Economia
Em seis meses, RN gera 12.919 postos de trabalho
Publicado: 00:00:00 - 20/12/2019 Atualizado: 00:23:45 - 20/12/2019
Ricardo Araújo
Editor de Economia

Puxado pelas contratações temporárias no Comércio, o mês de novembro encerrou com saldo positivo na geração de empregos no Rio Grande do Norte. Conforme dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados pelo Ministério da Economia nesta quinta-feira, 19, o saldo entre admissões e demissões no Estado foi de +1.690 postos de trabalho. De junho a novembro, o número é positivo em 12.919 empregos. Apesar do avanço tabulado no Estado ao longo do mês passado, o quantitativo ainda está longe do pico registrado em 2009, quando foram abertos 4.345 postos de trabalho formais.

De acordo com o Caged atual, ao longo de novembro a contratação de trabalhadores no Rio Grande do Norte foi impulsionada pelo Comércio, com 1.128 vagas. Em seguida aparece o setor de Serviços, com 574 postos de trabalho abertos. Outras 152 vagas foram criadas na Construção Civil. Os demais setores tabulados pelo Ministério da Economia registraram queda: Indústria Extrativa Mineral, -30; Indústria de Transformação, -25; Serviços Industriais de Utilidade Pública, -13; Administração Pública, -7; e Agropecuária, com saldo negativo em 89 vagas. De janeiro a novembro deste ano, o saldo de geração de empregos formais no Estado é positivo em 6.281 vagas.

No Nordeste, todos os Estados encerraram Novembro com saldo positivo de empregos. A maior geração ocorreu no Ceará, com 4.860 postos. Em segundo lugar na região aparece a Bahia, com +3.958 vagas. Pernambuco abriu 3.194 postos de trabalho formais, enquanto a Paraíba, +1.943. Sergipe registrou +1.498 vagas. Alagoas, + 1.327. Maranhão, +1.163. E o Piauí, +200.

Brasil 
De acordo com o Caged, o emprego celetista no Brasil apresentou expansão em novembro de 2019, registrando saldo de +99.232 postos de trabalho. Esse resultado decorreu de 1.291.837 admissões e de 1.192.605 desligamentos.

O estoque em novembro de 2019 contabilizou 39.358.772 vínculos, o que representa uma variação de +0,25% em relação ao estoque do mês anterior. No acumulado do ano de 2019 foram criados +948.344 empregos. Nos últimos doze meses (dez/2018 a nov/2019) houve a geração de +605.919 empregos. 

Em novembro/2019, os dados registraram saldo positivo no nível de emprego em três setores econômicos e saldo negativo em cinco setores. Registraram saldo positivo Comércio (+106.834 postos), Serviços (+44.287 postos) e Serviços Industriais de Utilidade Pública (SIUP) (+419 postos).
Apresentaram saldo negativo os setores de Extrativa Mineral (-290 postos), Administração Pública (-652 postos), Construção Civil (-7.390 postos), Agropecuária (-19.161 postos) e Indústria de Transformação (-24.815 postos).

O setor de Comércio apresentou o maior saldo de novembro/2019. Foram registradas 387.708 admissões e 280.874 desligamentos, implicando saldo de +106.834 postos de trabalho e crescimento de +1,18% sobre o mês anterior. 

No recorte geográfico, verificou-se em novembro/2019 que quatro regiões apresentaram saldo de emprego positivo e apenas uma negativo: Sudeste (+51.060 postos, +0,25%); Sul (+28.995 postos, +0,40%); Nordeste (+19.824 postos, +0,31%); Norte (+4.491 postos, +0,25%); Centro-Oeste (-5.138 postos, -0,16%).

Em novembro, 21 Unidades Federativas registraram variação positiva no saldo de emprego e seis variação negativa. Ressalta-se que os maiores saldos de emprego ocorreram em: São Paulo: +23.140 postos (+0,19%);  Rio de Janeiro: +16.922 postos (+0,51%); Rio Grande do Sul: +12.257 postos (+0,48%). Os menores saldos de emprego ocorreram em: Goiás: -4.587 postos (-0,37%); Mato Grosso: -2.437 postos (-0,34%); Mato Grosso do Sul: -830 postos (0,16%).

Salário

Para o conjunto do território nacional, o salário médio de admissão em novembro/2019 foi de R$ 1.592,26 e o salário médio de desligamento foi de R$1.795,16. Em termos reais (mediante deflacionamento pelo INPC), houve diminuição de -0,74% no salário médio de admissão e aumento de +0,75% no salário de desligamento, em comparação ao mês anterior. Em relação ao mesmo mês do ano anterior, registrou-se crescimento de +0,96% para o salário médio de admissão e de +3,08% para o salário de desligamento.

Mercado de Trabalho
Evolução das admissões e demissões

Brasil
à Total de admissões: 1.291.837 
à Total de demissões: 1.192.605
à Saldo: 99.232

Rio Grande do Norte

Janeiro/2019
à Total de admissões: 12.094
à Total de demissões: 13.453
à Saldo: -1.359

Fevereiro/2019
à Total de admissões: 11.845
à Total de demissões: 14.094
à Saldo: -2.249

Março/2019
à Total de admissões: 10.236
à Total de demissões: 12.269
à Saldo: -2.033

Abril/2019
à Total de admissões: 11.328
à Total de demissões: 11.829
à Saldo: -501

Maio/2019
à Total de admissões: 11.234
à Total de demissões: 11.730
à Saldo: -496

Junho/2019
à Total de admissões: 11.452
à Total de demissões: 10.215
à Saldo: +1.237

Julho/2019
à Total de admissões: 13.174
à Total de demissões: 12.386
à Saldo: +788

Agosto
à Total de admissões: 15.264
à Total de demissões: 11.525
à Saldo: +3.739

Setembro
à Total de admissões: 13.344
à Total de demissões: 10.859
à Saldo: +2.485

Outubro
à Total de admissões: 13.352
à Total de demissões: 10.372
à Saldo: +2.980

Novembro/2019
à Total de admissões: 11.606
à Total de demissões: 9.916
à Saldo: +1.690

Empregos formais por setor
Novembro/2019
à Indústria de transformação: -25
à Extrativa mineral: -30
à Serviços Industriais de Utilidade
à Pública: -13
à Construção civil: +152
à Comércio: +1.128
à Serviços: +574
à Administração pública: -7
à Agropecuária: -89

Novembros no RN
2009: +4.345
2010: +2.203
2011: +1.013
2012: +1.440
2013: +1.047
2014: +1.124
2015: -435
2016: -820
2017: -137
2018: +1.686
2019: +1.690

Leia também