Cookie Consent
Natal
Febre e diarreia são a maioria dos registros
Publicado: 00:00:00 - 13/03/2019 Atualizado: 23:29:57 - 12/03/2019
Moradora de Guamaré, município distante 173 km de  Natal, Adriana Roseno se queixava que todos os filhos apresentavam sinais de tosse e respiração cansada. O pequeno Lázaro, de três anos, era o que apresentava a tosse mais forte. A mãe estava em Natal na casa de um familiar, e não queria esperar o retorno para levar os filhos no medico. “Em Guamaré eu sei que tem uma saúde muito boa, já ouvi falar que era uma das melhores, mas nem todo canto é assim”, disse a Adriana.

Leia Mais

Dormindo, a pequena Alice, de três meses de vida, se aninhava no colo da mãe, Andrea Carla da Silva, 33 anos, enquanto aguardava o atendimento medico na UPA de Pajuçara. A mãe passou a madrugada em claro por causa dos sintomas da filha, que apresentou sinais de febre e diarreia. Em menos de 12 horas, aquela era a segunda vez que buscava atendimento no local, da primeira vez a filha fez exames e retornou para casa,

As duas moram próximas UPA do Potengi, mas Andrea Carla reclamou do atendimento do local. Em uma das vezes que a pequena esteve doente, teve que ir em três postos de saúde diferentes para que examinassem a filha e descobrissem o que ela tinha. “É muito precária a forma que atendem, não investigam nem o que as crianças têm. Da outra vez o medico não olhou nem para a minha filha. Foi quando decidi ir no Sandra Celeste (hospital) e atenderam direito”, reclamou a mulher.

Após alguns minutos de espera, a mãe finalmente entrou na sala do medico, que verificou os resultados dos exames. O diagnóstico era de uma virose e um principio de anemia, resquícios ainda da gravidez, quando a mulher também teve anemia. Em menos de 10 minutos, a mãe saiu com a receita em mãos e esperança que a filha melhorasse o mais rápido. “Há dois anos cancelei o plano de saúde da minha filha mais velha, de sete anos, e não fiz o da mais nova, por falta de condições financeiras. Está sendo muito ruim ficar sem”, lamentou.

As viroses, segundo o medico Tarcísio Gurgel, são cíclicas e comuns nesse período mais chuvoso. As doenças mais comuns em crianças que chegam na UPA, segundo o medico, são infecções gastrointestinais e respiratórias. “A zona Norte é uma região precária, e que está passando por muitas obras, tem buracos e poeira. Tudo isso colabora para a doença das crianças” explicou o medico.

No Hospital Infantil Sandra Celeste, na zona Leste de Natal, Margarida de Souza, 63 anos, aguardava na calçada o atendimento para a neta, Cíntia de Souza, 5 anos. A recepção do local é pequena e estava lotada de pacientes que aguardavam por um atendimento neste domingo. Moradora das Rocas, a mulher se deslocou até o local na esperança de receber um bom atendimento. ‘’Os médicos a maioria são bons, mas o que é ruim é essa espera. A gente só não desiste porque não pode”, lamentou.









Leia também

Plantão de Notícias

Baixe Grátis o App Tribuna do Norte

Jornal Impresso

Edição do dia:
Edição do Dia - Jornal Tribuna do Norte