Emprego x pandemia

Publicação: 2020-07-07 00:00:00
A+ A-
Luiz antônio felipe 
 laf@tribunadonorte.com.br

O Ipea publicou ontem a pesquisa “A evolução do emprego setorial em 2020”. Heterogêneo foi o tombo entre os setores, com a análise dos efeitos das medidas de contenção da pandemia sobre o nível do emprego ao nível setorial até o mês de maio de 2020. A queda nas contratações é a maior causa da diminuição do emprego formal. O estudo do Ipea aponta que a queda na população ocupada do Brasil se acentuou a partir de abril.  A contração nas admissões teve maior relevância que o aumento dos desligamentos para a queda no emprego formal, no Brasil, na maior parte dos setores, de acordo com o estudo.

Setores
O levantamento aponta que os setores de alimentação e alojamento, em termos relativos, foram os mais afetados com o aumento do desemprego - porque ajustaram o emprego nas duas margens -, seguidos pelo setor de construção. Já os setores de administração pública e de agricultura foram os menos impactados pela atual crise.

Indústria (I)
O faturamento da indústria brasileira cresceu 11,4% em maio, mostra pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI). É uma retomada da atividade industrial, depois da redução e paralisação nas plantas industriais em março e em abril, quando as medidas de distanciamento social se aprofundaram e afastaram o consumidor. A Indústria continua bastante desaquecida, mas os resultados de maio mostram que o pior já passou.

Indústria (II)
Dos segmentos da indústria destaca-se a produção de carros, comerciais leves, caminhões e ônibus que, em junho subiu 129,1%, em relação ao mês de maio, para 98,7 mil unidades, de acordo com a Anfavea (associação do setor). Na comparação com junho 2019, por sua vez, houve declínio de 57,7%. Já a venda de veículos caiu 40,5 % em junho, em relação ao mesmo mês do ano passado.

Projeções
O mercado está indicando que o PIB de 2020 cairá -6,50%, ante -6,54%, na semana anterior aponta o boletim semanal Focus, do Banco Central. A projeção dos juros (Selic), em 2020 segue em 2,00% e permanece em 3,00% para 2021.

Em casa e com ganhos
Efeitos colaterais positivos do home office no serviço publico. Com os servidores federais trabalhando em casa, o governo projeta um corte anual de gastos de até R$ 500 milhões. Com três meses de home office em razão da pandemia, o governo federal avalia ser possível manter os serviços públicos funcionando e ainda economizar no pós-coronavírus. Certamente que a  redução de custos também aconteceu nos estados. Por tabela, evitou o tráfego de pessoas nas ruas, o trânsito de carros, as aglomerações e possíveis contaminações.

Ativos
O preço do barril de petróleo (spot) ficou estável em torno dos US$ 40,58. O dólar seguia o exterior, no início dos negócios e caía mais de 1% ante o real com otimismo sobre China. No final do dia, o dólar fechou a R$ 5,352, uma alta de 0,61%.  Com o exterior positivo, alta nas bolsas em geral, a Bolsa brasileira fecha em alta de 2,24%, aos 98.937,16. O Ibovespa chegou a ficar acima dos 99 mil pontos.

Chuva
Fim de semana de boas chuvas incluindo municípios que estão no semiárido potiguar. A Emparn registrou chuvas em 60 pluviômetros. No Oeste, as maiores foram em Martins 30,4 milímetros (mm) e Serrinha dos Pintos, 19,1mm. No Agreste, em Monte das Gameleiras, 82mm e Lagoa de Pedras, 67,3mm. No Leste, recorde em Montanhas, 106,7mm. Em Natal, 59,4mm. Chuva boa para a cana de açúcar e hortifruti.

Previdência (I) 
O governo publicou um decreto alterando a contagem do tempo de contribuição para aposentadorias do INSS. A contagem será feita em meses de competência e não em dias, como anteriormente. Para exemplificar: um trabalhador desligado de uma empresa no dia 15 de julho, terá direito aos 15 dias proporcionais. Agora, o mês todo é considerado, independente de quantos dias sejam trabalhados.

Previdência (II) 
A mudança garante também ao segurado da Previdência Social, na categoria de contribuinte individual e, em várias atividades, como motoristas de aplicativos, artesãos e repentistas, além de outros. Outra novidade é que os trabalhadores domésticos também terão os direitos previdenciários. O trabalhador passa a ter direito auxílio por incapacidade temporária e aposentadoria por incapacidade permanente.

Aposentadoria (III) 
O gasto do Tesouro Nacional com déficit de militar cresce me comparação o de aposentado do INSS. Em 2019, o gasto proporcional foi 17 vezes o valor gasto com um trabalhador do setor privado que se aposenta pelo INSS. Foram, em média, R$ 121,2 mil para cobrir o rombo de cada militar. No caso dos beneficiários do INSS, o valor foi de R$ 6.900. Para cada servidor público, o gasto médio foi de R$ 71,6 mil.