Fiel

Publicação: 2019-11-26 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Itamar Ciriaco / itamar@tribunadonorte.com.b

Uma das traições mais imperdoáveis é aquela em relação ao seu clube de futebol. O “vira-casaca” é um ser defenestrado na comunidade futebolista. A tradicional frase: “a pessoa troca de religião e de mulher, mas de clube jamais” é uma das mais tradicionais entre os apaixonados do esporte bretão. Pois bem, concordo. Sou um adepto da fidelidade. Também acredito que o clube do coração merece esse respeito e que, trocá-lo seria um ultraje passível de prisão perpétua, ou banimento dos estádios de futebol. No entanto, também reconheço, como bom ser humano, que as tentações estão sempre por aí. Elas se aproveitam do seu “tesão” pelo bom futebol, do seu encantamento pelo craque e da sua fraqueza pelo jogo bem jogado. Atire a primeira pedra quem nunca, meio que de soslaio, deu aquela olhadinha disfarçada na beleza do futebol alheio. Ora, quem gosta, gosta muito e, admirar, não há de ser pecado. Acompanhar, assistir, observar e até mesmo aplaudir o que é bonito no futebol não pode ser considerado uma traição, uma virada de casaca. Nesses casos, estarão presentes todos os atenuantes. O crime pode até ter sido pensado, mas não foi tentado. O desejo ficou reprimido, mas, não há como negar que existiu.

Fiel 1
Os puristas e puritanos, hoje tão na moda, irão questionar o meu amor, a minha fidelidade. Me mandariam rezar no milho se pudessem. Afinal, também existe pecado em pensamentos, iriam proclamar. Mas, não concordo e me permito, como amante da arte no futebol, olhar de lado, admirar e, por vezes, até torcer para que o bom jogo alheio vença. Em todos esses quase 50 anos de vida, confesso que senti aquela pontinha de inveja apenas duas vezes. Nessas ocasiões olhei para o gramado do vizinho e ele, realmente, estava mais verde que o meu. Coincidência ou não, as duas situações envolveram o Flamengo. A primeira delas em 1981. Apesar de jovem, já apaixonado pela bola rolando, não tinha como deixar de vibrar com as peripécias de Zico e cia.

Fiel 2
Eis que 38 anos depois, o mesmo Flamengo me faz admirar o que não é “meu”. O rubro-negro, de Jorge Jesus e seus pupilos me obrigou a dar aquela virada indiscreta para conferir o que é bonito quando passa. Mas calma lá. É bonito, já olhei, parabenizei o amigo flamenguista, mas, mesmo com o futebol do meu time em crise, não o largo. Sou fiel e um eterno torcedor do meu clube. Não me condenem pelos meus pensamentos.

Vida que segue
Ao final desta temporada, com o América tropeçando na missão de sair da Série D e o ABC sofrendo com a queda justamente para a Quarta Divisão do Campeonato Brasileiro, ouvi, li e testemunhei muitos proclames de morte do futebol potiguar. Mas, como todos podem ver no noticiário diário, os times já estão treinando. Alvinegros e Alvirrubros seguem vivos como instituições centenárias que são e, em 2020, voltarão a trazer emoções aos seus torcedores... espero que boas dessa vez.

Vida que segue 1
No entanto, antes que alguém se descabele, os erros não podem ser esquecidos. As decisões erradas não devem ser varridas para debaixo do tapete. Planos foram refeitos e precisam ser seguidos. Caso haja necessidade de correção de rota que a decisão seja imediata e não protelada por medo de decidir, ou por incompetência. Claro que a vida segue nos clubes, mas, pancadas em sequência acabam deixando sequelas, algumas difíceis de serem curadas.

Mulheres
Cruzeiro e União disputam nesta quarta-feira (27), na Arena das Dunas o título do Campeonato Estadual Feminino. As duas equipes fizeram campanhas acirradas e chegam à decisão com os melhores índices técnicos do certame. O Cruzeiro chegou à final após vencer o Palmeira de Goianinha nos dois jogos da semifinal. Na primeira partida, a equipe de Macaíba venceu por 2 a 0. No último confronto realizado sábado (23), as meninas do Cruzeiro venceram por 7 a 0, somando um placar agregado de 9 gols de diferença. O União superou o Força e Luz na semifinal e garantiu vaga na decisão do Estadual Feminino. No primeiro confronto, o União goleou a equipe Elétrica por 5 a 0. Na segunda partida, elas aumentaram o saldo de gols ao vencer novamente por 4 a 0, na tarde desse sábado (23), no Estádio Juvenal Lamartine.

Homens
Assim como as mulheres, os homens também jogam nesta quarta-feira e na Arena das Dunas, só que mais cedo. A Federação Norte-rio-grandense de Futebol (FNF), decidiu que a final do Campeonato Potiguar Sub-17 e do Estadual Feminino serão em rodada dupla O clássico entre ABC e América, final da competição de base, acontecerá a partir das 15h. Enquanto que a decisão do Campeonato Potiguar Feminino será realizada logo após. Diferente das demais finais, a FNF decidiu fazer rodada dupla na Arena das Dunas, por se tratar de um grande evento que une a paixão do torcedor pelo futebol e grandes decisões. Primeiro acontece a decisão do Sub-17 e logo em seguida as finalistas do feminino entram em campo.
Paradesporto A prefeitura do Natal/Secretaria Municipal de Esporte e Lazer (SEL), realizará a Corrida Infantil nos III Jogos Paradesportivos, no dia 1º de dezembro, no Rua Traíri - Palácio dos Esportes, às 7h. O evento é destinado para crianças com deficiência física, visual ou intelectual de 3 a 14 anos. As inscrições estão abertas até terça feita, dia 26 de novembro e são realizadas exclusivamente por formulário online, com limite de participantes (link de inscrição: bit.ly/Corrida-Paradesporto-PMN). Para efetuar a inscrição é necessário informar: nome completo, idade, deficiência, nome e telefone do responsável, e qual a associação que se faz parte. As crianças receberão kit esportivo com camisa, medalha e lanche. A organização oferecerá toda a estrutura do evento com tendas, posto de hidratação, equipe de trânsito e saúde.





Deixe seu comentário!

Comentários