Espaço Ruy Pereira será alameda modelo

Publicação: 2020-01-11 00:00:00
Ramon Ribeiro
Repórter

O Espaço Cultural Ruy Pereira, trecho da rua Professor Zuza entre  a Rio Branco e a Princesa Isabel, na Cidade Alta, está fechado para obras de requalificação desde novembro. Com isso, toda a programação artística que vinha acontecendo no local teve que ser remanejada. E os barzinhos que funcionavam na rua se transferiram temporariamente para outros pontos, como o Bar do Zé Reeira, que está funcionando vizinho à agência dos Correios da avenida Princesa Isabel.

Créditos: Adriano AbreuObras do Espaço Ruy Pereira começaram em novembro e tem previsão de conclusão em fevereiro, dentro do Plano de Mobilidade de Natal. A rua foi a segunda a ganhar uma coleção de grafitesObras do Espaço Ruy Pereira começaram em novembro e tem previsão de conclusão em fevereiro, dentro do Plano de Mobilidade de Natal. A rua foi a segunda a ganhar uma coleção de grafites
Obras do Espaço Ruy Pereira começaram em novembro e tem previsão de conclusão em fevereiro, dentro do Plano de Mobilidade de Natal. A rua foi a segunda a ganhar uma coleção de grafites

O objetivo da Prefeitura é fazer daquele trecho do Espaço Ruy Pereira a primeira via exclusivamente de pedestres da cidade. Mas para isso não basta apenas fechar a rua para carros – o que já vinha ocorrendo –, é preciso tornar o espaço adequado e atrativo para as pessoas. E o projeto elaborado pela Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana (STTU) em parceria com a Semsur e a Semurb prevê isso no projeto.

Segundo o engenheiro da STTU que acompanha as obras, Newton Filho, a via vai funcionar como um calçadão. “Não se está só trocando o pavimento, mas dando toda uma nova estrutura. Temos a parceria com a Caern, que está fazendo o trabalho de tratamento de drenagem e esgoto. A Cosern também é parceira e está cuidando da iluminação e ajeitando a fiação, que passará a ser subterrânea. Também vamos cobrir esse trecho da via com telha termo-acústica para que o local funcione bem como ponto de lazer”, explica o engenheiro. A obra está orçada em R$ 481 mil, com recursos da STTU.

A prefeitura estima entregar o Espaço Ruy Pereira completo às vésperas do Carnaval. “No início das obras tivemos um contratempo, mas já colocamos tudo no ritmo de novo”, informa Newton. “Todo o projeto está dentro do Plano de Mobilidade de Natal, que não trata a cidade apenas pela perspectiva dos carros. Também é preciso se fazer uma cidade para os pedestres, com vias de acesso adequadas”.

Proprietário do Bar do Zé Reeira (há 15 anos na rua prof. Zuza), José Flor Sobrinho acredita que com as obras da prefeitura, o lugar ficará melhor para quem trabalha lá e para os visitantes. Mas por enquanto cabe apenas esperar para que tudo ocorra dentro do prazo.

“Antes de fechar a rua o pessoal da prefeitura veio falar com a gente, mostrar o projeto. Vai ficar bonito”, diz Zé Reeira. Ele reconhece que depois dos grafites nas paredes da via, o movimento melhorou bastante. “Começou a aparecer até gente de fora, turistas. Agora é ter paciência até as obras serem concluídas”.

Programação pré carnaval
Para não parar, ele abriu seu bar na Rua Princesa Isabel, vizinho ao Correios, bem próximo ao antigo ponto. Seu irmão, que também tem um bar na rua Prof. Zuza, também se mudou provisoriamente para a Princesa Isabel. “Devagar a gente está recuperando os clientes. O Serenata ao Luar já encerrou duas edições aqui em frente ao bar. Teve uns meninos do IFRN (Instituto Federal de Educação)b que fizeram um som aqui dentro. E já temos programação de pré-carnaval garantida. Dia 18 já está confirmada a prévia do bloco Bode Expiatório. E a Banda Independente da Ribeira também já marcou pelo menos três ensaios aqui na frente”, informa o proprietário do bar.

Créditos: ReproduçãoProjeto elaborado pela prefeitura prevê via para pedestres e eventos culturais. O piso será trocado, a iluminação com fiação subterrânea e uma cobertura com telha termo-acústicaProjeto elaborado pela prefeitura prevê via para pedestres e eventos culturais. O piso será trocado, a iluminação com fiação subterrânea e uma cobertura com telha termo-acústica
Projeto elaborado pela prefeitura prevê via para pedestres e eventos culturais. O piso será trocado, a iluminação com fiação subterrânea e uma cobertura com telha termo-acústica

Rua João Pessoa e Beco da Lama
A prefeitura também já tem recursos para obras de requalificação no Beco da Lama e no Rua João Pessoa. Mas querem concluir primeiro o projeto do Espaço Ruy Pereira, até para poder avaliar o processo e adotar como modelo de ação.

“A ação no Espaço Ruy Pereira é pioneira. Estamos tratando como modelo para outros projetos na cidade. Começamos por aqui porque tem menos estabelecimentos. Por mais que os proprietários reconheçam que o projeto vai beneficiar o negócio deles, é preciso ter paciência com as obras”, comenta Newton Filho.

O engenheiro da STTU acredita que com a obras do Espaço Ruy Pereira e outras que estão previstas, é possível dar uma cara nova à Cidade Alta. “Depois do Espaço Ruy Pereira queremos ir para o Beco da Lama. Lá tem mais comércio, será mais delicado. O projeto está praticamente pronto. Depois vamos para a João Pessoa, um projeto bem maior”, informa Newton. “Com essas obras esperamos tornar a Cidade Alta mais atrativa para a população. É importante pensar ações para tirar as pessoas de casa, dos shoppings, e fazer com que voltem a andar pela cidade”.

Créditos: Adriano AbreuComerciante Zé Reeira está de endereço temporário e confirma prévias carnavalescas no localComerciante Zé Reeira está de endereço temporário e confirma prévias carnavalescas no local
Comerciante Zé Reeira está de endereço temporário e confirma prévias carnavalescas no local

Grafites do Ruy
No mês de julho, o Espaço Cultural Ruy Pereira já havia ganhado um banho de cores com o mutirão de grafite promovido pela prefeitura. Cerca de 30 artistas potiguares foram selecionados por edital (o primeiro do tipo elaborado pelo município), para pintar 120 metros de muro. Como artista convidado foi chamado o paulista Dicesarlove, que pintou um painel com a imagem do professor Ruy Pereira.

A ação veio na esteira do que foi feito no Beco da Lama, projeto piloto que caiu nas graças da população, atraindo novos visitantes, pequenos comércios e eventos culturais, tudo a partir da artes local.