Em Natal, vacina contra a covid imunizará 10,5 mil pessoas

Publicação: 2021-01-20 00:00:00
Cláudio Oliveira
Repórter

As 12.235 doses da vacina contra o novo coronavírus que Natal recebeu no primeiro lote enviado ao Rio Grande do Norte pelo Ministério da Saúde, serão suficientes para vacinar os cerca de 10 mil profissionais de saúde que atuam na linha de frente de combate ao vírus e mais 500 idosos de abrigos e instituições de longa permanência. 

Créditos: Alex RégisPrefeito Álvaro Dias destacou início da vacinação em massa em Natal nesta quarta-feira (20) em drive-thru no Ginásio Nélio DiasPrefeito Álvaro Dias destacou início da vacinação em massa em Natal nesta quarta-feira (20) em drive-thru no Ginásio Nélio Dias

O ato que marcará o início da campanha de imunização contra a covid-19 em Natal está previsto para as 8h desta quarta-feira (20), no Ginásio Nélio Dias, na zona Norte da cidade. O local é um dos quatro pontos de aplicação da vacina no modelo drive-thru, estilo já adotado pela Secretaria Municipal de Saúde de Natal (SMS Natal) em outras ocasiões, como na campanha de vacinação contra o sarampo. Além do ginásio, a Arena das Dunas e o Palácio dos Esportes também serão locais para aplicação do imunizante neste modelo. No shopping Via Direta, na zona Sul da capital, o esquema de vacinação terá formato híbrido, ou seja, contará com ponto fixo e de drive-thru.

Créditos: Alex RégisNa zona Sul da capital, nos ambientes externo e interno do Shopping Via Direta, Prefeitura montou ponto de imunização em massaNa zona Sul da capital, nos ambientes externo e interno do Shopping Via Direta, Prefeitura montou ponto de imunização em massa

Na tarde desta terça-feira (19), ao visitar o estande montado no shopping, o prefeito Álvaro Dias explicou que o sistema drive-thru vai agilizar e evitar aglomerações. “Em torno de mil profissionais estão preparados para atender nesse modelo drive-thru e, quando chegarem mais vacinas, também o farão nos postos de saúde. Vamos iniciar o esquema de vacinação dando prioridade aos idosos institucionalizados e aos profissionais da saúde que estão expostos com pacientes no dia a dia e que são em torno de 10 mil profissionais de acordo com os dados estatísticos que nós temos", disse o prefeito.

Segundo a Diretora do Departamento de Vigilância em Saúde da SMS Natal, Juliana Araújo, a quantidade de vacinas que chegou à capital atende a apenas um terço dos profissionais da saúde, por isso foram adotados os critérios de prioridade e equidade para esses trabalhadores que estão na linha de frente. Esperava-se 75 mil. “Aqueles profissionais de pronto socorro, de UTIs, com escala de trabalho e vínculo comprovado terão o direito à vacina nesta primeira etapa", disse Juliana Araújo

Os idosos incluídos nesta fase da vacinação não precisarão deixar as instituições nas quais estão abrigados porque receberão a imunização nesses locais. Eles somam cerca de 500 e seus cuidadores também receberão o imunizante, segundo Juliana Araújo. Ela reforçou que a segunda dose para esses primeiros vacinados está garantida. “A guarda desta segunda dose ainda está com o Estado e assim que a gente conseguir vacinar todo esse primeiro grupo será redistribuída. Temos de uma a quatro semanas para concluir essa primeira etapa", explicou a diretora.

Os profissionais de saúde da rede pública ou privada contemplados neste momento terão que comprovar o vínculo funcional e atestar o serviço através de apresentação de escala de trabalho, assinada pelo diretor de sua unidade, além de apresentar documento de identificação, de preferência aquele que já estiver cadastrado nos sistema RN + Vacina, plataforma que vai monitorar a imunização contra a covid-19 no Estado.

Precauções
Os indivíduos que poderão se vacinar devem estar atentos a algumas precauções. Caso estejam com sintomas de doenças agudas, febres moderadas ou graves, recomenda-se o adiamento da vacinação até a resolução do quadro com o intuito de não se atribuir à vacina as manifestações da doença. Não há evidências, até o momento, de qualquer preocupação de segurança na vacinação de indivíduos com história anterior de infecção ou com anticorpo detectável pelo novo coronavírus.

De acordo com a SMS Natal, é improvável que a vacinação de indivíduos infectados (em período de incubação) ou assintomáticos tenha um efeito prejudicial sobre a doença, mas recomenda-se o adiamento da vacinação nas pessoas com quadro sugestivo de infecção em atividade para se evitar confusão com outros diagnósticos diferenciais. Como a piora clínica pode ocorrer até duas semanas após a infecção, idealmente a vacinação deve ser evitada até a recuperação clínica total e pelo menos quatro semanas após o início dos sintomas ou quatro semanas a partir da primeira amostra de PCR positiva em pessoas assintomáticas.

Críticas à quantidade insuficiente
O Sindicato dos Trabalhadores em Saúde do Estado (Sindsaúde/RN) criticou a quantidade de vacinas que chegou ao Rio Grande do Norte, já que as 82.440 doses não cobrirão sequer o quantitativo de profissionais que atuam no segmento. “O anúncio de que apenas alguns profissionais que atuam na linha de frente (médicos, enfermeiros e técnicos) serão imunizados, pegou todo mundo de surpresa. No entanto, esse grupo não comporta trabalhadores da saúde que garantem, diretamente, o funcionamento dos hospitais e estão tão expostos ao vírus quanto os demais", destacou o Sindsaúde em nota.

A reivindicação ocorre porque os trabalhadores terceirizados, maqueiros, copeiros, nutricionistas, assistentes sociais, porteiros, recepcionistas, dentre outros profissionais envolvidos no processo de saúde também estão na linha de frente e ficarão de fora neste primeiro momento. O Sindsaúde/RN exige que Prefeitura do Natal e o Governo do Estado apresentem um calendário que preveja quando ocorrerá a imunização de todos esses trabalhadores, sem exceção, já que permitiram a abertura de serviços não essenciais e não controlam situações de aglomeração, como nos transportes públicos e eventos particulares, por exemplo.

Apesar de também lamentar a quantidade insuficiente de vacinas, já que todos os profissionais da área de saúde estão mais expostos ao vírus do que o cidadão comum, o presidente do Sindicato dos Médicos do Rio Grande do Norte (Sinmed/RN), Geraldo Ferreira, avaliou que a distribuição está sendo feita de forma justa. “É um problema da disponibilidade de vacinas. Está se fazendo uma distribuição por grupos, mas sequer se consegue atender a esses grupos. Aqueles que estão em hospitais, que atendem em consultórios, via de regra, estão na linha de frente, mas as vacinas não chegarão nem perto de atender a todos neste momento. Porém, dentro do que chegou, a distribuição está sendo feita de forma justa", ponderou o presidente.

Ele elogiou a adoção do modelo drive-thru dizendo  acreditar que esta forma de aplicação das vacinas atende aos requisitos de segurança em meio à pandemia. “Acho que o encaminhamento está sendo relativamente bem feito. A questão de vacinar nos espaços públicos no modelo drive-thru é um modelo de sucesso, já adotado em outras ocasiões, e que atende a necessidade desse momento de pandemia", pontuou.