Cookie Consent
Natal
Falta de pessoal fecha sete serviços na rede estadual de saúde
Publicado: 00:00:00 - 30/11/2017 Atualizado: 22:20:56 - 29/11/2017
Mariana Ceci
Repórter

Há quase seis meses em estado de calamidade pública, a saúde estadual ainda não conseguiu se reequilibrar. O tripé formado por recursos humanos, medicamentos e equipamentos, bases para o funcionamento do sistema de saúde pública, possui déficits alarmantes em diversos hospitais estaduais. No total, sete serviços, de leitos de internação à UTIs, já foram fechados ao longo do ano por falta de recursos humanos.

Magnus Nascimento
Hospital Giselda Trigueiro vive situação crítica há mais de seis meses com falta de profissionais, de equipamentos e medicamentos

Hospital Giselda Trigueiro vive situação crítica há mais de seis meses com falta de profissionais, de equipamentos e medicamentos


Hospital Giselda Trigueiro vive situação crítica há mais de seis meses com falta de profissionais, de equipamentos e medicamentos

Leia Mais

No Hospital Giselda Trigueiro, principal hospital público que atende a doenças infecto-contagiosas no Estado, o ambulatório foi fechado após o início da greve dos servidores da saúde. A falta de profissionais, no entanto, é anterior à greve: desde julho de 2017, o Pronto Socorro do Hospital não consegue atender a população no período da manhã por falta de médicos, salvo em alguns casos mais graves previstos no protocolo. Este ano, o Hospital Walfredo Gurgel teve sua UTI cardiológica fechada, assim como leitos de enfermaria clínicas. No Hospital Maria Alice Fernandes, os leitos da UTI pediátrica forma os afetados. No interior, os hospitais de Rafael Fernandes e Mossoró também tiveram serviços suspensos.

O diretor técnico do Giselda Trigueiro, André Prudente, conta que a situação no Hospital foi se agravando ao longo dos anos com o aumento no número de profissionais que atingiam a idade para se aposentar ou o tempo de serviço prestado. Sem reposição ou concursos públicos, o déficit foi ficando cada vez maior, até o ponto em que os serviços de atendimento à população começaram a ser prejudicados. “Oito anos atrás, o hospital dispunha de quatro médicos plantonistas nos turnos da manhã e da tarde, e dois durante a noite. Atualmente, temos no máximo dois por turno. Ou seja, reduziu para menos da metade. E olha que não são todos os dias que conseguimos dois, algumas vezes só temos um médico de plantão”, conta o médico.

A situação é similar a de muitos outros hospitais da rede, como o Santa Catarina, na zona Norte, e o Deoclécio Marques, em Parnamirim. Em alguns casos, as cooperativas têm conseguido dar uma sobrevida ao déficit de médicos. Para vários dos gestores, no entanto, a necessidade da realização de um concurso é urgente “Aqui no Giselda não somos contemplados pela cooperativa médica, então estamos sofrendo muito com a falta de profissionais, principalmente na medicina e na enfermagem. Além disso, o valor pago às cooperativas médicas é muito superior ao que é pago para os médicos efetivos, o que gera uma dificuldade financeira ainda maior para o Estado”, disse André Prudente.

O último concurso realizado pela Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sesap) foi em 2010. Atualmente, a secretaria planeja realizar um processo seletivo simplificado para contratar 553 servidores temporários, a fim de tentar amenizar a situação de falta de pessoal enquanto o Governo se prepara para realizar o concurso público. Na tarde de ontem, o titular da Sesap, George Antunes apresentou à Assembleia Legislativa a proposta de orçamento no valor de R$ 105 milhões mensais, valor que garantiria a contratação dos profissionais temporários e o pagamento das cooperativas médicas, fornecedores de medicamentos e equipamentos. O orçamento previsto anteriormente era de R$ 30 milhões/mês.

O que fechou
Ao longo deste ano, por falta de recursos humanos, a saúde estadual fechou os seguintes serviços:

UTI cardiológica do Hospital Walfredo Gurgel

Leitos de enfermarias clínicas do Hospital Walfredo Gurgel

Leitos de UTI pediátrica do Hospital Maria Alice Fernandes

Leitos de UTI neonatal do Hospital Santa Catarina

Leitos de internação no Hospital Giselda Trigueiro

Leitos de internação nos hospitais de Rafael Fernandes e Mossoró

Setor ambulatório do Hospital Giselda Trigueiro


Leia também

Plantão de Notícias

Baixe Grátis o App Tribuna do Norte

Jornal Impresso

Edição do dia:
Edição do Dia - Jornal Tribuna do Norte