Estados Unidos têm meta de vacinar adultos até julho

Publicação: 2021-02-28 00:00:00
O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, afirmou que sua administração está trabalhando junto às farmacêuticas Pfizer e Moderna para conseguir suprir logisticamente o objetivo de vacinar contra a covid-19 todos os adultos do país até o fim de julho. Em referência à possível aprovação do imunizante da Johnson & Johnson para uso emergencial nos EUA, o presidente afirmou que o país tem "sua terceira vacina segura". Ainda assim, "não é tempo para relaxar, precisamos seguir com medidas de distanciamento social", afirmou. Ele também citou a necessidade do uso de máscaras, que "não são um tema político".

Créditos: JONATHAN ERNST/ASSOCIATED PRESS/ESTADÃO CONTEÚDOJoe Biden destaca que a meta de imunização ‘une o país’Joe Biden destaca que a meta de imunização ‘une o país’

Em discurso em um centro da vacinação em Houston, no Texas, o presidente reforçou a liderança do país em termos absolutos de aplicação de vacinas, e citou por algumas vezes seu objetivo de imunizar 100 milhões de pessoas em seus 100 primeiros dias de mandato. Os feitos, segundo Biden, servem para mostrar a capacidade dos EUA, e para "unirem" o país.

Sobre a situação no Texas, duramente atingido por condições climáticas extremas nas últimas semanas, o presidente indicou que a administração federal providenciou geradores de energia e água potável para auxiliar regiões mais atingidas.

FDA
Na sexta-feira (26), a Johnson & Johnson's, que necessita de apenas uma dose, foi recomendada por um comitê consultivo da agência reguladora dos Estados Unidos (FDA, na sigla em inglês). O imunizante funcionou de maneira segura, de acordo com os especialistas, e teve aprovação pelo comitê, no último passo antes que a FDA autorize o uso, o que deve acontecer neste sábado.

O painel, composto por 22 especialistas de diversas áreas relacionadas ao tema, também votou favoravelmente à utilização das vacinas da Pfizer em parceria com a BioNTech e da Moderna, atualmente aplicadas nos EUA. O imunizante da Johnson & Johnson's mostrou 66% de eficácia na proteção contra condições moderadas a severas por conta da covid-19. A empresa afirmou estar pronta entregar 20 milhões de doses aos EUA antes do fim de março.

Força-tarefa 
O conselheiro sênior da Casa Branca para a resposta à pandemia, Andy Slavitt, pediu que o Congresso dos Estados Unidos aprove o pacote fiscal de US$ 1,9 trilhão proposto pelo presidente norte-americano, Joe Biden. "Essa legislação é crucial", declarou o assessor durante uma coletiva de imprensa da força-tarefa do governo contra a covid-19.

A proposta de Biden para fornecer mais estímulos à economia deve ser votada no plenário da Câmara dos Representantes na sexta-feira, de acordo com a presidente da Casa, Nancy Pelosi.

Na coletiva, Slavitt instou o Senado a também passar "rapidamente" o projeto, que prevê US$ 70 bilhões para a campanha de vacinação nacional e testes para o coronavírus. No início do mês, os democratas acionaram uma resolução orçamentária, chamada de "reconciliação", que permite a aprovação do pacote fiscal por maioria simples no Senado.

O partido do presidente tem 50 dos 100 assentos na Casa, mas conta com o voto de desempate da vice-presidente Kamala Harris, que acumula a função de presidente do Senado. Na coletiva, Slavitt também anunciou que o governo americano fará "parcerias" com o setor privado para que as empresas do país incentivem a vacinação contra a covid-19. De acordo com o conselheiro, as companhias reforçarão a exigência de distanciamento social e uso de máscaras no ambiente de trabalho, reduzirão as barreiras para que os funcionários possam se vacinar e farão campanhas educativas sobre a importância da imunização.













Leia também: