Estudo detalha impacto econômico

Publicação: 2015-09-18 00:00:00
O relatório do estudo realizado pela Consultoria Oxford Economics, uma das maiores consultorias econômicas do mundo, mais de um terço do impacto econômico (42%) em Natal virá dos setores de transporte e armazenagem, 17%, virão do setor de atacado e varejo, e 11% dos setores de hotel e alimentação. O impacto de empregos será menos concentrado, sendo que 22% virão dos setores de transporte e armazenagem, 31% de atacado e varejo, e 17% de hotéis e alimentação.
Estudos foram apresentados à comitiva do RN, ao longo de duas horas, na sede da Latam em SP
O hub ainda poderá complementar e fortalecer as estratégias de desenvolvimento econômico. Para a capital potiguar, o estudo aponta que poderá ampliar o potencial de turismo de lazer e expandir o turismo de negócios, gerando também uma simbiose positiva entre ambos, com os visitantes corporativos aproveitando as opções locais de lazer. Na avaliação do governador Robinson Faria, que acompanhou a apresentação, o resultado é bastante positivo.

saiba mais

“O estudo econômico apresentado hoje(ontem) pela Latam mostra que Natal continua muito forte na disputa pelo hub. A presidente do grupo, Claudia Sender, foi muito clara em afirmar que aquele estudo não era um indicativo da escolha para nenhum dos estados, mas uma apresentação dos potenciais econômicos e do que o hub deve levar ao estado que for escolhido. O estudo mostrou que temos viabilidade e eu estou ainda mais otimista de que levaremos o hub” destacou o governador Robinson Faria.
Estudo

A análise traz uma visão consistente sobre a participação de cada cidade na iniciativa, com a compreensão do valor gerado para todo o Nordeste. “As avaliações do impacto econômico para a implementação do hub no Nordeste são bastante promissoras e reforçam nossa confiança no projeto”, afirma Claudia Sender,  Claudia Sender.

De acordo com o levantamento da Oxford Economics, o hub poderá trazer um crescimento adicional de U$ 374 milhões a U$ 520 milhões por ano ao PIB das três cidades participantes, considerando a média dos cinco primeiros anos de operação, equivalendo a uma alta anual de 5% a 7%.  Isso representa entre R$ 7,1 bilhões e R$ 9,9 bilhões de reais em um período de cinco anos (considerando a cotação de R$ 3,8/US$, para a data de 16 de setembro de 2015).

No mesmo período, o potencial para geração de empregos está estimado entre 34 a 42 mil postos de trabalho em toda a região Nordeste. Apenas durante o período de construção, a estimativa é que sejam gerados de 3 a 5 mil empregos.

Estado apresentou redução de ICMS
Sobre a composição de custos, possibilidade de isenções e incentivos, o secretário de Turismo do Estado, Ruy Gaspar, afirmou que todos as condições para redução de alíquotas e benefícios já foi apresentado à TAM, em reunião anteriores. “Não enxergo mais onde poderíamos mexer. Acredito que, como os outros estados, fizemos as propostas”, disse.

O Estado já havia apresentado proposta de redução progressiva da alíquota do ICMS atrelada ao crescimento da quantidade de vôos e a Prefeitura de São Gonçalo do Amarante proposta de redução do ISS para 2%. A redução do querosene da aviação de 17% para 12% para os voos domésticos e de até 9% para os internacionais.

Ruy Gaspar apontou ainda como diferencial o preço do querosene da aviação que, pela proximidade do Aeroporto Aluizio Alves com a refinaria Clara Camarão, poderá ser barateado. O custo responde por 40% na composição das planilhas das companhias. O secretário de turismo de Natal, Fred Queiroz,  lembra que a companhia irá negociar diretamente com o aeroporto os custos de operações e com o poder público, questões tributárias. “Os números são bastante positivos, mas nesta próxima fase, que é a de custos, possíveis redução de alíquotas e benefícios será um fator decisivo”, adiantou o secretário de turismo de Natal, Fred Queiroz.

Na reunião, foi apontado como ponto negativo do RN a demanda menor por passageiros, até por ter a menor economia entre os três concorrentes, o que significa capacidade de receita menor. O cronograma da TAM prevê o início das operações do hub para dezembro de 2017.

Raio-x do terminal
Veja abaixo os núermos do Aeroporto Aluízio Alves:

Aeroporto Internacional de Natal
Administração: Consórcio Inframerica
Área total atual: 13 milhões de metros quadrados

Movimentação
2,6 milhões de passageiros no primeiro ano de operação
10 mil toneladas transportadas no primeiro ano de operação
Terminal de cargas
4 mil metros quadrados de área construída
10 mil toneladas é a capacidade máxima de armazenamento interno
18 mil metros quadrados de área de estocagem externa

Estrutura
45 balcões de check-in; 10 balcões de autoatendimento; 850 vagas de estacionamento; 8 pontes de embarque; 10 posições remotas para embarque.
42 mil m² é a atual área do terminal de passageiros

Expansão
A área total do terreno no qual está instalado, porém, é de 15 milhões de metros quadrados, que corresponde a 2.100 campos de futebol. É o aeroporto com a maior área disponível para expansão entre os concorrentes ao HUB da Latam.