Estudo aponta RN líder em evasão

Publicação: 2012-05-19 00:00:00 | Comentários: 6
A+ A-
Roberto Lucena - repórter

O Rio Grande do Norte é o Estado com o maior índice de abandono escolar do país. Ano passado, 19,3% dos alunos matriculados no ensino médio, público e privado,  abandonaram a sala de aula antes de concluírem os estudos. Greves, falta de professores e conteúdo programático desinteressante para a classe estudantil são alguns dos fatores apontados por gestores e especialistas da área que podem explicar a posição no ranking. Além do abandono escolar, o RN é destaque no índice de reprovação. Nesse quesito, no mesmo período, o percentual foi de apenas 8% - o quinto menor do Brasil.

Os dados fazem parte do Censo Escolar 2011 que foi divulgado, essa semana, pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). O estudo é utilizado pelo Ministério da Educação (MEC) para formulação de políticas e programas. De acordo com a titular da secretaria de Estado da Educação e da Cultura (Seec), Betânia Ramalho, o resultado servirá como norteador de futuras ações. “Uma das nossas tarefas é ter controle e conhecimento da situação real do nosso ensino. O Censo revela muitos detalhes que vão nos auxiliar na administração. Temos que correr atrás do prejuízo”, colocou.

Em 2010, a taxa de abandono escolar no RN, do ensino médio, foi de 17,3%. Para a secretária, o aumento desse percentual, no ano passado, pode ser explicado por dois fatores: greve e currículo escolar. “Tivemos várias greves, uma em cima da outra, que trouxeram um prejuízo imensurável para a sociedade. O aluno simplesmente abandonou a escola porque não havia o que fazer nela. Além disso, é preciso analisar o currículo das escolas. Muitos alunos não se sentem atraídos pelo o que é oferecido e preferem seguir outros rumos”.

A coordenadora pedagógica e diretora do Instituto de Desenvolvimento da Educação (IDE), Cláudia Santa Rosa, afirmou que é preciso cautela ao analisar os números. “Ainda não estudei os números do Censo. É preciso um estudo mais aprofundado para saber quais os motivos para essa evasão tão grande”, disse. A professora disse ainda que a estrutura do ensino médio ofertada pelo Estado pode explicar, em partes, a evasão escolar. “Como se interessar por uma escola sem o quadro completo dos professores? O aluno fica em dúvidas se vale a pena estar dentro de sala”.

Com relação ao índice de reprovação, o RN é o quinto Estado com a melhor pontuação, 8%. O ranking é liderado pelo Amazonas (6%), seguido do Ceará (6,7%), Santa Catarina (7,5%) e Paraíba (7,7%). Para Cláudia, é preciso cruzar os dados para deslumbrar a realidade do quadro. “Muitos alunos abandonam a escola antes de serem reprovados. Estão num ano complicado, com notas baixas, sem aulas, então desistem de prosseguir antes mesmo da reprovação”. Segundo o Inep, a média de reprovação do país subiu nos últimos anos e hoje a taxa é de 13,1%.

Para alguns, a baixa reprovação pode ser sinal de que há uma avaliação mal feita pelos professores. Imagina-se que o docente aprova o aluno mesmo que não haja aprendizado de fato.  Betânia Ramalho discorda da ideia. “Estou sempre do lado dos professores. Eles são responsáveis e criteriosos. Acontece que os alunos que não desistem, que permanecem em sala de aula, têm um objetivo de vida e lutam para isso”. No entanto, a secretária reconhece que as avaliações nem sempre podem ser reconhecidas como parâmetro confiáveis. “O ensino não chega a níveis de excelência. Temos as avaliações para um diagnóstico. Não se pode supervalorizar os números”.

Na outra ponta do estudo, os Estados com os maiores percentuais de reprovação são: Rio Grande do Sul (20,7%), Rio de Janeiro (18,5%) e Distrito Federal (18,5%), Espírito Santo (18,4%) e Mato Grosso (18,2%). O Censo Escolar traz ainda a taxa de aprovação. Santa Catarina, com 84,5%, Amazonas com 83,6% e Ceará com 81,8% são os Estados mais bem posicionados. O Rio Grande do Norte, nesse quesito, tem taxa de 72,7%.

Seec aposta na volta dos alunos 

Em posse dos números do último Censo Escolar, a secretária Betânia Ramalho pretende implantar programas que revertam o quadro de abandono das salas de aulas pelos alunos. Nos próximos dias, a Seec deve lançar a segunda etapa do projeto “Conquista RN” realizado em parceria com a Fundação Roberto Marinho. “É uma tentativa de chamar aqueles alunos que não terminaram o ensino médio. Eles podem, em 18 meses, encerrar essa etapa do ensino”, explicou.

Para Cláudia Santa Rosa, a iniciativa é um paliativo que não resolve o problema por inteiro. Segundo a professora, há vários incentivos em todo país para que o aluno permaneça na escola, mas , mesmo assim, os números não são favoráveis. “A escola é pouco atrativa. É preciso alterar o projeto pedagógico para que o jovem tenha desejo de permanecer estudando. Só com qualidade é que mudaremos os índices. E isso deve ser feito pelo Poder Público. O desafio é da gestão pública. Todos nós pagamos pela educação e queremos que ela aconteça com qualidade”, pontuou.

A secretária de Educação criticou a posição dos professores com relação à greve e acredita que os números poderiam ser diferentes caso não houvesse tantas paralisações. “Enquanto houve um aumento na taxa de reprovação na maioria dos Estados, o RN conquistou um bom resultado, apesar da greve nefasta que enfrentamos no ano passado. Embora não tenha influenciado decisivamente o número de reprovações, é preciso ressaltar que a greve causou sérios efeitos na taxa de abandono escolar”. Até hoje, segundo Betânia, a Seec contabiliza os prejuízos causados pela última greve.

O projeto “Conquista RN”, segundo a secretária, já é realizado em algumas escolas, especialmente no período noturno. Nas aulas, são utilizados material didático diferente bem como o uso de técnicas audiovisuais de ensino. “Vamos inaugurar a segunda etapa do projeto em breve. No total, teremos 40 salas de aula com esse projeto”.

continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários

  • marcelomassud

    Estes especialistas e essa secretária facista assim como os governos ludibriam a opinião dos ignorantes com mentiras no fundo eles sabem que esses alunos são vítimas de um estado omisso de falta de política efetiva e principalmente de gente realmente comprometida e não mercenários como os que ai estão

  • darkinha_joana

    Acho difícil a secretaria esperar a volta destes alunos, porque com o descaso que está tendo para com o ensino médio é algo surpreendente e nunca visto na história da educação deste estado, aqui onde moro em triunfo potiguar a população está com as mãos na cabeça, não sabemos mais o que fazer com a falta de professores, pois uma escola com mais de quinhentos alunos tem apenas 5 professores para dar cobertura a todo este alunado .A situação é mesmo de calamidade, e ninguém resolve o problema as promessas são muitas desde o início do ano letivo e nada foi feito. Por favor

  • paulo.fla5

    A péssima qualidade no sistema de ensino público certamente é um dos fatores que podem "motivar" a evasão escolar.

  • lucccianojr

    História verídica: Professor(eu): "vocês já visitaram a sala de leitura da escola?" Nenhum aluno responde e um resolve se expressar: Aluno: "eu passo é bem longe" Realmente a culpa deve ser SÒ da greve, do currículo, etc. Afinal, é só ir em qualquer escola e perceber que os alunos (que normalmente comemoram quando o professor falta) estão ávidos pelo conhecimento... ha ha!

  • alvestiagodasilva

    é realmente pagamos muito caro pela educação mas na escola que eu estudo esc. est. varela barca os ventiladores quase todos quebrados faz um calor insuportavél a varias carteiras não prestam por favor secrétaria vamos fazer alguma coisa pelo amor de deus...

  • zuilmasimplicio

    A secretária Betânia Ramalho atribui à greve, ou seja, aos professores, o péssimo resultado na educação do RN em 2011. Em 2012, a categoria mostraou que é comprometida com a educação, pois, mesmo amargando perdas de anos anteriores, não pensa em paralisação este ano, justamante para não prejudicar os alunos, porque o Estado cumpriu com o mínimo que poderia: pagou o reajuste do pisa nacional.