Estado busca recursos para recuperar barragem Passagem das Traíras

Publicação: 2019-09-20 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
As obras de reestruturação da barragem Passagem das Traíras, localizada no município de São José do Seridó, vão demandar investimentos da ordem de R$ 29 milhões. O valor foi definido após estudos sobre a situação do reservatório, e os recursos federais para viabilizar os serviços estão sendo pleiteados junto ao Ministério do Desenvolvimento Regional. O titular da Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Semarh), João Maria Cavalcanti, adiantou que os serviços vão começar pela “abertura da ombreira direita da barragem para evitar acúmulo de água”.

Segundo o secretário estadual de Recursos Hídricos, João Maria Cavalcanti, projeto prevê a renovação completa da barragem
Segundo o secretário estadual de Recursos Hídricos, João Maria Cavalcanti, projeto prevê a renovação completa da barragem

O gestor informou que o valor do convênio ainda não foi oficializado. “O projeto prevê a renovação completa da barragem, incluindo serviços de desassoreamento e melhorias hidromecânicas. Como não houve manutenção ao longo de 50 anos, passamos direto para obras de manutenção e de seguranças das barragens”, explicou Cavalcanti.

O secretário adiantou que irá integrar uma comitiva potiguar que vai a Brasília na próxima terça-feira (24) tratar do assunto – sobretudo quanto à liberação dos recursos. A previsão é que a obra de reestruturação da barragem Passagem das Traíras, que tem capacidade para armazenar 48 milhões de metros cúbicos, sejam concluídas em 12 meses após o início dos trabalhos. “Já entramos com todas as informações necessárias para cadastrar a demanda no Siconv (sistema de convênios do governo Federal)”, disse João Maria, ressaltando que não está acertada contrapartida do Governo do RN: toda a verba virá do Ministério do Desenvolvimento Regional, através da Secretaria Nacional de Segurança Hídrica.

Quando a barragem Passagem das Traíras voltar a funcionar, o reservatório será interligado ao Projeto Seridó – iniciativa estadual que visa proporcionar segurança hídrica aos moradores da região do Seridó, a partir de redes compostas por adutoras e barragens. Municípios como  Jardim do Seridó, São José, Cruzeta e Caicó, entre outras cidades daquela região, serão beneficiadas pela água da barragem.

O levantamento feito sobre a situação da barragem em São José do Seridó listou uma série de recomendações técnicas. Segundo os estudos, concluídos em maio deste ano, os fatores de segurança do reservatório não são compatíveis com a atual legislação. O projeto básico de reestruturação considerou a realização de serviços de desassoreamento, melhorias hidromecânicas, envelopamento dos taludes e rebaixamento de um metros do vertedouro. Essas intervenções, ainda conforme o estudo, vão diminuir o peso e a pressão no reservatório sem fazer com que ele perca capacidade de acumulação.

O titular da Semarh explicou que não haverá prejuízos no abastecimento da população de Jardim do Seridó, “pois a Companhia de Águas e Esgotos do RN (Caern) vai abastecer a cidade de através da captação no açude de Boqueirão de Parelhas”, frisou.

Instabilidade na estrutura
De acordo com o secretário João Maria Cavalcanti, da Secretaria de Recursos Hídricos, os estudos sobre as condições da estrutura da barragem apontaram para “a instabilidade na estrutura” e para o risco de colapso (rompimento) caso acumule mais que 3 milhões de metros cúbicos de água, pouco mais de 6% da capacidade máxima de 48 milhões de m³. “A abertura de uma fenda na parede da barragem, que está praticamente seca, marcará o início dos trabalhos. Como não há segurança para armazenar praticamente nada de água, a primeira providência será abrir a ombreira direita da barragem e dar passagem ao Rio Seridó – que não é perene.”, observou o gestor.

O secretário Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos afirmou que boa parte das principais barragens do RN “estão com algum tipo de problema que indica a necessidade de intervenção na engenharia. Praticamente todas têm problemas particulares, do mais simples ao mais complexo, desde limpeza até drenagem para reparos, mas nenhum reservatório está com a estrutura comprometida como a encontrada em Passagem das Traíras”, avaliou. Para ele, a “recuperação de barragens é uma prioridade dessa gestão, estamos trabalhando com esforço pra atender as demandas da ANA (Agência Nacional de Águas) e se enquadrar no padrão da lei federal”.

Números
48 milhões de metros cúbicos de água é a capacidade de armazenamento da barragem.

50 anos, aproximadamente, foi o período em que a barragem não passou por manutenção.



continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários