Família arrecada dinheiro para transplante e tratamento em SP

Publicação: 2019-11-07 18:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Anthony Medeiros
Repórter

Com apenas 11 anos, Breno Barbosa já teve que passar por muitas dificuldades. Morte da mãe, câncer congênito, perda da sensibilidade nas pernas e uma vida em hospitais. No entanto, essa realidade pode estar, enfim, mudando. Após auxílio de um empresário caicoense que arcou com os custos de cirurgias e passagem aérea até São Paulo, onde receberá um rim e passará por remoção de um tumor na perna, o garoto e sua família correm atrás, até o domingo, 10, para arrecadar o valor da estadia médica na capital paulista.

Familua
Família arrecada dinheiro para vencer luta contra o câncer

Ao todo, um empresário da cidade de Caicó, no Seridó potiguar, se comprometeu a ceder o valor de R$ 40 mil, além das passagens de ida e volta de Breno, seu pai Odival Barbosa, 44, (pai) e Bruno Barbosa, 14, o irmão que irá ceder um rim para Bruno. A família luta, agora, para arrecadar R$ 10 mil, que serão repassados à unidade médica como custos pela estadia enquanto Breno se recupera dos procedimentos cirúrgicos. “Ele teve de lutar tanto até aqui. Estamos perto e vamos conseguir”, explica Odival, afirmando que já foi arrecadado R$ 1.650,00 até esta quinta-feira, 7.

A luta de Breno começou antes mesmo dele nascer. Sua mãe, Dona Maria do Socorro,  foi diagnosticada com câncer no colo do útero quando estava grávida do garoto. Logo após o nascimento e os primeiros exames, Breno foi diagnosticado com câncer congênito no intestino e apenas aos dois anos de idade, na esperança da cura, retirou 12% do intestino. Na época, eram residentes de Caicó, onde seguiam no tratamento do câncer de mãe e filho. No entanto, em 2016, de acordo com Odival, Maria do Socorro foi atropelada por um motoqueiro e morreu. A tragédia para a família veio justamente em uma fase decisiva da recuperação de Maria do Socorro. “Os médicos diziam que ela estava 80% curada. O Breno sentiu muito. Era muito apegado a mãe”.

Eletricista, Odival voltou para Juazeiro do Norte, no Ceará cidade onde nasceu, com os dois filhos. Por lá, seguiu no tratamento contra o câncer de Breno na Hospital Peter Pan, unidade médica em Fortaleza.

No entanto, em 2017, Breno perdeu completamente o movimento das pernas, passando a se movimentar com o auxílio de uma cadeira de rodas. Apenas por conta da fisioterapia que fez desde então, as pernas seguem em posição e não atrofiaram. De acordo com Odival, a demora no tratamento pelo Sistema Único de Saúde (SUS) era o que mais o angustiava. “Ao passo que a doença avançava, éramos mandados de um canto para outro, sem que a gente conseguisse avançar também na luta da doença. Era como nadar contra a maré".

Em 2018, mais um baque: por conta dos medicamentos cada vez mais fortes, o rim esquerdo de Breno parou de funcionar. Com apenas um rim, exames periódicos mostraram a degradação do órgão, que não contava mais com a possibilidade de hemodiálise. Neste cenário, apenas um transplante era tido como esperança para recuperar as funções renais de Breno. Foi aí que, no início deste ano, a família recebeu a notícia que Bruno, irmão mais velho de Breno, descobriu que era compatível para a doação. 'Ficará uma parte minha dentro dele pra sempre quando ele sair dessa. Eu sei que ele vai', comenta Bruno à TRIBUNA DO NORTE, enquanto aperta a mão do irmão.

Apesar da boa notícia, a luta da família seguia no estado vizinho. Desta vez, a luta era contra um tumor ósseo na perna esquerda que se desenvolvia e avançava com celeridade. “O pessoal [do Hospital Peter Pan] falava em amputar a perna. Imagina como eu fiquei, com a possibilidade do meu filho não andar nunca mais", comenta Odival, com olhos marejados, falando que o principal sonho do Breno é 'jogar futebol após sua cura'.

Vaquinha
Com um doador compatível na família, mas sem tanto tempo para permanecer na rede pública, a outra possibilidade era o atendimento na rede particular, realidade improvável ante a renda que a família dispunha. Então, Odival buscou contato com amigos e familiares, até chegar a um contato de 'alguém que poderia ajudá-lo'. Um empresário caicoense, que não quis se identificar, arcou com os custos do transplante no Hospital Albert Einstein e as passagens de ida e volta de Odival, Breno e Bruno, mas ainda precisa ser arrecadado o valor referente à estadia médica no Albert Einstein.

De acordo com Odival, o valor custeará a internação de Breno por 60 dias e de Bruno por 5 cinco, apenas o período de recuperação do irmão mais velho após ceder o rim direito ao mais novo. O principal adversário da campanha, no entanto, é o tempo, já que o valor precisa ser arrecadado até o domingo, 10, data que antecede o dia da partida da família para São Paulo/SP. “Viajamos na segunda, o Breno se interna na terça-feira, 11, e na sexta-feira, às 22h30, se Deus quiser fará o transplante", comenta.

Em Natal desde o início da semana, Odival e os filhos contaram com auxílio da Arquidiocese de Natal, que o encaminharam para um abrigo. Agora, vivem a expectativa de concluir essa luta. "O sonho do Breno é voltar a andar, ter uma vida com o mínimo de problemas. Ele tem 11 anos, já venceu coisas que eu não consigo nem falar", comenta.

Serviço:
Campanha para arrecadar valores de estadia médica de Breno Barbosa, garoto de 11 anos com câncer.
Precisa de: R$ 10 mil (custos de estadia média no Albert Einstein por 60 dias)
Arrecadou: R$ 1.650,00 (até esta quinta-feira)

Informações da conta:

Nome: Odival Barbosa Silva
Banco: Caixa Econômica Federal
Agência: 0227
Operação: 013
Conta: 00006948-1
CPF: 750.774.773-53
Telefone: (84) 98774-9978

continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários