Europa tem quase metade dos 4 milhões de novos casos do mundo, mas vê esperança

Publicação: 2020-11-19 16:17:00
A Europa respondeu por quase metade dos 4 milhões de novos casos de coronavírus no mundo na semana passada, mas registrou uma queda de quase 10% nas infecções em comparação com a semana anterior, graças em parte às rígidas medidas de bloqueio do governo que geraram descontentamento, o Organização Mundial da Saúde informou na quarta-feira, 18.

Na capital alemã, Berlim, confrontos violentos entre os que protestavam contra as restrições ao coronavírus e a polícia eclodiram na quarta-feira, 18, perto do centro da cidade, depois que os manifestantes desconsideraram o conselho da polícia de usar máscaras e se distanciar socialmente.

A última contagem semanal da agência de saúde da ONU revelou que sua os 54 países do continente continuaram a relatar a maioria dos novos casos de qualquer região do mundo, 46%, mas seu declínio nos casos seguiu "o fortalecimento da saúde pública e medidas sociais".

Mas com a queda de novos casos, a contagem de mortes causadas pelo vírus ainda aumentou substancialmente na Europa na última semana, para mais de 29 mil novas mortes, disse a OMS.

A filial da organização nas Américas viu um aumento de 41% em novos casos, sugerindo que um número maior de mortes semanais poderia ocorrer em breve. O Sudeste Asiático foi a única região que registrou queda nos casos e mortes.

Na Europa, a OMS disse que o aumento mais acentuado nos casos de coronavírus foi na Áustria, que viu um aumento de 30% em novos casos em comparação com a semana anterior. A OMS também observou que o Reino Unido foi o primeiro país da região a registrar mais de 50 mil mortes.

Europa Ocidental vem registrando sinais de melhora


Na quarta-feira, a Bélgica disse que deu um grande passo para conter o ressurgimento do coronavírus, relatando uma queda na contagem diária de mortes pela primeira vez desde a última onda da covid-19 no outono.

O virologista Steven Van Gucht, do grupo de saúde Sciensano do governo, disse que a média diária de mortes por vírus na Bélgica agora é de 185, uma redução de 5% em comparação com a média da semana anterior. Na última semana, a média diária de internações hospitalares caiu 24% e as novas infecções caíram 39%.

Funcionários na Holanda, ao norte, estavam diminuindo as restrições ao coronavírus em meio à queda nas taxas de infecção e estavam prontos para reabrir locais como cinemas, museus, bibliotecas, zoológicos e piscinas - ainda com limitações de quantas pessoas podem visitar - depois de um encerramento da semana.

O primeiro-ministro holandês, Mark Rutte, saudou uma tendência "positiva" de queda, mas disse que a contagem de casos ainda era muito alta. Ele alertou o país para permanecer em um bloqueio parcial. Em meados de outubro, as taxas de infecção holandesas estavam entre as piores da Europa.

A Suíça, que registrou uma das taxas de transmissão mais altas do mundo nas últimas semanas, na quarta-feira aumentou o apoio do governo para ajudar as pessoas afetadas pelo vírus e por medidas de bloqueio - incluindo um extra de 1 bilhão de francos suíços em ajuda estatal - mesmo como caso as contagens diminuíram a partir dos picos recentes.

O país alpino contabilizou mais de 6 mil novos casos no último dia, ante um pico de mais de 10 mil casos diários em outubro. O ministro de Assuntos Econômicos, Guy Parmelin, citou um "horizonte mais otimista" na Suíça na quarta-feira.

Autoridades regionais em Genebra observaram uma estabilização nos testes covid-19 positivos nos últimos dias e na quarta-feira abrandaram algumas restrições a cabeleireiros, estúdios de tatuagem, terapeutas, personal trainers, entre outros.

Enquanto isso, algumas pessoas na Alemanha estavam ficando cada vez mais inquietas com a perspectiva de aumento das medidas de bloqueio.

Em Berlim, a polícia disparou canhões de água na quarta-feira contra os manifestantes e levou alguns dos que protestavam contra as restrições ao coronavírus perto do famoso Portão de Brandemburgo e da sede do governo federal.

A confusão irrompeu depois que as multidões ignoraram os pedidos para usar máscaras e manter distância umas das outras de acordo com as regras da pandemia, enquanto legisladores alemães debatiam um projeto de lei que poderia fornecer a base legal para o governo emitir regras de distanciamento social, exigir máscaras em público e fechar lojas e outros locais para retardar a propagação do vírus.

A maioria das pessoas na Alemanha apoia essas regras, mas uma minoria vocal faz manifestações regulares argumentando que as restrições violam a constituição.

"Queremos nossas vidas de volta", dizia uma placa carregada por manifestantes em Berlim.

A Alemanha foi elogiada por ter lidado com a primeira onda do vírus, mas, como em muitas partes da Europa, viu um aumento acentuado de novas infecções nas últimas semanas. No geral, o país viu 833 mil casos de coronavírus e mais de 13 mil mortes confirmadas, um quarto do total de óbitos da Grã-Bretanha.

A Europa viu mais de 338 mil mortes pela covid-19 confirmadas na pandemia, de acordo com uma contagem da Universidade Johns Hopkins.


Estadão Conteúdo