Festival Casa Tomada está recebendo inscrições até o dia 17 de fevereiro

Publicação: 2021-01-22 00:00:00
O Festival Casa Tomada, uma iniciativa do Coletivo Independente Dependente de Artistas (Cida), está recebendo inscrições até o dia 17 de fevereiro para a realização de sua 8ª edição, programada para março. O evento será online em 2021, e o tema é “Dança Caseira”, um formato que todos os grupos de dança mundo afora foram obrigados a desenvolver devido ao isolamento social da pandemia.  É um festival de dança/artes cênicas que pensa o lugar do artista independente no cenário atual. Virtual, gratuito e acessível.

Créditos: DivulgaçãoRené Loui, do Cida, diz que a Mostra sempre foi independenteRené Loui, do Cida, diz que a Mostra sempre foi independente

O projeto, que é um desdobramento da ‘Mostra Casa Tomada’ em formato de festival, irá selecionar oito grupos, coletivos, companhias, e artistas independentes potiguares – ou residentes no estado - para compor uma programação diversa de cinco dias consecutivos, tendo como ponto de referência a produção artística em período de isolamento social. Os espetáculos, performances e/ou vídeos selecionados também vão contar com tradução em Libras (linguagem dos sinais).

O bailarino René Loui, integrante do Coletivo Cida, conta que a Mostra Casa Tomada sempre foi realizado de forma independente, sem nenhum apoio. Mas devido ao patrocínio da lei emergencial Audir Blanc, pode ser transformado num festival, algo que o grupo considera um grande salto. “Trazer o conceito de “Dança Caseira” para esta edição tem como objetivo dar visibilidade aos trabalhos produzidos pelos artistas independentes durante a pandemia”, ressaltou.

Outro diferencial do festival é a acessibilidade. René explica que o coletivo sempre pensou a questão da inclusão dos corpos não-normativos. “Temos no nosso núcleo pessoas com e sem deficiência, e agora poderemos transformar nossos trabalhos em produções acessíveis. Lançaremos pelo menos quatro trabalhos com audiodescrição, libras e legendamento e, além disso, os trabalhos que serão selecionados para o Festival também serão traduzidos para libras, o que para nós, é motivo de grande alegria”, completa.

Todos os artistas interessados em exibir seus trabalhos deverão, obrigatoriamente, apresentar uma proposta de oficina virtual a ser executada dentro da programação do evento. Deverão também se comprometer em participar de um bate-papo virtual após a exibição do espetáculo, performance ou vídeo. Cada uma das propostas selecionadas receberá um cachê de R$1.500 referente à exibição da obra, execução de uma oficina e participação no bate papo.

Experimental e inclusivo
O Cida é um núcleo artístico de dança contemporânea e performance, fundado em 2016 por jovens artistas emergentes, negros, com e sem deficiências, oriundos das mais diversas regiões do Brasil e radicados em Natal. Fundado por René Loui e Rozeane Oliveira, artistas que têm em seu histórico na dança o trabalho em outras companhias com perspectiva similar, o coletivo se destaca no cenário cultural norte-rio-grandense por sua produção experimental e inclusiva.

O coletivo já é considerado um dos principais grupos do cenário atual de dança contemporânea do estado. Dispõe de uma sede, chamada Casa Tomada, que também funciona como espaço cultural alternativo e fica localizada no bairro Capim Macio, zona sul de Natal. A Casa Tomada se concretiza como espaço alternativo de artes cênicas, com o foco ajustado na produção de artistas independentes da dança. Desde sua criação o espaço já recebeu artistas das mais diversas regiões, nacionalidades e linguagens de trabalho.

Ao longo de quase cinco anos o coletivo já esteve presente nos palcos de mais de quinze cidades do RN, em mais de dez estados brasileiros, e conquistou a internacionalização, apresentando seu trabalho para países como Equador, França, Portugal, Suíça e Índia. Entre suas produções, várias já conhecidas dos palcos natalenses, como “Maré”, “Borderline”, “Nu escuro”, e “Efeitos colaterais”.

Serviço:
Inscrições para o Festival Casa Tomada. 
Até 17 fevereiro, no site. 










Leia também: