Fluxos e refluxos - Parte 3

Publicação: 2019-08-24 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Rafael Sampaio
Consultor de Marketing

A história dos últimos 100 anos mostra os fluxos e contra fluxos das agências de publicidade, que cresceram gradativamente na esteira da maior relevância da publicidade e das mídias de massa, que aumentaram tanto a complexidade e dificuldade em fazer boa propaganda como tornaram mais relevante a contribuição das agências para os anunciantes obterem mais de seus investimentos na área.

Essas circunstâncias foram especialmente válidas nas décadas de 1960 e 1970, quando se constatou que apenas fazer direito o que deveria ser feito já não era suficiente e a criatividade passava a ser crucial. Nesse ponto, muitas houses foram sendo fechadas e as contas migrando para as boas agências.

Nos 30 anos finais do século passado muita coisa mudou, mas como o dinheiro era cada vez mais abundante, havia espaço para todos, como a separação entre agências criativas e de mídia; a expansão de agências especializadas em promoção, marketing direto, merchandising, RP e outras plataformas; a consolidação dos grupos de comunicação, como a IPG, Omnicom, WPP, Publicis, Havas e Dentsu Aegis.

Com a chegada do universo digital, outra fase de mudanças tectônicas começou. O dinheiro até aumentou, mas os bolsos ávidos por ele cresceram ainda mais. Os grandes players digitais e os mega anunciantes acreditaram que eram menos dependentes das agências e começaram tanto a tentar trabalhar mais de forma direta como, ainda pior, passaram a pagar menos pela contribuição das agências.

Surgiu outro concorrente de peso para disputar os recursos delas, as martechs, com a promessa, geralmente não cumprida, que sua intervenção faria as coisas mais fáceis, rápidas, baratas e eficientes. Na real, como sabemos agora, no final da segunda década deste século, isso não aconteceu e a eficiência e a eficácia da publicidade vem se reduzindo e retirando das marcas um ativo com o qual muito sucesso e riqueza foi obtido no passado.

Não foi só culpa dos mega players digitais  e das martechs, é bom lembrar, porque a competição pelo preço e a perda de autoridade das agências contribuiu bastante, incluindo a visão financeira dos grupos globais de comunicação; a multiplicação de "especialistas" e a perda de rumo dos clientes, que pesaram na mão na compressão de custos, via procurement; embarcaram em estratégias fracas e no curto-termismo, erodindo a força de suas marcas; adotaram metodologias de ZBB (zero-based budgeting), criando situações de sub-investimento; e, bobagem das bobagens, passaram a apostar nas in-houses para reduzir custos, aumentar velocidade e ganhar eficácia.

A cereja desse bolo anti-mercado foram as consultorias, que botaram olho gordo no faturamento das agências e aproveitaram sua maior intimidade com CEOs, CFOs e outros "chefes" para seduzi-los com cantos de sereias.

Felizmente, o contra fluxo começa a acontecer, com a revalorização das agencias full service e das independentes, as agências de mídia pensando em criação e as criativas entendendo de mídia, e as consultorias se dando conta que o negócio é outro (caso da Accenture, que virou um grupo de comunicação global).

Até mesmo a onda das in-houses vem decepcionando diversos anunciantes que optaram por esse modelo. Pesquisa recente da britânica DMA - Data e Marketing Association revelou que para 200 executivos de grandes clientes, o atingimento de 13 objetivos para sua unidade interna foi menor que o esperado e a sensação geral é de que o sistema funciona para algumas empresas mas não para outras e, mesmo quando é válido para umas coisas, falha em outras.

É o inevitável refluxo. Que ele aumente e acelere - em benefício de todos, principalmente dos anunciantes.



continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários