uma grande dificuldade para as pessoas. Nós inclusive ainda continuamos no Cadastro Nacional de Adoção e pretendemos adotar outro menino. Acredito que, em pouco tempo, teremos mais um irmão para Matheus”, disse Ewerton.



continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários