Fachin tira sigilo e libera áudio de diálogo no Jaburu

Publicação: 2017-05-19 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Brasília (AE) - O Supremo Tribunal Federal divulgou o áudio da conversa entre o presidente Michel Temer e o empresário Joesley Batista, da JBS, que embasa o acordo de delação premiada fechado pelo executivo com a Procuradoria-Geral da República na Lava Jato. Na conversa, Batista indica iniciativas tomadas para contornar investigações contra ele.

Entre elas, diz que está "de bem" com o ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ). "Tem que manter isso, viu?", responde o presidente da República.

Antes de citar que está em bom relacionamento com o deputado cassado, Joesley Batista relata já ter sido cobrado pelo ex-parlamentar. "Dentro do possível, eu o máximo que deu ali, zerei tudo, o que tinha de alguma pendência daqui para ali, zerou tudo. E ele foi firme em cima. Ele já estava...Veio, cobrou, tal, tal, tal. E eu pronto, acelerei o passo e tirei da frente", disse o empresário.

Ele diz que "volta e meia" algo das investigações envolvendo Cunha chegavam perto da JBS e fala: "Eu tô de bem com o Eduardo" Depois de ouvir de Temer a indicação para "manter" a iniciativa, Joesley Batista fala "todo mês".

Parte da conversa nesse trecho é inaudível e não é possível concluir que houve o aval do presidente para comprar o silêncio do deputado cassado. Não houve uma transcrição oficial do diálogo pelo STF.

Em outro trecho, o empresário revelou ao presidente que estava "comprando" um procurador por R$ 50 mil mensais. Em troca, o procurador infiltrado teria passado informações sigilosas sobre investigação da qual Joesley é alvo.

O procurador da República Ângelo Goulart Villela foi preso ontem sob suspeita de vazar investigações para a JBS. Villela era membro da força-tarefa da Operação Greenfield, que investiga rombo bilionário nos maiores fundos de pensão do País. Durante a conversa, o empresário disse a Temer "estar enrolado". "No processo assim, é investigado, eu não tenho ainda a denúncia Aqui eu dei conta de um lado o juiz, dei uma segurada, de outro lado o juiz substituto". "Tá segurando os dois?", perguntou Temer.

continuar lendo



Deixe seu comentário!

Comentários