Fotógrafa potiguar referência em registrar cenas de nascimento, concorre a prêmio internacional

Publicação: 2019-11-03 00:00:00 | Comentários: 0
A+ A-
Tádzio França
Repórter

Numa sala de parto há cenas de tensão, dor, ansiedade e sangue. Mas também de um sentimento profundo que muitos não conseguem definir. Imagine como é traduzir em imagens um momento tão íntimo e intenso. A fotógrafa Paula Galvão encontrou o ângulo certo desse sentimento, e há 15 anos se tornou pioneira e referência do segmento em Natal. Ela fotografa uma média de 30 a 36 partos por mês, e seu trabalho já conta com um bom reconhecimento – incluindo uma premiação internacional da qual ela participará este ano. São registros que vêm à luz com o ajuste certo de sensibilidade.

Em março de 2019 fotografou os primeiros trigêmeos – e a cena, com o primogênito no celular, é uma dos fotos premiadas
Em março de 2019 fotografou os primeiros trigêmeos – e a cena, com o primogênito no celular, é uma dos fotos premiadas

O primeiro ensaio fotográfico de parto foi da própria fotógrafa. Paula é filha e neta de fotógrafos. Seu avô, Jaeci Emerenciano Galvão (falecido em 2017) é autor de um dos maiores acervos fotográficos sobre Natal dos últimos 70 anos. Paula virou modelo de seu parto quando teve a primeira filha, há 18 anos. “Meu pai entrou sem eu saber no centro cirúrgico e fotografou tudo. E aí dois dias depois eu tive a feliz surpresa de receber essas fotos e me emocionei bastante. Decidi que um dia iria trabalhar com aquilo, foi marcante”, diz.

Antes de se dedicar aos partos, Paula trabalhou como assistente do pai e fez eventos infantis. Em 2004 mostrou o protótipo de um ensaio a uma cliente grávida, que topou fazer o registro de seu parto. A partir desse primeiro álbum Paula não parou mais: nasceu sua verdadeira  vocação fotográfica. Mas ainda levou um bom tempo até que todas as portas se abrissem para ela. “Muito gente dizia, 'parto é só sangue, não dá'. Havia um preconceito”, diz. Em 2012 um hospital e maternidade particular da cidade  a convidou para ser exclusiva de lá. Paula refez o Instagram, criou um folder, e a partir de 2014  conseguiu o mercado que desejava.

Trabalho de Paula Galvão é mais reconhecido no exterior
Trabalho de Paula Galvão é mais reconhecido no exterior

Discrição e atenção
A sala de parto é um espaço íntimo, e a fotógrafa também precisa ajustar sua postura na ocasião. “Eu sei que devo ter o máximo possível de discrição, porque não é um momento meu, é um momento deles. Antes de mim tem os médicos, as equipes, e tem aquele momento em que os clientes estão ali, tomados da emoção que eu não devo atrapalhar. Então eu fico como uma espectadora, fazendo os registros que mostram a emoção do momento”, diz.

Quando entra na sala, Paula tem o bebê como foco. E em seguida, nas emoções ao redor. “Estou prestando atenção nas expressões do bebê, o que está acontecendo ali ao redor dele, mas ao mesmo tempo eu tento captar a emoção de um pai chorando ou rezando, uma mãe se emocionando. Eu busco a emoção baseada na criança. Um pai olhando pro bebê, o bebê olhando pra mãe, um gesto que ele faz ali naquele momento, é pra isso o meu registro”, explica. Ela não fotografa os momentos mais técnicos, pois só vão interessar às equipes.

Imagem capta gesto curioso do bebê ao nascer
Imagem capta gesto curioso do bebê ao nascer

A fotógrafa conta que se “desliga” do exterior quando entra na sala de parto. Ela se conecta com concentração e prece. “Ali eu estou tão dentro de uma atmosfera de emoção que às vezes me surpreendo com o que eu consegui captar. Estava tão concentrada que nem havia percebido que tinha feito”, diz. Paula explica que de tanto acompanhar partos já desenvolveu timing e feeling para lidar com as equipes.  “Eu já sei exatamente pra onde o médico vai puxar o bebê, os movimentos, as posições quase que sincronizadas. Aprendei como me posicionar na sala e dinamizar o processo”, afirma.

“Causos” de parto
As vezes o bebê resolve vir ao mundo nas horas mais inesperadas e quem está em volta deve estar preparado – ou não. Paula já passou por muitas devido aos apressadinhos. “Eu sempre recomendo que me liguem quando estiver saindo de casa, então já aconteceu de um pai me ligar e a mãe já estar parindo. Já fiz um parto que a mãe pariu em pé e entrei de joelhos na sala para bater a foto porque não tinha outro ângulo. Já entrei na sala do parto errado – e o fotografei. A menina que fotografei por erro acabou ganhando as fotos também”, conta. 

Dinâmica das fotos requer posicionamento discreto e correto
Dinâmica das fotos requer posicionamento discreto e correto

Paula já fez todo tipo de parto, do normal à cesária, mas sempre em ambientes hospitalares. Ainda não fez um caseiro. “Considero que todos os partos são humanizados quando tem respeito à mãe e ao bebê”, diz. As fotos de gêmeos têm sido as mais interessantes que ela tem feito ultimamente. “O ano passado foi dos gêmeos, nunca havia fotografado tantos. Em março rolou nossos primeiros trigemeos – e uma dos fotos premiadas foi a deles”, ressalta. A fotógrafa também não faz mais fotos em preto e branco. “Prefiro o material nu e cru. Claro, uso as técnicas da fotografia para não expôr tanto o sangue. Uso ângulos, luz, tento minimizar, mas as fotos são todas coloridas”.

Repercussão internacional
Quando Paula começou seus ensaios de parto no início deste século, havia pouca gente fazendo igual, segundo as associações da época. Hoje, ela considera que há fotógrafos fazendo esse tipo de trabalho em qualquer hospital  do mundo. Há sete meses a potiguar se tornou membro de uma das maiores associações de fotógrafos do mundo, a Inspirator Photographers. Ela já teve fotos suas repercutidas nos jornais ingleses The Sun e Daily Mail, e também na revista The Chiiz, de Boston (EUA).

Através da associação, Paula Galvão teve nove fotos premiadas e recebeu duas menções honrosas, fato que lhe rendeu a indicação de “fotógrafa de família revelação do ano” pela Inspirator Photographers, cuja premiação em 2019 será realizada no Brasil, em Balneário Camboriú, litoral de Santa Catarina, dia 12 de novembro. “Será como um Oscar. Vão ter fotógrafos do mundo inteiro, a premiação será num teatro. A repercussão é mundial”, afirma, cheia de expectativas. Ela também é a única representante do Nordeste nessa categoria.

A série de fotografias de gêmeos marcou o ano de 2018
A série de fotografias de gêmeos marcou o ano de 2018

A fotógrafa potiguar tem quase 57 mil seguidores em sua conta no Instagram – a principal fonte de divulgação e propaganda. Gente do mundo inteiro, do Marrocos a Argentina. Ela considera que a presença no concurso funcionará mais como um reconhecimento local do que internacional – que já possui. “Esse concurso veio para o meio local perceber que existe um trabalho aqui em Natal que é diferenciado. Infelizmente, é algo que ainda costuma passar batido fora do meu nicho”, lamenta. Os contatos com Paula Galvão podem ser feitos através do 99117-4660 ou @paulagalvaofotos.






continuar lendo


Deixe seu comentário!

Comentários