Falta quanto tempo?

Publicação: 2020-10-30 00:00:00
George Wilde
Publicitário

Falta quanto tempo para terminar de ler este texto? Não aguento mais ter que ficar parado aqui, só com os olhos indo de um lado para o outro como se fosse uma partida infinita de ping-pong. Quer saber? Eu poderia estar fazendo algo mais útil neste momento. O quê? Sei lá! Só sei de uma coisa: é muita perda de tempo ficar lendo.

Falta quanto tempo para chegar o final de semana? O trabalho está um saco e voltar para casa é ainda mais estressante. Essa rotina está me sufocando. 
Todo dia é a mesma coisa. Só torço para que os dias passem rápido, rápido, rápido. Às vezes, eu gostaria de deixar o meu corpo ligado no automático, enquanto a minha alma ficasse descansando na cama. É muita perda de tempo fazer aquilo que não ser quer.

Falta quanto tempo para tomar coragem e acabar de vez com esse relacionamento abusivo? É a pergunta que eu faço a mim todo santo dia. Sempre assim: as mesmas discussões pelos mesmos motivos sem futuro. Ou eu sou masoquista ou eu tenho medo das incertezas que me esperam. De todo modo, a conclusão é esta: eu estou passando mais tempo pensando em terminar do que pensando em alguma forma de tentar salvar o que parece que já está morto. É muita perda de tempo querer amar e ficar sempre no vazio.

Ok, eu sei que já era para ter marcado o médico, mas realmente estou sem tempo. Tenho que fazer supermercado, ir ao banco, deixar a roupa na costureira e levar o carro para a revisão. Vou ver se consigo fazer o exame na próxima semana.

Pronto, exame marcado. Ficou para próxima terça, 9h.

O senhor tem realmente certeza disso? Jura? Meu Deus do céu! O meu mundo acabou. Estou sem chão. Como vai ficar a minha família? E os meus filhos? E o meu trabalho? Olha, doutor, eu preciso que o senhor seja muito sincero comigo: tenho mais quanto tempo?

Como eu gostaria que este momento durasse para sempre. Ficar lendo um texto como este, embaixo de uma árvore, ouvindo os pássaros, sentindo a brisa no rosto, tocando as folhas que descansam pelo chão. Tudo tão simples e, ao mesmo tempo, tão essencial para viver. Viver é sentir. Por que o tempo não para?

Como eu gostaria que este momento durasse para sempre. Ficar aqui no seu colo, lembrando de quando a gente se conheceu, de quando a gente se apaixonou. Quanta coisa a gente já viveu, né? Eu te amo muito. Amo muito também os nossos filhos. Hoje, eu paro e vejo que você é a única pessoa que esteve ao meu lado em todos os momentos. Como é bom sentir agora os seus dedos passando pelo meu cabelo. Por que o tempo não para?

Antes, a toda hora, a todo instante, eu me perguntava quanto tempo faltava para que o futuro chegasse mais rápido. Hoje, eu estou aqui lutando para que o tempo passe mais devagar.

É engraçada essa nossa relação com o tempo. Ele, invisível, soberano. Nós, presentes e dependentes, sempre nos enganando que temos o total controle sobre ele. 

Sei que é utopia pensar que podemos concentrar toda a nossa energia no agora. Mas há uma forma de a gente escapar dessa armadilha que pode trazer mais angústia e ansiedade para as nossas vidas. 

Se partirmos da ideia de que o agora pode durar muito tempo, talvez a gente possa fazer com que todo o tempo do mundo seja tão intenso quanto o agora. Adiar é uma forma inteligente de planejar. Mas o planejar jamais deve ser tão limitado a ponto de querer substituir o viver. Falta quanto tempo para a gente entender isso?












Os artigos publicados com assinatura não traduzem, necessariamente, a opinião da TRIBUNA DO NORTE, sendo de responsabilidade total do autor.