Doze mil moradores ficam sem energia no Rio

Publicação: 2009-11-25 00:00:00
Rio (AE) - Cerca de 12 mil moradores de diversas ruas de Ipanema, Leblon e Lagoa, na zona sul do Rio, ficaram quase 24h sem luz entre segunda-feira e ontem. O incidente, provocado por um problema na rede subterrânea de distribuição de energia, foi o mais grave de uma série de pequenos apagões que vem se repetindo nas últimas semanas. Outros bairros da zona norte e da Baixada Fluminense também enfrentaram corte de energia ontem.

Os recorrentes apagões levaram a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) a notificar a companhia, cobrando explicações em um prazo de 48 horas. Dependendo da resposta, uma equipe de técnicos pode ser enviada ao Rio para fiscalizar as operações da companhia, que está sujeita a multa de até 1% de seu faturamento pelas interrupções no fornecimento.

Nos bairros da zona sul, o abastecimento de energia foi interrompido pouco antes das 16h de segunda  só foi retomado por volta das 15h de ontem. Durante esse período, técnicos da companhia conseguiram restabelecer o fornecimento por alguns instantes, mas a energia tornava a cair.

A falta de luz causou transtornos a moradores e comerciantes da região. Alguns restaurantes e lanchonetes tiveram de comprar sacos de gelo para não perder alimentos estocados. A falta de sinais de trânsito provocou retenções nas vias principais. A Light informou que os problemas na rede da zona sul  começaram no domingo, com a perda de dois dos oito cabos de média tensão que abastecem a região. Um terceiro cabo apresentou defeito na segunda-feira, forçando a companhia a interromper o abastecimento por questões de segurança. A empresa responsabilizou o aumento do consumo e o furto de cabos pelo incidente.

O vice-presidente de operações da companhia, Roberto Alcoforado, rechaçou a relação deste incidente com outros blecautes que vêm atormentando a vida dos cariocas nas últimas semanas. Ontem, faltou luz em pontos isolados em bairros da zona norte por conta das altas temperaturas. Alcoforado reforçou que a temperatura média este mês é a maior para um mês de novembro desde 2004.

Diante da onda de apagões, o governo do Estado decidiu acelerar convênio que vinha sendo negociado com a Aneel para fiscalizar a distribuidora. A atribuição hoje é federal, mas já há acordo para descentralizar o tema. Segundo o secretário estadual de desenvolvimento, Júlio Bueno, a ideia é reforçar a Agência Reguladora de Serviços de Energia e Saneamento (Agenersa) para acompanhar mais de perto os investimentos em eletricidade.