Economia em Natal deve crescer 10% com carnaval

Publicação: 2020-02-16 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Ricardo Araújo
Editor de Economia

O carnaval agrega das mais simples às mais requintadas fantasias, do folião popular ao que procura os camarotes mais caros, dos que pulam dentro e fora dos blocos. A festa mais democrática do país é, também, uma das que mais faz circular recursos nas cidades com programação pública e privada durante a folia momesca. Para este ano, em Natal, a expectativa é de um incremento de 10% no volume de recursos movimentados pelos foliões locais e turistas nacionais e internacionais. A projeção da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (Fecomércio RN) é baseada na Pesquisa Perfil dos Foliões 2019 que apontou movimentação de R$ 72 milhões durante os dias de folia em Natal.

Créditos: Magnus NascimentoAtenta aos trabalhos manuais feitos pela mãe, Sara Vasconcelos decidiu colocar o que aprendeu em prática para gerar renda extraAtenta aos trabalhos manuais feitos pela mãe, Sara Vasconcelos decidiu colocar o que aprendeu em prática para gerar renda extra


De acordo com Maiza Pessoa, gerente do Escritório Metropolitano do Sebrae/RN, a movimentação de recursos gerada pelo carnaval, considerada uma economia sazonal, é de suma importância para o Natal e, consequentemente, para o Estado. Os micro e pequenos empreendedores devem ficar atentos às oportunidades desse período, pois os setores de alimentos e bebidas, transportes, hospedagem e serviços são os mais demandados. “Eles (os empreendedores) devem ficar atentos a essas datas comemorativas, cada um dentro do seu segmento”, afirma.

Nos meses que antecedem a folia, muitos trabalhadores autônomos se preparam para reforçar o caixa pessoal de olho na programação montada por entes públicos e privados. Uns vendem bebidas, outros alimentos e muitos investem em adereços personalizados, usados por foliões de todas as idades.

Dentro da cadeia econômica que gira por causa do carnaval na cidade está inserida, pela primeira vez, a jornalista Sara Vasconcelos. Em paralelo ao ofício diário do Jornalismo, ela decidiu transformar um hobby em atividade lucrativa. O artesanato que aprendeu assistindo a mãe fazer, hoje rende-lhe uma renda extra. A confecção de tiaras carnavalescas com muito colorido e ideias criativas vai além do lucro. “É uma terapia”, relata. Sara deverá reforçar, como projeta a Fecomércio RN, a movimentação de recursos na capital e no Estado durante a folia de momo de 2020.

“Eu sempre gostei de tiaras e adereços de carnaval, de me enfeitar. No ano passado, fiz algumas para eu mesma usar. Neste ano, como estava apertada financeiramente, pensei em fazer para mim e também para vender”, declara a jornalista que agora também é, oficialmente, artesã. Com peças a partir de R$ 30, as tiaras ganharam as redes sociais para atrair clientes. De curtida em curtida, de comentário em comentário, as encomendas foram aumentando e, quase todos os dias, a produção entra pela madrugada. “Eu faço tudo sozinha. Quando me dou conta, são duas horas da manhã”, conta Sara Vasconcelos.

Para atender a demanda, que começou com o pedido de uma amiga do trabalho, Sara Vasconcelos criou o perfil @ohlindezas no Instagram. Hoje, essa é sua principal vitrine para o  hobby que tende virar um novo negócio. Afinal de contas, ela já pensa em estender a produção para datas como São João e Halloween. E, já pensando no Carnaval 2021, pretende iniciar a produção um pouco mais cedo para atender todos os pedidos, que não se restringem mais aos clientes de Natal e Rio Grande do Norte. “Primeiro vem o susto de alguém de fora do seu meio, do seu ciclo de amigos olhar a peça e questionar quanto custa, se aceita encomenda”, declara Sara. As encomendas das peças já estão vindo do Recife.

Maiza Pessoa: “Turistas trazem capital de fora para investir aqui”

Créditos: Alex RegisMaiza Pessoa, gerente do Escritório Metropolitano do Sebrae/RNMaiza Pessoa, gerente do Escritório Metropolitano do Sebrae/RN

Qual a importância da economia sazonal de eventos como o carnaval, por exemplo, para o Estado?
Principalmente para a atração de turistas, que trazem capital de fora para investir aqui. Isso movimenta a economia local, também com as pessoas que são daqui e que ficam na cidade com as prévias carnavalescas. Isso favorece que haja o consumo local e também a atração de turistas com dinheiro novo circulando na cidade.

Como os empreendedores podem aprimorar a atuação nos seus respectivos nichos para ampliar os ganhos nessas festas?
Eles podem ficar atentos a essas datas comemorativas de acordo com cada segmento. Uma loja de moda feminina pode se beneficiar vendendo produtos com a sazonalidade, se é carnaval, páscoa, dia dos namorados. Daí em diante, trazer coisas diferentes, como unir arte, música, gastronomia. Se pode otimizar o negócio, se diferenciando incluindo outras atividades.

De que maneira o Sebrae pode ajudar essas pessoas?
É capacitando, dando orientação. Nós temos uma vasta programação de palestras gerenciais que são gratuitas e dão um embasamento ao empresário para ele seguir adiante. Ele pode se aprofundar com cursos e oficinas com preços acessíveis. E tem os analistas e consultores que estão no Sebrae orientando-os para a melhor gestão do negócio. 

Quem está pela primeira vez no mercado neste carnaval e quiser ampliar, qual o caminho a percorrer?  
Estudar a fundo a atividade na qual está inserido. É importante estudar o mercado consumidor, preparar um plano de negócio. Faça pesquisa com clientes, estude e se diferencie. É fundamental criar uma identidade e buscar ser único. 











Deixe seu comentário!

Comentários