Economia no pior

Publicação: 2020-06-30 00:00:00
A+ A-
Luiz antônio felipe 
laf@tribunadonorte.com.br

O País entrou em recessão no 1º trimestre (janeiro a março), diz o comitê da Fundação Getúlio Vargas (FGV). O quadro econômico e social vai se agravando. De acordo com o Caged, a pandemia fechou 1,487 milhão de vagas de março a maio, sendo 331,9 mil somente em maio. Para piorar, as contas públicas estão se deteriorando. O Governo teve um rombo de R$ 126 bilhões em maio, o pior da história. De acordo com o Tesouro Nacional, a projeção atual para 2020 é de -R$ 676 bilhões, equivalentes a 9,5% do PIB, reunindo as contas do Tesouro, Previdência e Banco Central e, supera o déficit de R$ 92,902 bilhões de abril, que já havia sido recorde negativo. Em maio de 2019, o resultado havia sido deficitário em R$ 14,743 bilhões. 
  
Consumo
O futuro é incerto e duvidoso. A intenção de consumo das famílias tem nova queda histórica e volta ao patamar de 2016. Os indicadores de emprego e renda atingem o menor nível desde o início da pesquisa, em janeiro de 2010, pela Confederação Nacional do Comércio (CNC), é a terceira retração mensal consecutiva em junho de 2020 (-14,4%), renovando o recorde de queda mais intensa desde o início da realização da pesquisa, em janeiro de 2010.

Mercado
Na projeção de mercado no boletim Focus, do Banco Central, a inflação pelo IPCA de 2020 sobe de 1,61% para 1,63%. A projeção de câmbio 2020 segue em R$ 5,20 e é mantida em R$ 5,00 para 2021. Ontem, o Ibovespa encerrou o pregão em alta de 2,03%, a 95.735 pontos. O dólar foi cotado a R$ 5,4373, queda de -0,68%. O preço do barril de petróleo (spot) subiu a U$ 39,60, alta de +1,44%.

Subida
A confiança da indústria sobe 16,2 pontos em junho, ante maio, a 77,6 pontos, mostra a Fundação Getulio Vargas (FGV). Essa variação no mês é a maior da série histórica da Sondagem da Indústria, iniciada em 2001. Mesmo considerando a alta de 19,4 pontos em maio e junho, a confiança ainda se situa abaixo do nível pré-coronavírus Em junho, todos os 19 segmentos industriais pesquisados tiveram aumento da confiança.

Inflação
A inflação pelo IGP-M acelera a 1,56% em junho, após alta de 0,28% em maio, revela FGV. Com este resultado, o índice acumula alta de 4,39% no ano e de 7,31% em 12 meses (a ser repassado aos contratos). Em junho de 2019, o índice havia subido 0,80% e acumulava alta de 6,51% em 12 meses.

Incentivo às exportações
A Apex-Brasil, agência de fomento às exportações, lança hoje (30), no Rio Grande do Norte o programa de capacitação de empresas para exportação, Esse Programa de Qualificação atenderá 150 empresas em Natal, Mossoró e Caicó. A agência também apresentará inédito estudo de oportunidades para exportações do RN. O lançamento será por meio de plataforma virtual com transmissão online. Horário: 10h-12h, pela Collaborate (aberto ao público de empresários interessados). Inscrições no site

Isolamento
A decisão de iniciar o reduzir as regras da quarentena, em Natal e no RN certamente foi embasada em argumentos científicos. O abre e fecha é muito ruim para todos. Até Buenos Aires, por exemplo, retornará ao isolamento rígido a partir de amanhã, até 17 de julho. Aqui, Tibau do Sul e Pipa também adiaram.

Prazo
Hoje é o último dia para envio das declarações do Imposto de Renda Pessoa Física de 2020, ano-base de 2019 e do envio do Microempreendedor Individual (MEI), ambas com prazo prorrogado. Também é o último dia de vacinação contra a febre aftosa, com prazo até 15 de julho para apresentar a documentação ao Idiarn.  

Dia do Pescador
A falta de dados sobre a pesca priva pescadores de seus direitos. No Dia do Pescador, comemorado ontem, a OnG Oceana reforça a importância de produzir dados oficiais sobre a atividade. De norte a sul do país, pescadores e pescadoras somam mais de 800 mil pessoas, de acordo com estimativas do setor. São milhares no RN (águas oceânicas e interiores).

Pesca (I) 
Um relatório global da ONU sobre pesca, divulgado recentemente, mostra que o Brasil segue sem estatísticas do setor. No ano em que se inicia a Década dos Oceanos, a Oceana alerta para a urgência de uma mudança de rumo no país. Mudar a realidade de um país que não reporta dados da pesca desde 2014 vai requerer inovação e união

Pesca (II) 
Segundo a FAO, a produção global de pesca de captura (pesca de água doce e captura marinha) atingiu novo recorde, de 96,4 milhões de toneladas, um aumento de 5% em relação à média dos três anos anteriores. Somente a pesca marinha aumentou de 81,2 milhões para 84,4 milhões de toneladas entre 2017 e 2018.  

Desvios
A Petrobras já recebeu de volta mais de R$ 4,5 bilhões em recursos recuperados por meio de acordos de leniência e delações premiadas. Agora, a companhia recebe mais de R$ 265 milhões referente à segunda parcela da Technip. Somente nos últimos 12 meses, R$ 1,2 bilhão foi recuperado pela companhia. Roubaram até dizer basta.







Deixe seu comentário!

Comentários