Esporte como forma de integração de idosos à sociedade

Publicação: 2019-07-21 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Itamar Ciríaco
Editor de Esportes

Segundo o IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, a população de idosos cresceu 18% no País, em cinco anos – entre 2012 e 2017. No Rio Grande do Norte, 12,4% da população tem mais de 60 anos. Pensadores, ao longo de séculos, discutiram a velhice. Alguns, como Aristóteles, preferiram relega-la a um segundo plano. No entanto, Platão pensou conceitos que parecem estar mais próximos dos dias atuais e aos quais a sociedade deveria se apegar. Ele afirmava que a velhice faz surgir nos seres humanos um imenso sentimento de paz e de libertação. A esses sentimentos, para um envelhecimento saudável, precisa se juntar uma atividade física, que garanta qualidade a quantidade de vida que cada vez mais se prorroga no mundo e no Brasil.

Em um país onde a população de idosos cresce a cada ano, o esporte surge como uma das formas de integrar o idoso à sociedade e ajudar a todos para uma qualidade de vida melhor na terceira idade
Em um país onde a população de idosos cresce a cada ano, o esporte surge como uma das formas de integrar o idoso à sociedade e ajudar a todos para uma qualidade de vida melhor na terceira idade

Em Natal, o mês de julho é dedicado ao idoso. O “Julho Branco” leva aos cidadãos a mensagem do envelhecimento com qualidade de vida. Uma das opções escolhidas pelo poder público, foi a realização dos Jogos dos Idosos. Segundo a Prefeitura de Natal, que organizou o evento esportivo, os Jogos, disputados no Palácio dos Esportes dias 17 e 19 (quarta e sexta-feira) visaram valorizar a pessoa idosa, promovendo seu acesso à prática de atividades esportivas, recreativas, culturais e de lazer, na perspectiva da inclusão e da promoção do cuidado físico e psíquico dos 140 participantes.

Essa relação entre a questão psicológica e a física já foi comprovada cientificamente em vários estudos. Em uma busca rápida pela literatura é possível encontrar o autor Alves Júnior. Ela ressalta que: "a prática de uma atividade física realizada por idosos no meio associativo, traz em si uma forte contribuição da reinserção social". Participante dos Jogos dos Idosos, a atleta de dança Vera Lúcia Bezerra Barbosa, que completou 67 anos na terça-feira (16), é um exemplo fiel da teoria expressa na obra.  Ela conta que venceu uma depressão graças ao que aprendeu dançando. “Cheguei no Ivone Alves deprimida e saí lá daquele cofrezinho que eu estava quase morrendo e hoje estou feliz aqui. Estou boa”, comemorou.

Dona Vera faz parte de uma legião de idosos brasileiros que atingiu a marca de 30,2 milhões em 2017, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua – Características dos Moradores e Domicílios. Em 2012, a população com 60 anos ou mais era de 25,4 milhões. Os 4,8 milhões de novos idosos em cinco anos correspondem a um crescimento de 18% desse grupo etário, que tem se tornado cada vez mais representativo no Brasil. As mulheres são maioria expressiva nesse grupo, com 16,9 milhões (56% dos idosos), enquanto os homens idosos são 13,3 milhões (44% do grupo).

Dessa forma, sob o risco de termos uma população cada vez mais envelhecida, repleta de problemas de saúde oriundas de uma condição social desfavorável, somada a ausência de políticas públicas perenes voltadas para essa faixa etária, é necessário começar já com ações voltadas para esta área.

Anaxmandro Morais, professor de educação física há 20 anos, funcionário da Secretaria de Esportes e Lazer de Natal, elogiou a realização dos Jogos dos Idosos e disse que pode ser feito muito mais ainda por essa faixa etária que ainda é carente de ações específicas. “Ainda temos muito para fazer e eles precisam dessa atenção”, comentou.

Anax, como é conhecido entre os profissionais da área e alunos, no entanto, alerta que, como aconteceu nos Jogos, em atividades físicas, nas quais serão exigidos movimentos do corpo, é necessário o acompanhamento de profissionais. “Até mesmo uma caminhada que o idoso esteja querendo começar a fazer, é preciso buscar entes profissionais adequados para que esses possam prescrever a melhor forma de se exercitar. Isso não é porque estamos tratando de idosos. Esse recado vai para qualquer faixa etária”, explicou.

Jogos dos Idosos motivaram a participação da Terceira Idade em atividades esportivas em Natal
Jogos dos Idosos motivaram a participação da Terceira Idade em atividades esportivas em Natal

Segundo o professor, no caso dos idosos, muitas coisas podem ser feitas sem que o idoso precise frequentar uma academia. Ele fala de ações em casa, como pequenos deslocamentos, levantamento de objetos, entre outras atividades do dia a dia. “O importante é que eles estejam se movimentando. O movimento assegura um envelhecimento com qualidade de vida”, disse.

A nutricionista Mayara Silva, que trabalha do Lar do Ancião Evangélico - LAE e esteve acompanhando suas pacientes nos Jogos dos Idosos, afirma que, tirar os idosos do sedentarismo é um grande desafio. “Você não imagina o quanto foi difícil conseguir que elas estivessem dispostas. São anos sem fazer nenhuma atividade. Mas estamos conseguindo aos poucos, tanto que viemos”, comemora a profissional que diz ter conseguido quatro atletas entre os 35 que são acolhidos pelo LAE. “A gente fez de tudo para eles virem e graças a Deus eles quiseram”, completou.

Dança
Entre as muitas atividades físicas recomendadas para os idosos, a dança é uma das que atrai mais participantes. Movimentar o corpo junto com a música além de melhorar a condição física, atua na memória afetiva e proporciona uma sensação maior de bem estar entre os praticantes.

Edinalva Paulo, do Lar Solidário, coordena um grupo de dança que já se apresenta há anos e que competiu nos Jogos dos Idosos. Composto por senhoras com idade acima dos 67 anos, o grupo de show na apresentação do Carimbó, dança nativa do Pará. “O grupo é maior, mas para esses jogos trouxemos apenas seis componentes”, explica Edinalva.

A coordenadora vê o envelhecimento com naturalidade. Ela considera que o fato representa apenas uma passagem de uma idade para outra. “Elas precisam se mostrar vivas. Elas dançam um carimbó maravilhoso. Claro que todas não dançam igual, mas o objetivo é esse. Juntamos todo mundo e cada um faz o que pode, respeitando a individualidade”, explicou. “Elas mostram que é só ter uma oportunidade que elas dão seu show”, concluiu.

Outro grupo de dança com senhoras, participante dos Jogos era o Grupo do Ivone Alves. Animadas, elas passaram a coreografia antes de participar do evento. O orientador da dança, Kardec Vasconcelos, afirma que trabalhar com as idosas é muito recompensador. Para ele, todo o empenho e amor que ele utiliza em sua atividade recebe em triplo em forma de carinho. “Tudo que você faz bem feito tem que ter amor. E elas retornam tudo isso em triplo para a gente”, confirma.








continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários