Empresas de tecnologia crescem no RN

Publicação: 2019-08-11 00:00:00
Ricardo Araújo
Editor de Economia

Em dois anos, o número de empresas de tecnologia no Rio Grande do Norte triplicou. O avanço é resultado do trabalho desenvolvido no Parque Tecnológico Metrópole Digital, criado em agosto de 2017, com o objetivo de desenvolver um polo de Tecnologia da Informação no Estado em paralelo às atividades desenvolvidas no Instituto Metrópole Digital (IMD), em Natal. Desde então, o número de empresas que atuam no desenvolvimento de softwares, prestação de serviços de tecnologia e criação de aplicativos diversos saltou de 15 para 46. Hoje, elas empregam cerca de 700 profissionais que, em alguns casos, exportam produtos e serviços para outros Estados brasileiros e também para outros países.
Créditos: Alex RégisPrédio do IMD sedia empresas incubadas que miram no mercadoPrédio do IMD sedia empresas incubadas que miram no mercado
Prédio do IMD sedia empresas incubadas que miram no mercado

saiba mais

O principal viés de atuação do Parque Tecnológico Metropóle Digital é atrair empresas de Tecnologia da Informação para a área geográfica próxima ao Instituto Metrópole Digital, onde está sediado. Nele, os potenciais empresários podem apresentar uma ideia que será analisada pela incubadora Inova Metrópole, a maior do Rio Grande do Norte, outro braço de apoio ao IMD e ao Parque Tecnológico em si.

Funcionando de forma similar a uma incubadora neonatal, a Inova Metrópole irá acompanhar o desenvolvimento das empresas incubadas, que hoje são 17, e instruí-las da melhor maneira possível para se tornarem um negócio sustentável, gerador de renda e de qualificação profissional. A Inova Metrópole desenvolve programas de pré-incubação, incubação e formação empreendedora.

“Ao invés de bebês, nós temos empresas que acabaram de ser criadas em precisam de estrutura física, tecnológica e também de educação empreendedora, apoio gerencial, que possam culminar no desenvolvimento humano e organizacional”, explica o diretor-geral do Parque Tecnológico, Anderson Paiva Cruz. Ele destaca que, em todo o Rio Grande do Norte, o número de incubadoras cresceu nos últimos anos e, além da Inova Metrópole, outras assumem papel de destaque no setor. Isso faz com que pelo menos 180 empreendimentos em todo o Estado sejam assistidas, de maneiras diversas, por essas incubadoras.

“As empresas se conectam à Academia (ambiente acadêmico) e ao Governo (Municipal e Estadual) através do Parque Tecnológico. A gente conseguiu perceber uma mudança no comportamento dos gestores públicos, que se empenharam em promover a criação do Parque Tecnológico e fomentar o desenvolvimento local. O Parque é um ambiente para gerar renda, educação e emprego”, ressalta Anderson Paiva Cruz. Além da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e do IMD, o Parque Tecnológico tem como parceiros o Sebrae/RN, Federação das Indústrias do Rio Grande do Norte (Fiern), Prefeitura do Natal e Governo do Estado.

Futuro

Para o futuro, o Parque vem desenvolvendo estratégias e parcerias para trazer empresas de fora do Estado e, dentre elas, uma que, por seu tamanho e importância, possa funcionar como “âncora”. Anderson Cruz conta que, para isso, está sendo feito uma colaboração com o Sebrae, que deve ajudar nessa captação.

“Para o desenvolvimento de qualquer polo tecnológico, é importante que existam empresas de diversos portes. A empresa âncora atrai clientes, traz visibilidade e gera negócios internamente, pois ela própria demanda serviços de empresas de outros portes. Ganha todo o ecossistema de empreendedorismo e inovação”, explica o diretor.

Outra ação que vem sendo desenvolvida diz respeito à disponibilização, para as empresas que estão ou se interessam em ingressar no Parque, de parcerias com pesquisadores e laboratórios da UFRN para o desenvolvimento de serviços ou produtos da área tecnológica. A atividade é conhecida como “Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (PD&I).

Para isso, o Parque vem atuando em duas frentes: em uma delas, fez uma parceria com a Funpec, para que a fundação faça prospecções de empresas que podem se interessar em realizar parcerias de PD&I com o IMD e a UFRN.

Em uma segunda frente, está sendo elaborada uma cartilha que vai relacionar dezenas de ações de pesquisa desenvolvidas na UFRN e que são passíveis de, por meio de convênios, contribuírem para o desenvolvimento de produtos e serviços tecnológicos que possam ser usados por empresas e instituições.