Em Natal, 49% dos imóveis mapeados para visita dos agentes de endemias estão fechados

Publicação: 2018-07-31 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Yuno Silva
Repórter

Natal atravessa uma epidemia de dengue, o número de casos confirmados na capital potiguar este ano (até o dia 27 de julho) já ultrapassou sete mil, e a combinação chuva, sol com tempo quente e úmido pode desencadear um surto ainda mais amplo que o quadro pintado pela Secretaria Municipal de Saúde se a população não colaborar: dos 43.901 imóveis mapeados pela SMS, 49.18% (ou 21.591 endereços) não foram visitados pelos agentes de combate a endemias por estarem fechados e/ou desocupados. O risco cresce quando o lixo é descartado de maneira irregular e locais onde há acúmulo de água não são eliminados – ambiente propício para proliferação do mosquito Aedes aegypti, vetor de arboviroses como dengue, chikungunya, febre zika e febre amarela.

Imóveis desocupados ou fechados e a sensação de insegurança acabam prejudicando o trabalho dos agentes de endemias em Natal
Imóveis desocupados ou fechados e a sensação de insegurança acabam prejudicando o trabalho dos agentes de endemias em Natal

No Rio Grande do Norte não foi confirmado nenhum caso de febre amarela; por outro lado foram confirmadas as mortes de três natalenses por arboviroses, e outros nove óbitos estão sendo investigados. Ao todo, em Natal, já são 7.781 casos, sendo 7.398 casos de dengue, 240 de chikungunya e 143 de febre zika.

A zona Norte de Natal concentra o maior número de casos: no Conjunto Pajuçara, 1.145 pessoas apresentaram sintomas da dengue, enquanto no bairro de Nossa Senhora da Apresentação 1.185 contraíram a doença. “Os números podem ser ainda maiores, estamos aguardando a atualização dos dados”, disse Úrsula Torres, gerente técnica do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), órgão responsável pela coordenação das equipes de agentes de combate a endemias.

A gestora informou que o volume de atendimento nas UPAs (Unidades de Pronto Atendimento) de Natal apontou uma leve queda nas últimas seis semanas, “mas desde março estamos com um quadro epidêmico”, assegurou.

Zona Leste tem maior índice de imóveis fechados, diz Úrsula Torres
Zona Leste tem maior índice de imóveis fechados, diz Úrsula Torres

Por ser considerada invasiva, a lei municipal que permitia a entrada compulsória em imóveis fechados deixou de ser utilizada. “Fechamos parceria com corretores de imóveis e imobiliárias para acessar residências fechadas que estão para alugar ou vender, por exemplo. Só em casos extremos acionamos a Vigilância Sanitária, que tem poder de polícia”, disse a gerente técnica do CCZ.

Natal é dividida em cinco distritos sanitários, e a média de imóveis não visitados é maior na zona Leste, seguido das zonas Oeste, Norte (1 e 2) e Sul. Dos 60.779 imóveis identificados nos cinco distritos, 43.901 foram mapeados para visitas, mas 21.591 endereços não foram tratados  (visitados) – o equivalente a 35,52% sobre o números total de imóveis e 49,18% entre os que deveriam receber os agentes de combate a endemias.

Na zona Leste da cidade, o índice de imóveis não visitados é de 52,73%, na zona Oeste 44,83%, no distrito Norte 43,08%, e na zona Sul 42,22%. A gestora do Centro de Controle de Zoonoses atribui esses números a três fatores principais: imóveis desocupados, o estilo de vida (moradores que passam o dia fora), e a sensação de insegurança “que acaba prejudicando” o trabalho dos agentes.

Números
Natal
60.779 imóveis identificados;

43.901 imóveis mapeados para visita;

21.591 imóveis não tratados (não visitados);

49,18% dos imóveis mapeados não foram visitados;

Zona Leste
11.739 imóveis identificados;

7.998 imóveis mapeados para visita;

4.218 imóveis não tratados (não visitados), ou 52,73% dos mapeados;

3.408 imóveis visitados;

469 imóveis recuperados (visitados a partir da segunda tentativa);

Zona Oeste
21.484 imóveis identificados;

15.544 imóveis mapeados para visita;

6.969 imóveis não tratados (não visitados), ou 44,83% dos mapeados;

7.126 imóveis tratados (visitados);

1.029 imóveis recuperados (visitados a partir da segunda tentativa);

Zona Norte
15.648 imóveis identificados;

11.866 imóveis mapeados para visita;

5.112 imóveis não tratados (não visitados), ou 43,08% dos mapeados;

5.058 imóveis tratados (visitados);

1.330 imóveis recuperados (visitados a partir da segunda tentativa);

Zona Sul
11.911 imóveis identificados;

8.493 imóveis mapeados para visita;

3.586 imóveis não tratados (não visitados), ou 42,22% dos mapeados;

5.292 imóveis tratados (visitados);

168 imóveis recuperados (visitados a partir da segunda tentativa);

Casos de Arboviroses - 7.781

Dengue- 7.398;

Chikungunya - 240;

Zika- 143;

Mortes- 3 confirmadas;

Investigadas- 9.

Fonte: CCZ/SMS


continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários