Educação

Publicação: 2019-06-02 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Itamar Ciríaco
itamar@tribunadonorte.com.br

Em tempos de protestos por todo País em defesa da educação, vamos lembrar que boa parte dos nossos atletas de futebol não concluem o primeiro grau. Alguns chegam ao segundo grau e pouquíssimos conseguem um diploma universitário. Em outros países, com modelo educacional/esportivo diferente, um grande número de atletas cursa as universidades, que apoiam a prática esportiva e fortalecem torneios próprios. Essa associação é importante na formação dos cidadãos, afinal, nem todo jovem que treina será um atleta profissional. Para o leitor ter uma ideia, de acordo com uma pesquisa divulgada pela Universidade do Futebol, a proporção de jovens que conseguem alcançar êxito no futebol é muito baixa. Segundo o levantamento, de três mil crianças que tentam seguir a carreira de jogador profissional, apenas uma consegue. Ou seja, 0,03% atingem o objetivo. Lembrando que, aqui mesmo, na coluna, já trouxe números que apontam que 80% dos jogadores recebem cerca de um salário mínimo.

Educação 1
Esses números mostram que a Educação precisa caminhar lado a lado com o Esporte, afinal, seguindo a estatística da nota anterior, 2.999 jovens não terão chances como profissional. Além disso, aquele que consegue, tem muito mais chance de ser apenas um assalariado, ainda que jogando futebol. Sendo assim, estudando, ele teria mais oportunidade de ser um profissional em outra área, com possibilidades maiores de ganhar acima do mínimo. Em resumo, a fantasia de ser um craque milionário não deve ser apagada da mente dos nossos jovens e sonhadores atletas, mas ela precisa estar acompanhada de uma “carta de seguro”, sob o risco do esporte ajudar na formação de um grupo ainda maior de subempregados e cidadãos sem perspectivas. Por essas estatísticas, apesar das dificuldades com o ensino no Brasil, é muito mais provável, para a criança carente que estude, atingir seus objetivos, que para uma criança que joga apenas o futebol.

Educação 2
Primeiro, as famílias precisam estar atentas a essa realidade. Depois, o clube formador tem que ser mais cobrado em relação a qualidade de sua formação. Falta, na maioria dos casos, maior consciência social aos dirigentes.  Grande parte matricula o jovem em escola pública, não acompanha desempenho e não incentiva a continuidade dos estudos após o ensino médio.  Os próprios jovens, grande parte vindo de famílias com problemas e sem apoio psicológico, se desinteressa pelos estudos e usa as necessidades das viagens para jogos, o calendário difícil e outras justificativas para abandonar os livros e investir na carreira de jogador. Diante dessa realidade, o Estado (poder público) precisa criar uma política pública para o Esporte, incluindo essas situações específicas, não apenas do futebol, mas também no que diz respeito às outras modalidades. O esporte e a educação não se excluem, eles são complementares, e é isso que a sociedade precisa buscar. Viva o Esporte. Viva a Educação.

Série C
Quatro jogos sem vencer (três derrotas seguidas e um empate), zona de rebaixamento, quatro pontos ganhos em quinze disputados e o segundo pior ataque do Grupo A da Série C do Campeonato Brasileiro. Essa é uma realidade que o ABC precisa mudar a partir de hoje às 16h, no estádio Frasqueirão, diante do Ferroviário/CE, vice-líder com 10 pontos conquistados, embora venha de uma derrota no jogo anterior. O time de Sérgio Soares, olhando os problemas citados acima precisa: vencer, sair da área de queda, melhorar o aproveitamento e fazer com que o ataque funcione. Além disso, apesar de não estar nas estatísticas, o Alvinegro precisa errar menos. Graças a erros, o time perdeu pontos importantes em instantes finais das partidas na competição. É um grande desafio para elenco abecedista.

Série D
O América/RN encara às 16h, em Pernambuco, o homônimo pernambucano. O jogo vale, praticamente, a garantia de liderança do Grupo A-6 e as vantagens que isso proporciona, como por exemplo, decidir em casa, na fase de “mata-mata”. O Alvirrubro, como em todas as partidas dessa primeira fase e, talvez até em toda Série D do Campeonato Brasileiro, entra em campo como favorito, ainda que fora de casa. O time potiguar tem 10 pontos e só tropeçou em um empate na Arena das Dunas, diante do Bahia de Feira. Já a equipe de Paulista/PE, conhece uma derrota, justo para o time de Natal e vem em segundo com nove pontos. Apesar de favorito, o time de Moacir Júnior sabe que não basta entrar em campo para sair dele com os três pontos. Precisa ter atenção o tempo inteiro, pois ser líder, nessa fase é fundamental.

Série D 1 
Amanhã, a Arena das Dunas recebe mais um jogo decisivo do Santa Cruz de Natal pela Série D do Campeonato Brasileiro. Uma vitória sobre o Bragantino/PA, na tarde (15h) desta segunda-feira (3), mantém o Tricolor na briga por uma vaga na segunda fase da competição nacional, pelo grupo A4. A equipe precisa ter os nervos no lugar, coisa que não aconteceu diante do River/PI, para conquistar a vitória. O Portão A da Arena será aberto às 13h e a venda dos ingressos começa nesta sexta-feira (31), a partir das 10h, nos pontos conveniados: site da Arena das Dunas -, SportMaster (Midway, Cidade Jardim e Zona Norte), Gol Mania Store (Avenida Prudente de Moraes e Partage Norte Shopping) e ERK (Tirol). No dia do jogo, a Bilheteria 1 do Portão T estará aberta a partir das 13h. Valores dos ingressos: R$ 10,00 (meia e convênios) e R$ 20,00 (inteira).









continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários