Escola adota acompanhamento personalizado para adolescentes

Publicação: 2019-12-14 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
O ensino fundamental II, a porta de entrada para a adolescência, é uma etapa da vida escolar em que os alunos passam por grandes transformações. Esta fase da escolarização, que vai do 6º ao 9º ano, com jovens entre 11 e 14 anos, traz grandes desafios às famílias e, obviamente, para a escola também. Neste contexto, é preciso compreender que o adolescente precisa caminhar com as próprias pernas e também precisa de cuidados bem próximos. Então, é importante contar com uma abordagem pedagógica que valoriza a autonomia e o potencial criativo do aluno. Isso, inclusive, pode fazer toda a diferença para os estudos e para a vida.

Na adolescência é preciso abordagem pedagógica que valorize autonomia e criatividade do aluno
Na adolescência é preciso abordagem pedagógica que valorize autonomia e criatividade do aluno

Com esse olhar, o Instituto Educacional Casa Escola, foi bem além do ensinar conteúdos e adotou grupos de tutorias. Esta metodologia colabora para o acompanhamento do processo de aprendizagem e o desenvolvimento dos alunos, tanto no social como na afetividade. Conforme afirma Yasmim Montenegro, aluna do 9º ano: “na Casa Escola os professores nos ensinam e nos olham nos olhos, isso faz toda a diferença”. A tutoria em si é composta por grupos de 10 a 12 alunos de diferentes turmas do ensino fundamental II, que conta com o apoio de um tutor (professor/educador) escolhido pelo próprio aluno. A razão disso é criar o laço afetivo, o que ajuda muito no acompanhamento.

Em encontros semanais, os momentos de tutorias possibilitam experiências de diálogo, estreitamento de vínculos e atividades colaborativas, indo além do foco no conteúdo escolar, promovendo um ambiente de confiança. Além destes encontros presenciais, cada tutor forma um grupo no WhatsApp, estendendo o relacionamento além das paredes da instituição. Os tutores também são a ponte entre o ambiente escolar e a família.

“É no momento da tutoria que nossos jovens alunos podem desabafar, serem escutados e trocar experiências. O tutor pode, inclusive, sensibilizar um professor e, quando é necessário, criar novas estratégias de ensino para o aluno. Com esta dinâmica, os pais não recebem apenas as notas dos filhos, mas também relatos vindos de alguém que os acompanhou bem de perto”, explica a diretora da Casa Escola, Priscila Griner.

Para tornar o acompanhamento dos estudos de maneira mais efetiva, os professores de cada disciplina preparam a planilha de estudos. Nos encontros de tutoria, tutor e aluno organizam a rotina dos estudos diários nesta planilha compartilhada entre aluno, tutor e família. Nesta concepção de ensino comprometida com a aprendizagem e o bem-estar do aluno, as famílias se mostram satisfeitas quando veem os resultados: “A avaliação é realmente contínua, sabemos que acontece de o aluno, por vezes, burlar os estudos e as tarefas e o professor da disciplina não consegue dar conta. Eu percebo que o tutor colabora, tornando a avaliação mais cuidadosa, não fica apenas na nota”, aponta Verônica Alvares, mãe de Miguel do 9º ano.

continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários