Eleições em SP: Covas tem 48% e Boulos, 37%

Publicação: 2020-11-26 00:00:00
Em uma semana, a vantagem do prefeito Bruno Covas (PSDB) sobre Guilherme Boulos (PSOL) oscilou de 12 para 11 pontos porcentuais. Eles têm, respectivamente, 48% e 37% das intenções de voto, conforme a segunda pesquisa Ibope/TV Globo/Estadão do segundo turno da eleição para a Prefeitura de São Paulo. Há ainda 4% de indecisos, e 12% pretendem votar nulo ou em branco.

Créditos: Arquivo TNBruno Covas tem  57%  dos votos válidos na pesquisa Ibope / Boulos está com 43% dos votos válidos, segundo o IbopeBruno Covas tem 57% dos votos válidos na pesquisa Ibope / Boulos está com 43% dos votos válidos, segundo o Ibope

Em relação à pesquisa anterior, publicada em 18 de novembro, os dois candidatos apenas oscilaram dentro da margem de erro. Covas foi de 47% para 48%, e Boulos de 35% a 37%. 

Se considerados apenas os votos válidos (excluídos brancos, nulos e o porcentual de eleitores indecisos), o placar é de 57% a 43%. Nesse caso, Covas oscilou um ponto para baixo, e o adversário, um ponto para cima. A diferença entre eles passou de 16 para 14 pontos.

Nos votos totais, incluindo nulos, brancos e indecisos, o prefeito tem vantagem de 16 pontos no eleitorado feminino (50% a 34%), mas de apenas 5 pontos entre os homens (45% a 40%).

Outra diferença significativa se observa na segmentação do eleitorado por faixas de idade. Entre os que têm mais de 55 anos, Covas lidera por 62% a 28%. Já no extremo mais jovem, dos que têm até 24 anos, é Boulos quem está na frente (50% a 39%).

Etapa decisiva
O prefeito está numericamente à frente entre eleitores de todos os graus de escolaridade, com destaque para aqueles que estudaram até o ensino fundamental (53% a 32%).

Até o momento, a disputa pela Prefeitura não registra a polarização por renda observada em eleições anteriores, quando os candidatos do PT lideravam entre os mais pobres e perdiam entre os mais ricos. Covas segue à frente em todas os segmentos de renda. Entre os que ganham até um salário mínimo, ele tem 46%, e Boulos, 37%. Entre os que ganham cinco mínimos ou mais, o placar é de 55% a 36%.

Destaque por segmento
Bruno Covas mantém nesta rodada o destaque entre aqueles que consideram positiva (ótima/boa) sua atual administração municipal (84%) e entre os eleitores com 55 anos ou mais (62%). Além disso, o candidato se sobressai no grupo de entrevistados com renda familiar de mais de 5 salários mínimos (55%). Em comparação à pesquisa passada, as intenções de voto no candidato crescem entre os eleitores mais velhos (vão de 54% para 62%).

Já as menções a Guilherme Boulos permanecem mais expressivas entre os que avaliam a atual gestão municipal como ruim ou péssima (68% das menções, eram 50%). Ademais, Boulos se destaca nesta rodada entre os mais jovens, com idade de 16 a 24 anos, segmento no qual obtém 50% das citações - eram 37% no levantamento anterior (crescimento de 13 pontos percentuais).

Espontânea
A pesquisa do Ibope também traz a intenção de voto espontânea, sem a apresentação dos nomes dos candidatos aos eleitores: Bruno Covas, 39%; Guilherme Boulos, 29%; Outros, 1%; Branco e nulo, 16%; Não sabem ou preferem não opinar, 15%.

A soma dos percentuais pode não totalizar 100% em decorrência de arredondamentos.

O Ibope também perguntou aos eleitores se a decisão de voto para prefeito de São Paulo ainda pode mudar ou já é definitiva. Veja os percentuais: Ainda pode mudar, 18%; é definitiva, 80%; não sabe/não respondeu, 1%.

Expectativa de vitória
O Ibope perguntou, independente da intenção de voto neste segundo turno, quem os eleitores acreditam que será o próximo prefeito de São Paulo. Veja os percentuais: Bruno Covas: 66%; Guilherme Boulos: 24%; Não sabe/não respondeu: 11%

A pesquisa foi realizada entre os dias 23 e 25 de novembro, com 1.001 eleitores. As entrevistas foram realizadas de forma presencial - por causa da pandemia de covid-19, a equipe do Ibope usou equipamentos para proteção da própria saúde e da dos entrevistados. O nível de confiança utilizado é de 95%. Isso quer dizer que há uma probabilidade de 95% de os resultados retratarem o atual momento eleitoral, considerada a margem de erro de três pontos porcentuais. O levantamento foi registrado no Tribunal Regional Eleitoral sob o protocolo SP-09681/2020.