Em tempos de crise, uma chance de empreender

Publicação: 2019-02-24 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
A Rua Apodi, em Tirol, zona Leste de Natal, se transformou no endereço da realização dos sonhos de dois jovens empresários potiguares. Mesmo em tempos de crise, eles não se deixaram abater pelo cenário nacional de fechamento de empresas e aumento no número de demissões e concretizaram o que tinham na mente. Menos de dois anos após iniciarem seus próprios negócios aumentaram o número de empregados e planejam expansão para novas unidades.

Calife trocou as agências bancárias pelo negócio próprio. Estudou o mercado e abriu uma barbearia
Calife trocou as agências bancárias pelo negócio próprio. Estudou o mercado e abriu uma barbearia

Ana Paula Dantas Cortez, formada em Contabilidade, cresceu no meio empresarial. A mãe, dona de um restaurante na mesma rua, viveu momentos difíceis depois que o Hospital Papi fechou as portas. Os problemas causados com a demissão em massa de enfermeiros, técnicos de enfermagem e trabalhadores dos diversos do complexo hospitalar provocaram-lhe uma redução de 80% no volume de refeições servidas diariamente. Foi preciso inovar e arriscar. “Surgiu uma oportunidade quando o prédio ao lado do restaurante da minha mãe desocupou. Mas o comércio da região estava morto por causa do fechamento do hospital”, relembra Ana Paula.

Com um espaço disponível e uma ideia em mente, ela não mediu esforços e montou a Duas Marias Esmalteria. “É preciso ver a crise como oportunidade. Eu tive que entender a realidade do público de hoje em dia, ao meu redor, ao redor do meu estabelecimento, e ajustar valores. Observei concorrentes antes de formatar valores e não discrimino classe social. Tenho preços populares para atrair todos os clientes possíveis”, enfatiza. Desde que abriu a esmalteria, há cerca de um ano, ela já ampliou o estabelecimento. O número de funcionários cresceu de dois para cinco e eles se dividem na esmalteria, salão de beleza e sala de estética.

“Isso já é um reflexo do aumento do fluxo de clientes. A tendência é de aumento no movimento muito influenciado pela propaganda boca a boca. Nos últimos meses, conquistei ainda mais clientes com a propaganda feita pelas nossas clientes mais antigas. Esse é o lado positivo de oferecer um serviço de qualidade com preço popular”, declara Ana Paula Dantas Cortez.

A palavra de ordem é planejar

Do outro lado da Rua Apodi, o jovem empresário Vitor Calife, abriu seu primeiro negócio junto a outros dois sócios. A OldSkull Barbearia nasceu a partir de um amplo planejamento e estudo de mercado. “Nós chegamos numa época na qual todos os negócios estavam fechados na região, no entorno da barbearia. Não existia nenhum outro negócio do tipo na região”, relembra Vitor  Calife, um dos sócios-proprietários da OldSkull Barbearia.

Após atuar numa instituição bancária, o administrador de empresas começou a buscar um negócio rentável, mas sem tantos riscos. “Eu já tinha a ideia de ter um negócio próprio. Procurava um que realmente funcionasse”, destaca. Após estudar o ponto comercial escolhido, os riscos da operação e a possibilidade de crescimento, tudo isso em cerca de 90 dias, a empresa foi aberta. Em menos de dois anos de fundação, o número de funcionários cresceu de quatro para oito e há a possibilidade de transformar a OldSkull numa franquia.

“Nossa empresa oferece uma experiência para o consumidor inspirada numa barbearia tradicional, com espaços amplos, música de qualidade e atendimento personalizado. Temos um planejamento que inclui a pré-venda, o atendimento em si e o pós-venda. Com isso nossa taxa de retenção é alta”, enfatiza. Conforme Vitor Calife, mesmo diante da crise financeira que afeta as finanças do Rio Grande do Norte, a barbearia registrou crescimento de 15% no fluxo de clientes e no faturamento de novembro do ano passado para este mês de fevereiro.

Questionado sobre como foi possível alcançar esse percentual, Vitor Calife é enfático: “Planejamento é a palavra de ordem”.

















continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários