Evento celebra 70 anos da “Conferência do Potengi”

Publicação: 2013-01-25 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Gabriela Freire - repórter

A próxima segunda-feira, 28, é o aniversário de 70 anos do encontro histórico entre os presidentes brasileiro e americano Getúlio Vargas e Franklin Delano Roosevelt ocorrido em Natal em 28 de janeiro de 1943. O encontro, perpetuado por anos na memória de muitas pessoas graças a fotografia que registra um momento de descontração entre os dois presidentes, provavelmente foi o mais relevante na política externa nacional do século XX.

Para lembrar o fato, a  Fundação Rampa (Frampa), com apoio da Secretaria de Estado do Turismo (Setur), realiza amanhã, 26, às 10h, a quinta edição do comboio histórico “Conferência do Potengi”, no sítio histórico da Rampa, em Santos Reis. O evento encena o encontro que culminou na criação e o envio da Força Expedicionária Brasileira (FEB) para os campos de batalha na Itália.

O diretor de Pesquisa e Ensino da Fundação Rampa, Fred Nicolau, diz que o objetivo central é educar novas gerações, apresenta-lhes o legado deixado pelos mais antigos. “O importante é mostrar para as novas gerações o que aconteceu de importante aqui na cidade. Com isso, aprende-se um pouco da história”, afirma. Os participantes se travestem como os personagens presentes no registro fotográfico feito pela Agência Brasil  e, no Jipe conduzido por um civil vestido como motorista das forças armadas, circulam pelas principais ruas do Centro Histórico de Natal até a Base Aérea, em Parnamirim. Um carro de som contando um pouco da história acompanha o carro principal. A partida do comboio, que sempre reúne alguns carros da época e outros antigos de outras épocas, está prevista para 10h, da Rampa, o conjunto de edificações construídos entre as décadas de 1930 e 1940, em Santos Reis. Mas a concentração acontece bem antes, já a partir das 9h. O trajeto passa pelo 17º Grupamento de Artilharia de Campanha (GAC), ao lado do Iate Clube, passando por Santos Reis, Ribeira, avenidas do Centro (Junqueira Ayres, Deodoro da Fonseca, Potengi, Hermes da Fonseca e Salgado Filho), tomando a BR 101, rumo à Base de Natal. Por fim, o grupo retorna ao prédio da Rampa, por volta das 11h30. Além do resgate histórico, os idealizadores pretendem arrecadar alimentos não perecíveis para serem doados ao Instituto Juvino Barreto.

“Conferência do Potengi”

A princípio o encontro dos dois presidentes não teria este nome, contudo, diante da 2ª Guerra Mundial, a importância estratégica do Brasil - em especial de Natal - e a existência de bases americanas no País - desde dezembro de 1941 -, ambos os países decidiram dar mais importância ao que foi debatido em 1943.

Getúlio desembarcou em Natal, no dia 28 de janeiro de 1943, à 1h da madrugada e Roosevelt, no início da manhã, às 7h30, em aviões no rio Potengi, e ficaram hospedados em navios, também, atracados no rio. Roosevelt voltava de Casablanca (África), onde tinha se encontrado com o primeiro ministro britânico Wiston Churchil, enquanto o brasileiro vinha do Rio de Janeiro, orientado pelo ministro de relações exteriores, Oswaldo Aranha, a oferecer o envio de tropas para o conflito armado, como prova de maior envolvimento do País, alem de já possuir base americanas.

No fim da manhã do dia 28, Vargas e Roosevelt almoçaram juntos, acompanhados das mais diversas autoridades, entre elas o brigadeiro Eduardo Gomes, almirante Ary Parreira e o comandante da esquadra norte-americana do Atlântico Sul, almirante Jonas H. Ingram, além de diplomatas americanos e do interventor Federal no Rio Grande do Norte, Rafael Fernandes. Depois, seguiram de barco pelo rio até as instalações da Rampa, cenário da fotografia imortalizada, com os dois sobre o “Jeep 7” e os arcos da Rampa ao fundo, dando início a inspeção de todas as instalações militares americanas existentes na cidade, como a base de hidroaviões da Marinha dos Estados Unidos, hoje 17º Grupamento de Artilharia e Campanha (17º GAC) e Parnamirim Field, atualmente Base Aérea de Natal (Bant).

Programação inclui entrega da maquete do Museu da Rampa

Às 9h, a Banda da Música da Base Aérea de Natal abre o evento com uma apresentação musical. Em seguida, a Secretaria de Turismo entrega a maquete do projeto do Museu da Rampa, cujo edital de licitação para execução das obras de construção foi publicado na edição do Diário Oficial de ontem. A obra está orçada em R$ 8 milhões, sendo R$ 7,3 milhões provenientes do Ministério do Turismo

Além da participação da sociedade, outra novidade na quinta edição do comboio histórico é a exposição realizada pelo Grupo de Pesquisa e Plastimodelismo de Natal JG400. O evento terá todas as categorias convencionais, acrescido da temática em torno das aeronaves que passaram por Natal na época da Segunda Guerra Mundial, especialidade do grupo. As miniaturas ficarão expostas durante toda a manhã, na Rampa.

O modelismo é a arte e o entretenimento de montar réplicas, em escala, de objetos reais tais como carros, aviões, edifícios. Plastimodelismo é um área especializada do modelismo, que utiliza como material básico, plásticos, para criar réplicas de objetos. É uma das formas de explorar esse estudo e expor ao público em geral os resultados alcançados. O trabalho final resulta em réplicas idênticas dos objetos montados, em sua maioria em material plásticos em variadas escalas.

Livro traz detalhes do famoso encontro

O encontro eternizado em registro fotográfico feito pela Agência Brasil ganhou um aliado de peso para a manutenção da memória do período que mudou a história de Natal. Em 2012, o escritor e jornalista Roberto Muylaert lançou o livro ‘1943’ (Editora Bussola), que  detalha o famoso encontro entre os dois presidentes dos maiores países das Américas que selou a participação direta do Brasil na guerra na Europa. O livro tem um grande número de boas fotografias e trata, além do encontro, de aspectos familiares dos Vargas, como o casamento de Lutero, filho de Getúlio, com uma linda moça alemã, mostra belas recepções aonde a elite brasileira recepcionou Roosevelt, a elegância dos Vargas, o Brasil em grande estilo. O autor teve auxílio da Fundação Rampa que recebeu o escritor em Natal e compartilhou alguns documentos, principalmente fotografias. O livro ganhou repercussão nacional despertando interesse da grande mídia no evento local deste ano. Como sempre a Segunda Guerra é fonte inesgotável de novas interpretações e angulações.

continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários