DuSouto se conecta à própria história

Publicação: 2017-09-28 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Ramon Ribeiro
Repórter


Uma das bandas autorais mais queridas da cena musical de Natal, o Dusouto está mais conectado do que nunca. Conversas despretensiosas, o momento político do país, batidas eletrônicas em alta no mundo, nada passa despercebido aos ouvidos atentos do trio formado por Paulo Souto, Gabriel Souto e Gustavo Lamartine. Em nova fase, o grupo apresenta ao público seu mais novo disco, não por acaso, chamado “Conecta”. O trabalho foi disponibilizado na íntegra ontem (27) e já pode ser escutado nas mais diversas plataformas digitais.

Dançante e festivo nos discos anteriores, o trio DuSouto experimenta intensidades diversas e temas do cotidiano no quarto disco “Conecta”
Dançante e festivo nos discos anteriores, o trio DuSouto experimenta intensidades diversas e temas do cotidiano no quarto disco “Conecta”

Quarto disco da carreira, o novo trabalho reforça algumas características marcantes da banda, como a  mistura de ritmos (drum'n'bass, forró, dub, samba, raggamuffin), batidas eletrônicas e letras irreverentes. Mas traz também momentos leves de reflexão, sem perder a verve dançante. Segundo Gustavo Lamartine, os últimos álbuns do grupo foram mais festivos. Nesse eles caminharam por temas e intensidades diferentes. “O disco tem uma pegada eletrônica que a gente teve no começo da banda, de explorar muito mais as batidas. Tem também a parte orgânica que a gente vem desenvolvendo nesses anos todos. E os temas mostram uma nova fase da gente, pós Cretino, que foi muito forte”, comenta o guitarrista.

“Conecta” reúne 11 faixas, todas são autorais e contaram com arranjos da própria banda, com exceção de “Cedinho” e “Copacabana”, que ganharam a participação de Kleber Moreira, na percussão, e Mestre Amaro, nos metais. O músico Ian Medeiros (Mahmed e Kung Fu Johnny), do estúdio Cantilena, onde a banda gravou as músicas, também faz participação na bateria de “Cedinho”. Mc Priguissa também aparece na faixa “Mexilena”.

O disco levou dois anos de produção, com várias indas e vindas no processo que reconstruíam a cada nova etapa a cara do trabalho. Em 2016 o trabalho estava bem encaminhado, mas, após uma passagem de Gabriel Souto pela Itália, novas ideias surgiram e o álbum ganhou novos caminhos.

“A gente tinha feito um processo de produção e quando eu fui pra Itália eu vi o que estava acontecendo no mundo quanto a batidas, timbres. Quando voltei fui atrás de dar uma atualizada nos beats”, conta o músico que assina a produção do disco. “Mas até o resultado final foram vários processos desse. Fiz um curso com Esmeraldo, da banda Chico Correia, que deu outra mudada no disco. Teve uma viagem da banda pra Juazeiro (BA), onde conhecemos a banda Radiola Serra Alta. Eles disseram que foram influenciados por nós e, ao ouvir o som deles lá, já mudou a nossa cabeça de novo. O nome 'Conecta' tem muito a ver com isso. Não é só de conexão virtual. Tem muito de conexão com as coisas que estão sendo feitas, com o nosso público”.

Sobre as letras, a maior parte delas relacionadas a fatos despretensiosos do cotidiano, o baixista Paulo Souto acredita que tocam em assuntos comuns a maioria das pessoas. “As letras falam muito de histórias que acontecem em nossas vidas e que devem acontecer na vida de muitas gente. Talvez esse seja o grande lance que faz com que o público se identifique com o nosso trabalho. Não é só o clima da música, mas toda essa resenha, conversas, fuleragens”, explica o baixista.

A identidade visual do novo trabalho foi feito pelo grafiteiro paulista Crânio, que assina a arte do álbum – a versão física deve sair até dezembro. A produção do disco foi viabilizada por meio de financiamento coletivo e do edital do Sebrae Economia Criativa.


Temporada de shows
Agora com o disco disponibilizado para o público, a banda parte para uma série de apresentações. Algumas datas já estão marcadas e a primeira já é no próximo sábado (30), no palco do Festival Mada. Na sequeência, no dia 12 de outubro, a banda tem marcada a festa Dusouto Open Air. Em novembro, participação no Festival Dosol, abrindo uma turnê pelo Nordeste ao lado da banda chilena Juanafé. No início de 2018, a dobradinha se repete no Chile.



continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários