Cookie Consent
Brasil
Escândalo do presidente da Caixa: veja o que presidenciáveis já disseram
Publicado: 15:39:00 - 29/06/2022 Atualizado: 15:42:28 - 29/06/2022
Pedro Guimarães, presidente da Caixa Econômica Federal (CEF), está sendo investigado pelo Ministério Público Federal (MPF) pelo crime de assédio sexual contra cinco funcionárias da instituição. Um portal de notícias divulgou essa informação na última terça-feira (28). Guimarães é um nome próximo a Jair Bolsonaro. O presidente ainda não se manifestou sobre o caso. Confira o que já disseram outros presidenciáveis ao longo desta quarta.

Marcelo Camargo
O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, está sendo acusado de assédio sexual por cinco funcionárias do banco

O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, está sendo acusado de assédio sexual por cinco funcionárias do banco

Leia Mais



Ciro Gomes (PDT) participou de evento promovido pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). Na ocasião, ele comentou sobre a possibilidade da troca do comando da Caixa e chamou Pedro Guimarães de "bandido". "Uma autoridade pública que usa do seu poder para constranger sexualmente mulheres é um bandido. Tinha que ser demitido e responder pela cadeia", disse.

No mesmo evento, a senadora Simone Tebet (MDB) também criticou o presidente da CEF, classificando o episódio como "inadmissível". A presidenciável chegou a relatar que já foi vítima de assédio sexual no ambiente de trabalho. "Eu já sofri violência política desde quando comecei, quando da primeira vez, não conseguia reagir, era muito nova, fui chorar no banheiro. E da terceira vez em diante eu respondi à altura". Caso os fatos sejam comprovado, Tebet disse que a bancada feminina ficará atenta para que Pedro Guimarães "possa sofrer as penalidades exigidas pela lei".

O ex-presidente Lula (PT) deu uma entrevista à Rádio Educadora de Piracicaba, nesta quarta (29), mas evitou comentar o caso. "Eu não sou procurador e não sou policial", explicou o pré-candidato à Presidência.

Até as 15h30 desta quarta, o presidente Jair Bolsonaro ainda não havia se manifestado sobre o caso. O candidato à reeleição está sendo pressionado a substituir João Guimarães, pelas acusações de assédio sexual. A provável substituta é a secretária especial de Produtividade e Competitividade do Ministério da Economia, Daniella Marques.

Leia também

Plantão de Notícias

Baixe Grátis o App Tribuna do Norte

Jornal Impresso

Edição do dia:
Edição do Dia - Jornal Tribuna do Norte