Expomus e Ibram estão em seminário sobre memória

Publicação: 2018-05-18 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
O lançamento oficial do Mmac será feito por meio do I Seminário Museu, Cidade e Memória Afetiva, que ocorrerá dias 22 e 23 de maio, na Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Pretos, na Cidade Alta, com entrada gratuita. O evento tem o objetivo de discutir o espaço urbanístico da cidade para que a população se conscientize sobre os processos de urbanização, de modo a se apropriar e cuidar dos espaços.

Participam como palestrantes do Semiário nomes de referência nacional, como o presidente do Instituto Brasileiro de Museus (IBRAM), Marcelo Mattos Araújo, e Maria Ignez Mantovani, fundadora da Expomus, empresa brasileira especialista na área de museus. Os dois falarão na palestra de abertura.

Também estarão presentes José Bueno e Luiz de Campos Júnior, criadores do Rios e Ruas, projeto baseado em São Paulo, que existe desde 2010, e cujo objetivo é “redescobrir as principais bacias hidrográficas da cidade para disseminar a conscientização sobre a importância de preservá-las e até recuperá-las”. No dia 23, eles participarão de um percurso de redescobrimento dos rios de Natal.

Iniciativas locais também estarão representadas, como o “Caminhadas Históricas do Sebrae”, “Ribeira Desenhada” e “Urban Sketchers Natal”, além da participam de nomes como Henrique Fontes (Casa da Ribeira), Felipe Campos (Som Sem Plugs), Thiago Medeiros (Memórias do Alecrim), Miguel Carcará (Nossos Valores).

Segundo Maurício Panella, a escolha pela Igreja do Rosário como local para o Seminário se deve não apenas pela sua importância histórica e localização na Cidade Alta, mas também pelo posicionamento, próximo ao Rio Potengi, elemento da cidade que será abordado no evento.

“Dentro do Centro Histórico, a Igreja está muito bem posicionada. Tem vista para o Rio Potengi. É a segunda igreja mais antiga de Natal. Foi construída por escravos. A cultura negra a gente vê que tem uma preocupação com o passado. Algo que estamos debatendo no Seminário”, justifica o antropólogo.


continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários