Fia quer que carro venha com bloqueio de celular

Publicação: 2013-05-19 00:00:00
Genebra (AE) - A Federação Internacional de Automobilismo quer a criação de um sistema que limite de forma drástica o uso de celulares dentro dos carros, alertando que em muitos países os aparelhos já são as principais causas de acidentes nas estradas. Na sexta-feira passada, em um evento com colaboração da Organização das Nações Unidas (ONU), o presidente da entidade, Jean Todt, apontou que o total de mortes nas estradas já é duas vezes superior ao das mortes por malária e equivale aos registros de aids. 

No mundo, 1,3 milhão de pessoas perdem a vida por ano em acidentes de carro, segundo números oficiais. Se nada for feito, o número chegará a 2 milhões em 2020. Além disso, as estatísticas apontam para 15 milhões de feridos a cada ano. Mas, enquanto por muito tempo o problema foi causado por bebida ou velocidade, a constatação agora é de que, em alguns países, mandar mensagens pelo celular ao dirigir já é o maior motivo, superando até o álcool no sangue.

Todt agora negocia com empresas de tecnologia e montadoras a criação de um sistema equivalente ao "flight mode", que permite que o celular esteja ligado no avião, mas sem nenhum sinal. "Como temos no avião, a ideia é ter um ‘driving mode’ para o carro."

A proposta é de que sensores sejam instalados e, no momento em que o carro estiver em movimento, o celular se conecte automaticamente ao sistema de bordo. Seria possível atender o telefone no volante e ouvir pelos alto-falantes. Textos ficariam desativados.

Todt não deixou de se queixar da falta de atenção dada pelos governos ao tema e lembrou que, nos países em desenvolvimento, há outros problemas. "Não há educação suficiente nem investimentos suficientes em infraestrutura, os níveis do carros são ruins e há muita corrupção. Não há transporte publico e por isso vemos cinco pessoas em uma moto, todas sem capacete", disse, lembrando que se reuniu com a presidente Dilma Rousseff para tratar do assunto.

Outro obstáculo, em sua opinião, são as punições aos maus motoristas. "A corrupção é um problema real." Segundo o presidente da FIA, os acidentes no mundo em desenvolvimento custam anualmente a essas economias cerca de US$ 100 bilhões, o mesmo volume de dinheiro que recebem em ajuda internacional de países ricos. No Brasil, as multas por dirigir falando ao telefone já se aproximam das por excesso de velocidade.

Leia também: