Estoques do RN devem ser normalizados até junho

Publicação: 2013-05-23 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
O atendimento aos produtores, explica João Lúcio,  superintendente da Conab no Rio Grande do Norte, será normalizado até junho com a previsão da continuidade das remessas de um leilão anterior, emergencial (5,5 mil toneladas) e de início da entrega do novo leilão (12 mil toneladas).

O leilão realizado ontem foi o terceiro com vistas a atender a demanda potiguar. Os dois certames anteriores previam a compra do milho a granel para entrega no Porto de Natal e doação ao estado para comercialização aos criadores. Os leilões, porém, foram considerados desertos - não houve empresas interessadas em operar com entrega por via portuária. Por esse motivo a entrega deverá ser feita pela modalidade rodoviária.

“A mudança para modalidade rodoviária foi bem sucedida, contudo, traz “perdas” para o Estado”, diz o presidente da Federação de Agricultura e Pecuária do RN (Faern), José Vieira. “Antes havia perspectiva de dois volumes, um de 18 mil toneladas e outro de 12 mil toneladas, que se restringiu ao último. É preciso aumentar o volume de embarques para o RN”, disse ainda, ressaltando que os armazéns continuam em dificuldade e os produtores não são atendidos com a cota cheia.

Com a estiagem prolongada - para atender a demanda que quase quadruplicou - foi preciso reduzir pela metade a quantidade de sacas a que cada produtor tem direito. A cota de compra caiu de 14 toneladas para até 6 toneladas por produtor. Uma portaria interministerial (número 220/12) baixou o preço por saca de 60kg, vendido a  R$ 18,12 reais para quem compra até 3 toneladas e de R$ 21,00, para até 6 toneladas.

A portaria vence em 31 de maio. Caso não seja novamente prorrogada, o milho comercializado após essa data poderá sofrer reajuste. “A previsão é que seja anunciada a prorrogação e continue nos mesmos patamares”, afirma.

Na primeira quinzena de maio, a Conab recebeu 3,2 mil toneladas do grão oriundo do Mato Grosso, que foi vendido a pequenos e médios produtores rurais nas seis  Unidades Armazenadoras (UA’s) localizadas em Assú, Caicó, Currais Novos, Mossoró e Natal - e nos polos de venda de João Câmara e Lajes. A maior venda no período foi registrada em Caicó, pouco mais de mil toneladas.

continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários