Ex-doleira diz não guardar rancor

Publicação: 2018-12-06 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
São Paulo (AE) - Dois anos depois de deixar a prisão em Curitiba, Nelma Kodama diz achar "injusto" o leilão de 38 unidades de sua propriedade em um hotel em São Paulo, mas não guarda ressentimentos da Lava Jato. Uma das primeiras presas na operação, a ex-doleira deseja ainda "boa sorte" ao ex-juiz federal Sérgio Moro, que a condenou a 18 anos de prisão, no Ministério da Justiça e traz ainda sugestões de nomes para ele compor sua equipe na Esplanada. Delegado Márcio Anselmo, responsável pela sua prisão, é um deles. "Desejo a ele boa sorte, que consiga, de fato, prender os corruptos que saquearam os cofres públicos", afirmou, lembrando que política é "muito complicado" e diferente da magistratura.

A ex-doleira classifica como "extremamente competentes" nomes já anunciados na equipe do futuro ministro e, de quebra, apresenta suas sugestões.

"Acho que ele (Moro) deveria convocar o Márcio Anselmo, que tem uma expertise muito grande, principalmente em crime financeiro e é uma pessoa que admiro muito. Fica a sugestão." Anselmo foi delegado da PF responsável por iniciar as investigações da Lava Jato e pela prisão de Nelma. Outra "sugestão" é Newton Ishii, o "japonês da Federal", que aposentou neste ano. "Ele é magnífico"

Conhecida pelo episódio em que cantou "Amada amante" na CPI da Petrobras, Nelma ficou presa de março de 2014 a junho de 2016, quando fechou acordo de delação premiada com os procuradores da Lava Jato. Hoje cumpre o resto de sua pena por lavagem de dinheiro, organização criminosa, evasão de divisas e corrupção ativa, em regime semiaberto diferenciado, em que usa tornozeleira eletrônica.

Na próxima segunda-feira, a Justiça vai leiloar 38 unidades que pertencem à delatora, em um prédio onde funciona um hotel, em Jaguaré, na Zona Sul de São Paulo. O valor de cada quarto é de R$ 152 mil.



continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários