Fórum Direito à Cidade debate a política urbana

Publicação: 2018-07-31 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
O direito a moradias dignas, bem como o processo de construção e manutenção das cidades pautaram o  “Fórum Direito à Cidade discute caminhos para construção de territórios inclusivos”, que ocorre na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e na comunidade de Mãe Luiza (Arena do Morro). O evento começou nesta segunda-feira (30) e termina na noite desta terça-feira (31). Principal palestrante do dia, a professora Ermínia Maricato avalia que não faltam planos, nem leis ou conhecimento técnico para promover melhorias nas cidades.

Debate foca o espaço público e violência; projetos estruturantes e exclusão socioespacial; mobilidade urbana e conflitos socioambientais
Debate foca o espaço público e violência; projetos estruturantes e exclusão socioespacial; mobilidade urbana e conflitos socioambientais

“Se dependesse das leis, como o Estatuto da Cidade, o Brasil teria cidades melhores para as pessoas. Mas os urbanistas fazem planos que não são cumpridos”. O diagnóstico é da professora aposentada da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU-USP) Ermínia Maricato. Uma das principais urbanistas do país, Ermínia foi secretária-executiva do Ministério das Cidades, entre 2002 e 2005, e secretária de Habitação e Desenvolvimento Urbano do município de São Paulo, entre 1989 e 2002.

Na avaliação de  Maricato, as moradias não são providas nem de estado e nem de mercado. Ela explicou o processo de décadas passadas em que a população migrou para as cidades, se tornaram a força de trabalho para indústria, mas que era uma mão de obra barata. “Tão barata que a classe trabalhadora se virava para encontrar moradia. A urbanização ocorreu de modo que esses trabalhadores construíram casas em terras ilegalmente, assim como a elite”, apontou a docente.

Ermínia Maricato:‘Urbanistas fazem planos que não são cumpridos’
Ermínia Maricato:‘Urbanistas fazem planos que não são cumpridos’

Dentro da programação, discussões pautadas no monitoramento da política urbana e territorial e no controle social, com destaque para as questões relacionadas ao espaço público e violência; projetos estruturantes e exclusão socioespacial; mobilidade urbana com ênfase nos modais ativos, áreas especiais protegidas e conflitos socioambientais.

A atividade é organizada pelo projeto de extensão “Fórum Direito à Cidade”, sob a coordenação dos Departamentos de Arquitetura e Gestão de Políticas Públicas da UFRN, com a participação de professores e alunos das áreas envolvidas. O evento integra a programação da semana de planejamento do curso de Arquitetura e Urbanismo da UFRN e é resultado de uma parceria do Fórum com a Arquidiocese de Natal.

A professora do setor de Arquitetura e Urbanismo, disse que o fórum nasceu em 2017, quando um grupo de professores do departamento de arquitetura e de políticas públicas se juntou para fazer o acompanhamento da revisão do plano diretor, que deveria ter sido revisado no ano passado. “Tivemos a ideia do fórum para debater não só na academia, mas com a sociedade civil e prefeitura”, disse a pesquisadora.

Programação:
31/07 - Tarde;

14 às 17h30 – discussões dos grupos temáticos;

Local: sala de aula do setor IV (Bloco H), da UFRN;

18H30 às 21H;

Mesa de encerramento com a professora Erminia Maricato e convidados.


continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários