Ensino à distância quebra barreiras

Publicação: 2015-03-22 00:00:00 | Comentários: 1
A+ A-
Itaércio Porpino
Repórter

Se, no ensino superior, a Educação à Distância (EAD) vem crescendo a passos largos no Brasil, sendo responsável hoje por mais de 15% de todas as matrículas, a tendência é que no ensino voltado para a formação técnica – investimento de que o país ainda tem uma enorme carência – a modalidade se desenvolva no mesmo ritmo ou até mais aceleradamente.

É com essa perspectiva que surge no Rio Grande do Norte, com plano de expansão para todo o Brasil, o Instituto Tecnológico Brasileiro (ITB), uma rede nacional de aprendizado à distância com foco na formação profissional de nível técnico.           

Seu presidente e mentor, o empresário Paulo de Paula, fundador da Universidade Potiguar (UnP) e que está há 35 anos no ramo da educação, investiu no novo projeto ao vislumbrar na formação técnica para o trabalho um grande nicho de mercado. Segundo o empresário, enquanto na Alemanha as pessoas com curso técnico representam 55% da mão de obra produtiva, esse percentual no Brasil chega a somente 5%.
Emanuel AmaralPaulo de Paula, fundador da Universidade Potiguar (UnP) e que está há 35 anos no ramo da educação, investiu no novo projetoPaulo de Paula, fundador da Universidade Potiguar (UnP) e que está há 35 anos no ramo da educação, investiu no novo projeto

“Há mais engenheiros do que técnicos no Brasil. Como você vai ter uma linha de produção com mais engenheiros do que técnicos? Temos essa lacuna enorme no país que precisa ser preenchida. E é o que pretendemos fazer, atendendo também a expectativa da população jovem brasileira, que necessita de trabalho, de qualificação”, diz Paulo de Paula, que entende que o Brasil só vai se tornar competitivo se conseguir melhores métodos de produção e formação de mão de obra. “Não tem outro jeito”.

Ao explicar a opção pela Educação à Distância, o empresário enumera uma série de vantagens dessa modalidade, que para ele é uma tendência que vai se firmar cada vez mais. “A Educação à Distância é o presente e o futuro. A tecnologia proporcionou a transformação de metodologia por possibilitar o desenvolvimento de conteúdo interativo muito mais rico, que chega a mais pessoas, em qualquer parte do mundo e a qualquer hora. Acrescente a isso fatores como a segurança e a mobilidade urbana, questões muito complicadas no Brasil”.

Diretora acadêmica do Instituto Tecnológico Brasileiro, Leideana Bacurau acrescenta que o aluno da Educação à Distância tem mais autonomia e estuda com mais afinco.   “As pessoas não chegam para dar a ele o aprendizado. Ele vai buscar, liga o computador, assiste videoaula, escuta, interage muito com o conhecimento”, diz, ressaltando que os resultados do Enade (exame do MEC que avalia o ensino superior) mostram um rendimento melhor dos alunos de EAD em relação aos universitários que estudam presencialmente.

E é exatamente com um ensino de qualidade, obtido com investimento em tecnologia de ponta e em profissionais capacitados, que Paulo de Paula e sua equipe pretendem fazer do ITB o número 1 do Brasil em cursos técnicos à distância. No momento, o Instituto Tecnológico Brasileiro está com 11 cursos prontos e mais 30 sendo produzidos - todos desenvolvidos por sua equipe técnica e pedagógica a partir de uma metodologia baseada em competências. O ITB já está credenciado pelas Secretarias de Educação dos estados do Rio Grande do Norte, Pernambuco e São Paulo. A expectativa é de que até julho esteja autorizado a atuar em 20 estados. 

Educação à distância no País cresceu 2.000%


O último Censo da Educação Superior, divulgado em setembro de 2014 pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), revelou que em dez anos – de 2003 a 2013 – o número de estudantes da Educação à Distância saltou de 49 mil para 1,1 milhão (um aumento de 2.144%), colocando a modalidade como responsável por mais de 15% de todas as matrículas em ensino superior. Em 2003, apenas 1,2% dos diplomas eram entregues a quem aprendia por computador.

Na ocasião em que o Censo foi divulgado, o presidente do Conselho Científico da Associação Brasileira de Educação à Distância (Abed), Waldomiro Loyolla, atribuiu a alta procura pelo EAD ao perfil da geração que está chegando às universidades, mais familiarizada com novas tecnologias e compartilhamento de conhecimento pela internet.

Ele comentou também que a procura têm crescido tanto em cidades do interior, onde nem sempre há variedade de cursos presenciais, quanto nas capitais, em razão da falta de tempo da população e da dificuldade de deslocamento.

Loyolla disse ainda que o EAD deve continuar crescendo no Brasil, acompanhando o que ocorre em alguns países desenvolvidos, como Holanda e Finlândia, onde 30% dos formados são por cursos remotos.

Conteúdo será disponibilizado gratuitamente


O Instituto Tecnológico Brasileiro estreia no mercado da Educação à Distância inovando. De acordo com Paulo de Paula, a empresa é a única no Brasil a disponibilizar o conteúdo gratuitamente.

“Estamos trabalhando com uma variável totalmente nova no país, que é o conteúdo de graça. Esse vai ser nosso DNA. Queremos chegar ao maior número de jovens”, diz o empresário. 

Paulo de Paula explica que o aluno não vai pagar para estudar; vai pagar somente pelo diploma de conclusão do curso ou então pelos certificados das disciplinas que ele venha a estudar isoladamente, entretanto, no Rio Grande do Norte o ITB ainda não está cobrando pelo diploma e certificado.

“No momento, estamos lançando esses dez primeiros cursos no Estado com a diplomação e certificação também de graça. No futuro não será sempre assim”, avisa.

O diretor de Design do ITB, Adauto Harley, explica que a pessoa tem duas opções: se matricular ou se associar (este último procedimento é feito sem qualquer burocracia pelo site www.sistemaitb.com.br, até mesmo por meio de um simples cadastro do Facebook).

“A pessoa se associa ao sistema de aprendizado à distância do ITB e passa a ter acesso a todo o conteúdo gratuito, em qualquer parte do mundo. Já os matriculados nos cusos vão pagar uma mensalidade com preço bastante atrativo, bem abaixo do que se paga por um curso presencial”.

A meta do Instituto, até o ano que vem, é chegar à casa dos milhões de associados e ter 200 polos espalhados pelo Brasil. “São números bastante audaciosos, mas viáveis, baseado no baixo percentual de cursos técnicos oferecidos e aonde a gente pode chegar”, diz Harley.

Para atingir essa meta, o ITB investiu pesado em tecnologia de ponta e na capacitação de seus profissionais. “Os professores são selecionados com todo cuidado e muito capacitados para entender o que é a educação profissional e o que é trabalhar à distância”, fala a Diretora acadêmica Leideana Bacurau.

Desenvolvida em dois anos de trabalho, a metodologia foi trazida da Austrália e aprimorada e aplicada aqui. “O método é bem prático - todo baseado em competências - e trabalhado a partir de um conteúdo interativo e multimídia, com gráficos, simuladores, filmes e outros recursos, de modo que todos os sentidos do aluno são aguçados”, completa Leideana.

Além das aulas à distância, o aluno conta com a tutoria online dos professores. Como em qualquer curso convencional, ele é avaliado através de exames.

Segundo Paulo de Paula, o ITB acompanha o estudante nos estágios e ajuda a inseri-lo no mercado de trabalho. “Faz parte da nossa filosofia. Nós  temos convênio com empresas de todo o mercado e com o governo. Esse é um projeto muito abrangente”, conclui.

continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários

  • ademirvendramini

    Não tenho dúvidas de que o curso Técnico em Contabilidade que fiz no Colégio Comercial do Liceu Braz Cubas em Mogi das Cruzes/SP foi que me abriu as portas da minha vida profissional, estando nas mãos de Paulo de Paulo e sua equipe não tem como não ser SUCESSO ABSOLUTO.