“Eu não entendo essa repercussão”

Publicação: 2011-05-19 00:00:00 | Comentários: 6
A+ A-
Isaac Lira
Repórter

A professora de Língua Portuguesa, Amanda Gurgel, teve ontem a sua rotina alterada. Nada muito brusco, mas pequenos detalhes denunciavam as mudanças. Na assembleia dos professores, ontem à tarde, costumeiramente frequentada por Amanda, vez ou outra alguém a abordava para dar parabéns. Da mesma forma, o telefone celular da professora tocou bem mais vezes do que toca normalmente. Do outro lado da linha, mais congratulações. O motivo para tanto reconhecimento é um vídeo publicado no You Tube e difundido via Twitter onde Amanda expõe a situação dos professores do Estado. O discurso foi proferido no último dia 10 de maio, em uma audiência pública realizada na Assembleia Legislativa. Lá, Amanda Gurgel falou sobre as dificuldades dos professores no dia a dia e sobre o tratamento secundário dado pelos governos ao longo dos últimos anos à Educação. Pela contundência, o vídeo resultante dessa fala foi tomando aos poucos as redes sociais da internet. Ontem, nove dias depois, o nome “Amanda Gurgel” chegou a ser o sétimo mais citado no Twitter em todo o Brasil. Gilberto Gil e Zélia Duncan citaram o vídeo em suas contas no microblog. Marcelo Tas, apresentador do programa CQC, também fez uma postagem no Twitter, além de publicar em seu blog a mesma gravação. Amanda vê a rápida difusão do vídeo com ressalvas. Durante a entrevista concedida à TRIBUNA DO NORTE, a professora fez reiterados pedidos para que o “discurso político” e “a situação dos professores” tivessem mais peso na publicação do que a sua própria imagem. “Queria focar no discurso político, porque eu não tenho o menor interesse de focar na minha imagem”, disse. Jogada repentinamente no turbilhão das redes sociais da internet, Amanda Gurgel ganhou até mesmo perfis falsos no Twitter e no Facebook. “Não participo dessas redes sociais. Tenho uma conta no Orkut, mas nem foto tem lá. Fico surpresa com toda essa repercussão porque o meu discurso não trazia nada de novo. Qualquer professor conhece aquelas situações descritas”, complementa. A preferência da professora pelo lado “político” do vídeo em destaque vem do seu envolvimento no movimento sindical e da filiação ao Partido Socialista dos Trabalhadores Unificados (PSTU). Ela participa ativamente do movimento grevista em curso por parte dos professores e defende a mobilização como forma de diminuir as dificuldades da categoria e dar mais qualidade à educação. “Nesse momento, é muito importante para a nossa categoria a manutenção desse movimento”, opina.

Conte o início da sua história como professora.

Olha, eu preferia começar falando sobre outro assunto. Porque o mais importante na minha fala, que foi transformada em vídeo, e nessa repercussão toda que está tendo, é que isso reflete uma situação existente há muito tempo na nossa categoria. Quem é professor há 20 ou 30 anos conhece o processo de degeneração pelo qual as escolas vêm passando. Isso é o principal e não a minha imagem ou até mesmo as minhas palavras, mas a situação. Nós temos diversas discussões em nível nacional. Existe, por exemplo, o Plano Nacional de Educação, que está sendo discutido e são essas as questões principais. Eu não quero que as pessoas me vejam como aquela professora que falou e ficou famosa. Eu sou realmente uma professora que pega três ônibus todos os dias para ir ao trabalho e não acho isso bonito. Eu não acho isso interessante. Eu acho que essa é uma situação de opressão.

Depois da repercussão do vídeo, você aderiu ao twitter?

Não. Eu não participo de nenhuma rede social. Mas fiquei sabendo hoje que há uma conta com meu nome. Minha irmã viu e me avisou. Mas a conta não é minha. É um fake que está tanto no Twitter quanto no Facebook. Eu na verdade estou chocada com essa expansão tão rápida, que pode servir tanto para o bem quanto para o mal.

Como é o seu cotidiano como professora?

Eu trabalho em duas escolas. Se tivesse noção da repercussão que aquilo teria, eu teria falado sobre a saúde do trabalhador porque eu sou inclusive vítima disso. Eu adoeci e precisei mudar de função. Hoje estou afastada da sala de aula e desenvolvo atividades pedagógicas na biblioteca e no laboratório de informática. Eu adoeci em decorrência da minha atividade em sala de aula. O que eu tentei foi falar sobre a condição de todos os trabalhadores. Daquele professor que tem o carro, mas não pode usá-lo todo dia porque não tem dinheiro para a gasolina. Porque a realidade dos trabalhadores é essa. Eu por exemplo moro em Nova Parnamirim e trabalho em Nova Natal e preciso acordar às 05h para chegar no horário. A minha realidade é mais suave, porque eu não tenho filho e não preciso dividir o meu salário. Na verdade, eu fico olhando para os meus colegas, da Escola Municipal Prof. Amadeu Araújo e da Escola Estadual Miriam Coeli, e pensando o quanto eles são corajosos. Isso porque são muitas as frustrações pelas quais nós passamos, desde quando escolhemos o curso de graduação, com todas as ilusões dos bancos de universidade, até chegar à realidade.

Você é professora de que disciplina e há quanto tempo?

Sou professora desde 2002. Entrei a Universidade em 2001 e no ano seguinte comecei a lecionar no Cursinho do DCE. A minha experiência exitosa na educação começou e se encerrou ali. Foi a experiência positiva que marcou. Sou professora de língua portuguesa, o que traz uma frustração maior ainda. Terminei um curso de licenciatura preparada para fazer com que os alunos produzam resenhas, crônicas, etc. Mas me deparei com uma sala de aula onde o aluno não é capaz de ler uma palavra simples como “bola”. Isso é desolador. A forma que eu encontrei de canalizar essa frustração é lutando pela categoria.

Por que você se interessou pelo magistério?

Eu tive uma professora, chamada Claudina, de Espanhol, que era uma fonte de admiração. Eu queria ser como ela. Eu sempre acreditei na educação. Não era a melhor aluna da classe, mas era aplicada. Então, eu quis ser professora por acreditar que nessa profissão seria possível mudar vidas.

Voltando ao vídeo, você preparou o discurso com antecedência?

Não. Eu prestei atenção nas falas anteriores e cada absurdo que era falado eu procurava um contraponto. No final, saiu aquilo ali. E não há nada naquelas palavras que não se diga todos os dias nas escolas, que os meus colegas não estejam cansados de saber. A realidade é a mesma há muito tempo. Eu não entendo toda essa repercussão. Talvez o grande lance do vídeo é ter sido gravado ali, na Assembleia Legislativa e na presença da secretária estadual de Educação. Algumas pessoas teriam medo, mas eu nem pensei nisso. Eu não tenho motivo para ter medo de Betânia Ramalho  e nem de deputado nenhum, porque eles não me deram emprego e não dependo deles para nada. São eles quem dependem da população.

Incomoda a repercussão que o vídeo teve?

Não chega a incomodar. Mas queria focar no discurso político, porque eu não tenho o menor interesse de focar na minha imagem. É uma surpresa para mim, já que essa é a nossa realidade e não é nada novo.

Você prefere não ser vista como um símbolo dessa luta por melhoria?

Nem símbolo de uma luta. Eu sou apenas mais uma peça. Assim como eu, há outros, milhares de trabalhadores. Eu não sou símbolo de nada e nem pretendo ser.

Você viu quem citou o seu vídeo na internet nos últimos dias?

Fico sabendo quando alguém me liga e fala. Soube que o Gilberto Gil e a Zélia Duncan citaram.

O Marcelo Tas postou o vídeo no blog dele também...

É. Isso entre as celebridades. Contudo, o importante é porque muitas pessoas vão poder ver e não o fato de serem celebridades em si.

continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários

  • silviamota21

    Minha querida, sou professora que está em greve no estado do Pará , sabemos que não é fácil viver com essas condições absurdas nesta atual conjuntura. Os políticos não estão nem um pouco preocupados com a nossa situação.Eu queria que a comunidade fosse para as ruas e chamasse a atenção de todos. No momento eu estou buscando meios com outro mercado para ter mais renda.Infelizmente, não vivo mais de ilusões e demagogias desses canalhas políticos. BEIJOS

  • eliezias

    Eu acho que em sessenta anos de vida nunca vi nada igual. A Professora Amanda Gurgel o que ela tem de pequena, tem de corajosa, ela colocou literalmente o dedo na ferida, ela tem que ser a Presidente do Brasil. Pois todo País que quer se transformar em uma grande nação tem que investir em Educação. O País hoje vive uma crise de falta de mão de obra qualificada, justamente por falta de investimento na Educação. Parabéns! Já dizia o poeta é ?força da mulher?. Eliezias

  • eliezias

    Eu acho que em sessenta anos de vida nunca vi nada igual. A Professora Amanda Gurgel tem que ser a Presidente do Brasil. Pois todo País que quer se transformar em uma grande nação tem que investir em Educação. Parabéns! Já dizia o poeta é ?força da mulher?. Eliezias

  • frank_oddermayer

    O pior inimigo do povo brasileiro é a demagogia, como é o caso da disseminação nas escolas e faculdades do preconceito ideológico que impede a implantação do Ensino Universitário Público Pago. A gratuidade indiscriminada favorece os que podem pagar, que utilizam boas escolas de base para que seus filhos estudem de graça nas universidades públicas, onde os professores ganham várias vezes mais que os do ensino fundamental e médio. Os pobres estudam em escolas de base públicas, em boa parte ruins, e trabalham para pagar o ensino superior em faculdade particular de segunda linha, limitando-os no mercado competitivo. Quem pode, que pague e contribua para que outro estude; quem não pode, que receba bolsa reembolsável e pague quando puder. Nos países que adotaram este modelo, as desigualdades sociais diminuiram muito, pelo simples fato de que os recursos para investimentos para a multiplicação das vagas é muito maior. Nos EUA, todo ano formam-se 18 milhões de alunos de curso superior, contra pouco mais de 1,5 milhão de alunos no Brasil. Isso porque temos de contar com as faculdades privadas que geram mais vagas que o Estado. Só que elas se proliferaram às custas de quem sofre muito para pagar. Até a China já adotou o modelo anglo-americano, em 1998. Há também os exemplos de Japão e Coréia do Sul. Porém, enquanto no Brasil tivermos ensino universitário público com a gratuidade indiscriminada, com várias universidades públicas inúteis e com despesas extraordinárias; corporativismo doentio; com baixos salários no ensino de base, sem valorizar o mérito de alunos e professores, seremos eternamente um País do Futuro.

  • lu72meza

    Ora, ora ela não entende! Mas com certeza estará nas próximas eleições usurfruindo de sua fama e saindo como candidata, certo? É isso, os holofotes se voltaram para essa professora, que sabe levantar o dedo em riste e falar em nome de nós, professores. Saiu no Faustão, na Globo, nos jornais... Ficou notória e agora resolverá em breve, nas próximas eleições, seu problemas financeiros. Será mais uma nova política a usurfruir das mamatas e dos palanques eleitoreiros... Terá cargos e sairá falando em nome dos professores enquanto sua \'burra\' enche de dinheiro... É exatamente assim que se faz política no Brasil, tem que assumir cargos, ir para partidos, ceder aos déspotas que massacram os trabalhadores, a educação, a saúde... Se não tem interesses em crescer pessoalmente, então não sai como candidata, porque do contrário será mais uma...

  • teresaxy

    Parabens professora pelo discurso.Quando vi na internet já previa que iria dar em política e provável candidatura. Brasil!!!!