Festival online mostra o melhor do terror nacional

Publicação: 2020-10-30 00:00:00
Um passeio cheio de sustos e surpresas pelo lado sinistro do cinema nacional. É o que está oferecendo a mostra “MacaBRo – Horror Brasileiro Contemporâneo”, um festival online de terror promovido pelo Centro Cultural Banco do Brasil até o dia 23 de novembro. Os filmes estão disponíveis gratuitamente na plataforma darkflix.com.br/macabro, um serviço de streaming dedicado ao cinema fantástico. Os filmes ficarão à disposição 24 horas e com limite de visualizações no caso dos longas, e durante uma semana, para os curtas. 

Créditos: DivulgaçãoEntre os longas, destacam-se produções nacionais como Morto Não Fala, de Dennison RamalhoEntre os longas, destacam-se produções nacionais como Morto Não Fala, de Dennison Ramalho

A mostra está exibindo 44 produções entre longas e curtas-metragens da nova geração de diretores e diretoras, assim como de nomes já consagrados da produção brasileira de terror. O festival selecionou filmes produzidos nos últimos cinco anos, entre 2015 e 2019, com data de lançamento até 2020, que continham forte experimentação visual e histórias horripilantes. A programação inclui ainda cursos e palestras via Sympla. 

Entre os longas, destacam-se produções que lançaram nomes de relevância no cenário do cinema nacional atual, como o premiado “Morto Não Fala”, de Dennison Ramalho, exibido em mais de 40 festivais no mundo e protagonizado por Daniel de Oliveira; “O Animal Cordial”, de Gabriela Amaral Almeida; “Sem Seu Sangue”, de Alice Furtado, que estreou no Festival de Cannes, e o aguardado “O Cemitério das Almas Perdidas”, de Rodrigo Aragão.

Também estão na lista “Quando eu era vivo”, de Marco Dutra, “Terminal Praia Grande”, de Mavi Simão, “O Clube dos Canibais”, de Guto Parente, “A Casa de Cecília”, de Clarissa Appelt, “Condado Macabro”, de André de Campos Mello e Marcos DeBrito, “Mal Nosso”, de Samuel Galli, o paraibano “O Nó do Diabo”, de Ramon Porto Mota, entre outros.

Já os curtas-metragens vão integrar sessões homenagens com quatro mini retrospectivas de nomes que se destacaram nos últimos anos no gênero. O público poderá conferir os filmes “O hóspede", “Não tão longe”, “O desejo do morto", “Cova aberta”, “Mais denso que o sangue” e “Os mortos”, da produtora paraibana especializada em filmes de gênero Vermelho Profundo; “Uma primavera”, “A mão que afaga” e “Estátua”, da cineasta Gabriela Amaral Almeida; “Nocturnu”, “Amor só de mãe” e “Ninjas”, do diretor Dennison Ramalho.

Zé do Caixão, um dos homenageados pela mostra, comparece nos curtas como personagem ou diretor em “O saci”, “Coffin Joe’s Heart Of Darkness”, de Marcelo Colaiacovo, Nilson Primitivo e José Mojica Marins, com trechos inéditos, além de “Tirarei as medidas do seu caixão”, de Diego Camelo, e “A lasanha assassina”, animação com voz de Mojica e direção de Ale McHado.

Segundo o curador Breno Lira Gomes, a mostra “MacaBRo” vem pra celebrar um gênero de cinema que é cheio de coragem e vontade de encontrar seu público. “O cinema brasileiro não é feito apenas de um tipo de filme e essa é uma boa oportunidade de valorizarmos ainda mais a recente produção do gênero no país. A mostra é fruto de uma produção atual e pulsante, que reúne uma nova geração de diretores e diretoras, que estão vendo a chance de experimentar dentro da linguagem cinematográfica”, afirmou.

Serviço:
Mostra MacaBRo – Horror Brasileiro Contemporâneo. Até 23/11, com exibições gratuitas na plataforma